Cidades

Morre promotor feito refém por extremistas na Turquia

O promotor turco Mehmet Selim Kiraz, que havia sido sequestrado por extremistas de esquerda em um tribunal de Istambul, não resistiu a uma cirurgia e morreu. De acordo com o presidente Tayyip Erdogan, a vítima levou três tiros na cabeça e dois no corpo.

Os dois homens do grupo marxista clandestino Partido/Frente Revolucionária de Libertação do Povo (DHKP-C) que mantinham Mehmet Selim Kiraz refém também morreram.

O chefe de polícia, Selami Altinok, estabeleceu linhas de comunicação com os sequestradores, mas agentes tiveram de invadir o Palácio da Justiça de Caglayan, na zona europeia de Istambul, após ouvir disparos dentro do local.

Os extremistas, que chegaram a apontar uma arma para a cabeça da vítima durante o cerco da polícia, exigiam a confissão televisionada do policial que atirou em Elvan e um julgamento para os policiais envolvidos na morte, além da reintegração para aqueles que participaram protestos após a morte do adolescente.

“Não podemos menosprezar a seriedade desde incidente”, disse o presidente turco, destacando que a segurança no tribunal deve ser reforçada.

Homens de minissaia protestam contra a violência na Turquia

Kiraz investigava a morte do adolescente de 15 anos Berkin Elvan, que morreu em consequência de um ferimento na cabeça provocado durante protestos contra o governo em 2013.

O DHKP-C é classificado pelos Estados Unidos, União Europeia e Turquia como uma organização terrorista. O grupo protagonizou um atentado suicida à embaixada americana em 2013 e à região central de Istambul em 2001, matando dois policiais e um turista australiano.

Quem é Berkin Elvan?
Berkin Elvan era um garoto de 15 anos que morreu devido aos ferimentos sofridos durante os protestos antigovernamentais na Turquia em 2013. O adolescente, que foi atingido com uma lata de gás lacrimogêneo quando saiu para comprar pão, passou cerca de nove meses em coma antes de falecer em março de 2014

Depois de sua morte, houve grandes protestos na Praça Taksim de Istambul, além de vilas e cidades em toda a Turquia. No momento, os manifestantes gritavam palavras de ordem contra o governo. A mãe acusou o presidente do país de matar o adolescente.

Terra Com informações da Ansa Brasil e Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo