Política

Desentendimentos ameaçam palanques de Lula no Sudeste

Disputas entre petistas e aliados nos 3 maiores Estados do Sudeste estão ameaçando ou ao menos estressando os apoios locais ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), pré-candidato ao Palácio do Planalto. Também há indefinição no Espírito Santo.

O Sudeste é fundamental na eleição presidencial porque São Paulo (32,3 milhões de eleitores segundo o TSE), Minas Gerais (15,5 milhões de eleitores) e Rio de Janeiro (12.580.720 milhões de eleitores) têm os maiores colégios eleitorais do país. O eleitorado capixaba é o 14º maior, com 2,8 milhões de integrantes.

A última pesquisa PoderData, realizada de 24 a 26 de abril de 2022, mostrou que Lula e o presidente Jair Bolsonaro (PL), postulante à reeleição, estão empatados tecnicamente em 3 das 5 regiões do país para o 1º turno das eleições de 2022: Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Essas 3 regiões concentram 65% dos eleitores brasileiros. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O resultado é ruim para o petista, que liderava o Sudeste até março. Os dados foram divulgados em 29 de abril. O registro no TSE é BR-07167/2022.

Definir os palanques na região mais populosa do país é importante para Lula reduzir a vantagem operacional que Bolsonaro tem por dominar a máquina pública federal. Articuladores petistas querem ter as chapas locais definidas até o fim de maio.

Entenda a seguir os nós a serem desatados pelo ex-presidente nos 4 Estados do Sudeste.

São Paulo

O PT tem pré-candidato a governador, Fernando Haddad, na maior unidade da Federação. O principal aliado do partido nacionalmente, o PSB, também tem seu postulante, Márcio França.

A disputa foi um dos fatores que impediu o PSB de se juntar à federação de partidos de esquerda liderada pelo PT. Federadas, as duas siglas poderiam ter apenas 1 candidato a governador. O grupo acabou sendo formado por PT, PC do B e PV.

Se Haddad e França forem até o fim com suas candidaturas, o campo político de Lula ficará dividido ao menos no 1º turno no Estado. Bolsonaro, por sua vez, tem um candidato definido para a disputa: o ex-ministro Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos).

Petistas e mesmo alguns pessebistas acreditam que Márcio França retirará a candidatura. A pré-campanha de Haddad “guarda” a vaga de candidato a senador na chapa para o caso de França deixar a disputa pelo governo e topar ocupar o posto.

“Sempre tem espaço para conversas [sobre unificar candidaturas], mas estamos armados para os 2 jeitos [candidatura unificada ou duas candidaturas], disse Márcio França.

O site Poder360 perguntou a França se a ideia, em caso de haver as duas candidaturas, seria Lula fazer campanha para Haddad e Geraldo Alckmin (PSB), vice na chapa de Lula, para ele.

“Pode ser, é uma boa solução”, respondeu o pessebista. “A gente não vai colocar o interesse de São Paulo acima do Brasil. A opção pelo Alckmin do ponto de vista do presidente Lula foi de ampliar seu espectro político, e é isso que eu espero que aconteça”, disse França.

Alckmin é ex-governador de São Paulo, ex-tucano (integrou o PSDB por 33 anos) e tem histórico conservador. Foi escolhido como vice para tentar ampliar o eleitorado potencial de Lula.

Desde que se filiou ao PSB, porém, Alckmin tem dado sinais à esquerda. Na última 5ª feira (28.abr.2022), participou de evento do partido onde foi tocada a música “A Internacional”, hino de  movimentos socialistas e comunistas. Apoiadores de Jair Bolsonaro têm usado a cena para tentar desgastar Alckmin junto à direita.

O principal partido de centro na mira de Lula, o PSD, não tem demonstrado disposição de apoiar Lula no 1º turno. Embora diga nos bastidores que estará com o petista no 2º turno, o presidente da sigla, Gilberto Kassab, sinaliza que o partido não apoiará nem Lula, nem Bolsonaro no 1º turno.

Alguns setores do PT avaliam que a manutenção da candidatura de França pode beneficiar Haddad por reduzir as chances de o atual governador, Rodrigo Garcia (PSDB), ir para o 2º turno.

Segundo essa linha de raciocínio, Garcia seria um adversário mais difícil que Tarcísio por ter a máquina estadual nas mãos e não sofrer a rejeição que o bolsonarismo tem.

Minas Gerais

Em Minas Gerais, Lula enfrenta uma situação delicada. Trata-se do caso mais difícil. O ex-presidente pretende apoiar e ser apoiado por Alexandre Kalil (PSD), que será candidato a governador. O atual chefe do Executivo local, Romeu Zema (Novo), tem afinidades com o bolsonarismo.

O líder do PT na Câmara, Reginaldo Lopes, porém, pressiona para ser o candidato ao Senado. O PSD, no entanto, tem como pré-candidato o senador Alexandre Silveira. Pelas regras eleitorais, só pode haver um candidato ao posto na coligação de Kalil.

Silveira é presidente do PSD de Minas Gerais e influente na estrutura partidária nacional. Também é próximo do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Tem poder para impor seu nome como candidato a senador da chapa.

Além de quererem lançar Reginaldo, petistas estão descontentes com a possibilidade de a chapa de Kalil ser exclusivamente pessedista. Agostinho Patrus, convidado para ser vice, deixou o PV e se filiou ao PSD.

Uma possível saída seria lançar Reginaldo como candidato em uma chapa separada, e Lula e Kalil se apoiarem informalmente. Essa solução, porém, desagrada ao PSD.

Mesmo em setores do próprio PT o apoio informal é visto com ressalvas. Sem a coligação, Kalil não poderia, por exemplo, pedir voto na televisão para aliados petistas candidatos a deputado.

Também seria desconfortável para petistas mineiros não ter um candidato formal para se contrapor a Zema no Estado depois de ter passado os últimos 4 anos fazendo oposição ao político do Novo.

Reginaldo, porém, diz não abrir mão da disputa. Ele tem divulgado até mesmo convites para o lançamento de sua pré-campanha com a participação de Lula em 9 de maio. Integrantes da comitiva petista já estão programados para estar em Belo Horizonte na data.

A chapa de Lula, com Alckmin na vice, será lançada em 7 de maio. Além da capital mineira, Lula também deve ir a Contagem (10.mai) e Juiz de Fora (11.mai).

A chapa Lula-Kalil, no 2º maior colégio eleitoral do país, é importante nas projeções do petista de voltar à Presidência da República. Historicamente, desde a redemocratização, todos os presidentes eleitos venceram em Minas.

Se for impossível um acerto entre Lula e Kalil, o petista também deve perder o apoio velado do ex-senador Antonio Anastasia. Hoje ele é ministro do TCU (Tribunal de Contas da União), mas mantém muita influência no Estado.

Rio de Janeiro

Lula demonstra apoio ao deputado Marcelo Freixo (PSB) na eleição para governador do Rio de Janeiro. Alessandro Molon, também deputado do PSB, é pré-candidato ao Senado.

O PT do Rio de Janeiro, porém, quer lançar o presidente da Assembleia Legislativa local, André Ceciliano (PT), em um dos principais postos da chapa –mais provavelmente a senador.

Pessebistas argumentam que Molon é mais conhecido e tem mais chances de ser eleito, e que isso seria especialmente importante porque os 3 senadores do Rio (Flávio Bolsonaro, Romário e Carlos Portinho) são do PL e próximos a Bolsonaro.

Além da pressão contrária do diretório local do PT para emplacar Ceciliano, há desconforto de petistas de fora do Rio de Janeiro com a possibilidade de o PSB ter os 2 principais candidatos na chapa.

Mesmo o nome de Freixo, mais consolidado na aliança entre os partidos, é visto com ressalvas por petistas. Isso porque ele não agrega o prefeito da capital, Eduardo Paes (PSD), tido como principal cabo eleitoral do Estado.

Espírito Santo

O problema petista no território capixaba é de origem diferente. O governador, Renato Casagrande, é do PSB e tentará a reeleição. Ou seja, é o nome natural para encabeçar a chapa e é de um partido aliado ao PT.

Ele, porém, não fará campanha para Lula. O ex-presidente é impopular no Estado. Casagrande e seu grupo político avaliam que se associar ao petista poderá trazer prejuízos eleitorais.

Se não houver acordo com Casagrande, o PT deverá lançar o senador Fabiano Contarato para concorrer ao governo estadual e promover o nome de Lula localmente.

Poder 360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo