Cotidiano

Menino que foi separado de irmão siamês se adapta à nova vida na Bahia

hitor_e_arthur_2Após cinco vividos longe de casa, Heitor, que tem seis anos e nasceu unido com o irmão Arthur pelo tórax, abdômen e bacia, começa a se adaptar a uma nova vida, depois que retornou para a cidade de Riacho de Santana, no sudoeste da Bahia.
Heitor e Arthur compartilhavam o mesmo fígado e órgão genital e foram preparados desde o nascimento para a cirurgia de separação, que aconteceu em Goiânia, em fevereiro deste ano. Três dias depois da conquista, a família recebeu uma notícia triste: Arthur teve paradas cardíacas e não resistiu. Dolores Rocha, avó das crianças, se emociona ao lembrar do neto. “Um pedaço de mim foi junto”, diz.
Apesar da saudade de Arthur, a casa da família também está cheia de felicidade pelo retorno de Heitor, que revelou que quer ser cantor quando crescer.
hitor_e_arthur
Eliana Brandão, a mãe do menino, conta que outro sonho de Heitor, que foi alfabetizado por ela, em casa, era frequentar a escola. Este sonho já se tornou realidade e, na sala de aula, o menino já se mostra completamente adaptado.
“Heitor é uma benção. Ele ajuda os meninos mais do que os meninos ajudam ele”, conta a professora Elisabeth Castro. A pedagoga Susane Martins também é só elogios para o garoto. “Heitor é um menino muito especial. Muito espeto, ativo, perspicaz”, afirma.
Quando chega a hora do recreio, uma verdadeira festa é formada na sala do Heitor. Além dos colegas dele, alunos de outras salas vão lanchar e brincar com ele.
Apesar de estar se dando bem com a nova vida, ele ainda precisa passar por avaliações médicas. A próxima está marcada para janeiro de 2016, em Goiânia, cidade que o acolheu por cinco anos. Até hoje, a família recebe mensagens de lá e de outras partes do país, desejando saúde para Heitor.
O menino sabe que muitas pessoas torceram por ele, e agradece o apoio. “Eu queria agradecer a todos que torceram por mim, eu estou muito bem. Um beijo”, disse o menino.
Para a mãe de Heitor, as festas de fim de ano serão especiais. “Vai ser um natal especial, porque graças a deus a gente tem o Heitor aqui com a gente. Mas também vai ser um natal saudoso, porque vai ter uma pessoa a menos com a gente”, diz Eliana Brandão. “A menos fisicamente, mas  a gente sabe que ele está presente o tempo todo”, acrescenta. G1 Fotos: Reprodução/TV Sudoeste)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar