Datafolha: Bolsonaro tem 28% das intenções de voto; Haddad 16%

Nova pesquisa do instituto Datafolha, divulgada na madrugada desta quinta-feira (20), mostra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) com 28% das intenções de voto na disputa presidencial. Fernando Haddad (PT) tem 16% e Ciro Gomes (PDT) aparece com 13%. Geraldo Alckmin (PSDB) obteve 9% e Marina Silva (Rede) é a candidata de 7% dos entrevistados. Alvaro Dias … Leia Mais


Lula está pagando pelos erros que cometeu, diz Marina

A presidenciável Marina Silva (Rede) disse discordar da tese do PT de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja um preso político. “Eu não concordo que é preso politico. Está pagando pelos erros que cometeu”, afirmou ela em evento da revista Veja, nesta quarta-feira (19), em São Paulo. “É preciso acabar com essa … Leia Mais


CUT/Vox Populi: Haddad passa Bolsonaro e lidera quando aparece como apoiado por Lula

O candidato à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), ultrapassa Jair Bolsonaro (PSL) e assume a liderança das intenções de voto quando apresentado como candidato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É o que mostra a pesquisa CUT/Vox Populi, divulgada nesta quinta-feira (13). Quando colocado na condição de “apoiado por Lula”, Haddad alcança … Leia Mais


Jair Bolsonaro passa por nova cirurgia

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, passou por uma cirurgia na noite desta terça-feira (12), segundo boletim médico do Hospital Albert Einsten, onde o candidato está internado desde sábado (8), após ser vítima de um atentado. Segundo médicos, o procedimento terminou por volta das 23h40, foi bem-sucedido e o candidato passa bem. De … Leia Mais


Haddad é aprovado como substituto de Lula em reunião do PT

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad foi aprovado por aclamação nesta terça-feira (11), em reunião da Executiva do PT, como candidato à Presidência da República pelo partido em substituição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, impedido de concorrer por ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa, informou à Reuters uma fonte presente … Leia Mais


Bolsonaro terá de passar por nova cirurgia, diz hospital


O hospital Albert Einstein afirmou, em nota divulgada na manhã desta segunda-feira, que o estado de saúde do candidato Jair Bolsonaro (PSL) ainda é grave e ele permanece em terapia intensiva.

“Será necessária nova cirurgia de grande porte posteriormente, a fim de reconstruir o trânsito intestinal e retirar a bolsa de colostomia”, informa o boletim médico atualizado às 10h15 de hoje.

A colostomia é uma abertura no abdome para a saída de gases e matéria fecal, já que os intestinos grosso e delgado foram lesionados pela facada que o presidenciável levou em um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), na última quinta-feira (6).

Ainda conforme o boletim, Bolsonaro permanece com sonda gástrica, sendo alimentado apenas por via endovenosa, e com paralisia intestinal, o que ocorre habitualmente depois de grandes cirurgias e traumas abdominais.

Veja


Barrado pelo TSE, Lula lidera intenções de voto com 37%; Haddad chega a 6%, diz pesquisa


Mesmo com a candidatura barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera as intenções de voto para as eleições deste ano, segundo pesquisa do instituto FSB, encomendada pelo banco BTG Pactual e divulgada nesta segunda-feira (3).

 

A pesquisa fez cenários com e sem o petista. Naquele em que o ex-presidente aparece, na estimulada, quando nomes de candidatos são citados, Lula lidera, seguido por Jair Bolsonaro (PSL). Vale lembrar que o levantamento foi realizado entre os dias 1º e 2 de setembro, ou seja, depois que o TSE indeferiu a candidatura do petista, decisão tomada na madrugada de sábado (1º). Veja os resultados:

 

Lula (PT) – 37%
Jair Bolsonaro – 22%
Ciro Gomes (PDT) – 7%
Geraldo Alckmin (PSDB) – 6%
Marina Silva (Rede) – 5%
João Amoêdo (Novo) – 4%
Alvaro Dias (Podemos) – 3%
Guilherme Boulos (PSOL) – 1%
Henrique Meirelles (MDB) – 1%
Cabo Daciolo (Patriota) – 1%
Nenhum – 9%
Brancos e Nulos – 2%
Não sabe – 2%
Não respondeu – 0%

 

SEM LULA E COM HADDAD

Na estimulada sem o ex-presidente, Bolsonaro assume a dianteira, com 26%, enquanto o ex-prefeito de São Paulo e provável substituto de Lula na disputa registra 6% e fica em quinto lugar. Veja os números:
Jair Bolsonaro (PSL) – 26%
Ciro Gomes (PDT) – 12%
Marina Silva (Rede)  – 11%
Geraldo Alckmin (PSDB) – 8%
Fernando Haddad (PT) – 6%
João Amoêdo (Novo) – 4%
Alvaro Dias (Podemos) – 3%
Henrique Meirelles (MDB) – 1%
Guilherme Boulos (PSOL) – 1%
Cabo Daciolo (Patriota) – 1%
Nenhum – 18%
Brancos e Nulos – 4%
Não Sabe – 5%
Não respondeu – 1%

 

PESQUISA ESPONTÂNEA
Já na pesquisa espontânea, quando os nomes dos candidatos não são apresentados aos entrevistados, Lula e Bolsonaro ficam empatados com 21%. Já Haddad (PT) registra apenas 1%, desempenho de candidatos nanicos. Veja os números:
Lula (PT) – 21%
Jair Bolsonaro (PSL) – 21%
Ciro Gomes (PDT) – 4%
João Amoêdo (Novo) – 3%
Geraldo Alckmin (PSDB) – 3%
Alvaro Dias (Podemos) – 1%
Fernando Haddad (PT) – 1%
Outros – 1%
Nenhum – 14%
Brancos e Nulos – 5%
Não sabe – 21%
Não respondeu – 3%

 

A pesquisa ouviu 2 mil eleitores por telefone, em 26 estados e no Distrito Federal, entre os dias 1 e 2 de setembro deste ano. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O levantamento tem intervalo de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-01057/2018.

por Bruno Luiz


Comitê da ONU não atendeu a pedido para soltar Lula


Comitê de Direitos Humanos da ONU não atendeu ao pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para que ele fosse liberado da prisão e apenas aceitou a solicitação para que seus direitos políticos fossem preservados. Em explicações, a vice-presidente do órgão confirmou que o brasileiro havia solicitado que a ONU emitisse um pedido de medidas cautelares para que ele fosse solto. “O pedido do Comitê não solicita isso”, disse.

Em maio, diante da prisão iminente do ex-presidente, o Comitê de Direitos Humanos já havia negado sua solicitação para que sua prisão fosse evitada, como parte de medidas cautelares. “O Comitê de Direitos Humanos não concederá medidas cautelares no caso de Lula da Silva”, declarou a porta-voz de Direitos Humanos da ONU, Julia Gronnevet, em maio de 2018.

“Baseada na informação que recebeu, o Comitê não pode concluir que existe um risco de um dano irreparável nesse momento”, declarou a ONU em um comunicado naquele momento, que insiste que não avaliou a substância ainda da queixa original da defesa de Lula. Agora, o órgão optou por atender apenas à questão de seus direitos políticos, deixando ao cargo das cortes brasileiras uma decisão.

Num comunicado emitido nesta sexta, o Comitê de Direitos Humanos da ONU “solicita ao Brasil que tome todas as medidas necessários para que o candidato do PT à Presidência nas eleições 2018, Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Operação Lava Jato, possa desfrutar e exercer seus direitos políticos, enquanto esteja na prisão, como candidato para as eleições presidenciais”. O comitê ressalta, porém, que a decisão liminar não significa que a organização reconheça a existência de uma violação aos direitos do ex-presidente.

Mas o Comitê rebateu o Itamaraty e disse que o Brasil tem obrigações em cumprir a recomendação emitida nesta sexta-feira para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva possa ter seus direitos políticos preservados nas eleições de 2018.

Numa nota, o Itamaraty indicou que a decisão do Comitê “têm caráter de recomendação e não possuem efeito juridicamente vinculante.” Ou seja, o Brasil não é obrigado a adotá-las.

Em entrevista, uma das peritas do órgão, Sarah Cleveland, deixou claro que o Comitê discorda da posição apresentada pela chancelaria brasileira e que, eventualmente, o ex-presidente poderia usar a posição do órgão em cortes nacionais brasileiras.

Professora da Universidade de Columbia, nos EUA, ela explicou a posição do grupo. “Essas são medidas legalmente vinculantes”, disse. “O Brasil tem obrigações internacionais e estaria em violação de suas obrigações se não aceita-la”, insistiu a americana, indicada pelo seu governo em 2014 para o cargo internacional.

A jurista admitiu que o Comitê “não tem como impôr a medida ou aplicar sanções contra o Brasil”. “Mas não cumprir seria uma violação”, insistiu. Segundo ela, em 2019 quando o caso for finalmente concluído,o Comitê pode determinar se o Brasil não cumpriu a recomendação.

A jurista explicou que existe uma “elevada taxa” de casos em que governos cumprem com a determinação do órgão. “Nossas medidas cautelares tem evitar a aplicação de penas de morte, até que os casos sejam tratados, ou a deportação de pessoas e isso governos tem atendido nossas medidas” disse.

Para ela, o governo brasileiro não pode alegar uma interferência externa em seus assuntos. “O Brasil é parte das convenções e do pacto que diz que todos tem direito de participar da vida política. Foi com base nesse artigo que tomamos a decisão”, explicou.

“Além disso, o Brasil é parte do Protocolo Adicional do Pacto de Direitos Civis e Políticos, que permite que um brasileiro traga uma causa ao Comitê. E foi isso que ocorreu”, argumentou, insistindo que não houve intromissão indevida por parte do orgão da ONU no Brasil. “Tudo o que fizemos está baseado no direito”, insistiu.

Sara Cleveland também explica que o órgão de fato não tomou uma decisão definitiva sobre o caso de Lula. Mas a medida atual é uma forma de garantir que não haja um “dano irreparável”.

Estadão Conteúdo


Sem Lula, pesquisa mostra Bolsonaro e Alckmin empatados em São Paulo


Jair Bolsonaro (PSL) continua na liderança da corrida presidencial em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre os eleitores do estado de São Paulo, maior colégio eleitoral do país.

Porém, de acordo com uma pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT/MDA) publicada nesta quarta-feira (8), o deputado federal empata tecnicamente com o segundo colocado, Geraldo Alckmin (PSDB).

Bolsonaro tem 18,9% das intenções de voto em São Paulo sem o ex-presidente  Lula considerado. O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) aparece em segundo lugar com 15%. A margem máxima de erro é de 2,2 pontos percentuais para cima ou para baixo. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob os números SP-04729/2018 e BR-05911/2018.

Na sequência da pesquisa que ouviu 2.002 entrevistados, distribuídos em 75 municípios de todas as regiões do estado, entre os dias 2 e 5 de agosto, aparecem a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 8,4% e Fernando Haddad (PT), atual vice na chapa de Lula e nome cotado para substitui-lo ao longo do processo.

O ex-prefeito da capital tem 8,3% das intenções de voto, tecnicamente empatado com Ciro Gomes (PDT), que tem 6%. O senador Álvaro Dias (Podemos) aparece com 1,8%, seguido por Guilherme Boulos (PSOL) e Vera Lúcia (PSTU), ambos com 1,1%, e aparece em último Henrique Meirelles (MDB), com 1%.

O levantamento considerou a candidatura de Manuela D’Ávila (PCdoB) por ter sido feita antes do fim das convenções partidárias. No levantamento sem Lula, Manuela teria 1,1% das intenções de voto dos eleitores paulistas.

BN

 


Palocci entrega rastreadores à PF para comprovar propinas pagas a Lula


Para comprovar negociações e pagamentos de propinas relatados em delação premiada, o ex-ministro Antonio Palocci entregou à Polícia Federal (PF) dois rastreadores instalados em automóveis de uso pessoal.

Segundo o site O Antagonista, os dispositivos registraram todos os percursos feitos por Palocci, como escritórios de advocacia, empresas, residências e restaurantes.

 

O ex-ministro relatou à força-tarefa que foi o responsável por pelo menos cinco entregas de propina em dinheiro ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além dos rastreadores, Palocci entregou quatro HDs de computadores da Consultoria Projeto, empresa utilizada para repasses ilícitos de empresários ao PT.

O material deve ser periciado pela PF.

Noticiasaominuto