Geral

Tiago Correia diz que governador Rui Costa foge da responsabilidade pelo aumento da violência na Bahia

O deputado Tiago Correia (PSDB) disse nesta terça-feira (8) que o governador Rui Costa quer transferir para o governo federal a responsabilidade pelo aumento da criminalidade na Bahia. “Em média, todos os dias cinco ônibus são assaltados somente em Salvador e nada acontece. Além disso, recentemente, o Monitor da Violência revelou que a Bahia foi o Estado que registrou o maior índice de mortes violentas no primeiro trimestre em todo o país”, afirmou o parlamentar.

De acordo com o levantamento, no período, a Bahia registrou 1.449 mortes violentas, 13,5% do total do Brasil, seguida pelo Rio de Janeiro, com 9%. O Monitor da Violência apontou também que, em 2020, a Bahia foi, pelo quinto ano consecutivo, o Estado que registrou a maior quantidade de mortes violentas. Em números absolutos, ao todo, a Bahia finalizou o ano passado com 5.276 mortes violentas (homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte) no ano passado.

“O governador Rui Costa disse que o governo federal é responsável pelo aumento da criminalidade na Bahia porque liberou a posse de armas, mas a realidade é outra. Há muitos anos, infelizmente, a Bahia lidera as principais estatísticas de criminalidade no país porque não há políticas públicas voltadas para estancar a criminalidade”.

De acordo com Tiago Correia, a diminuição da violência passa não apenas pela educação, mas também pelo enfrentamento do racismo, da desigualdade social, do acesso à cidadania, da redução do desemprego, da criação de oportunidades para os jovens e também de um melhor trabalho de investigação das polícias focado nas dinâmicas homicidas. É um problema complexo que exige soluções múltiplas. Não pode o governador querer responsabilizar, pelos crescentes índices, pessoas de bem que se predispõem a passar por uma série de exames e testes, preenchem os requisitos para ter a posse de uma arma, e ainda se submetem a um monitoramento de órgão públicos”, disse o deputado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo