MutuípeSlide

Esposa de Juscimar contesta nota do 14ª BPM

Moradores criticam a polícia e dizem que não houve confronto.

A esposa de Juscimar Oliveira, 39 anos, vítima de bala perdida na manhã de quarta-feira (1), na rua Honório Ribeiro Costa, em Mutuípe contestou nesta sexta-feira (3), a nota emitida pelo 14º Batalhão de Polícia Militar.

Segundo companheira dele, identificada como Josy, não houve confronto entre os fugitivos e a polícia, nem socorro dos policiais ao seu marido: “quando ele veio do rio, que ele viu o anzol, eu estava no quarto da chegada, eu ouvi um tiro, só um tiro, ai eu ainda falei, tiro uma hora dessa? Quando eu vim para a porta, meu marido, já vinha na porta, onde ele tava, dizendo: Josy, minha nega, os policiais me atiraram, os policiais me mataram, eu falei: meu nego tenha calma, ai ele falou: eu não sou bandido, não sou vagabundo, eu me desesperei, sai para o lado de fara, pra pedir ajuda, quando eu saí, eu vi os policiais parados na entrada para uma propriedade, quando eu saí eles entraram na viatura, e vieram para o nosso lado, eu ainda pensei que eles iam dar socorro, porque eles viram eu pedir ajuda, mas eles passaram direto, viu meu marido lá no chão, falando que não era vagabundo, que era trabalhador, mas passaram direito, comecei a pedir ajuda, me ajudaram, agradeço muito a quem me ajudou, e lavaram até o hospital, quando eu tava entrando no carro, eu vi a polícia chegar atrás, mas quando eles já estavam voltando, ai foi até o hospital, ai a gente veio para Santo Antônio, o médico chegou no meio do caminho, mas, ai foi fazer a cirurgia, mas não deu mais tempo, ele não resistiu.”

Josy revelou que o projetil entrou pelo abdômen e atingiu o braço da vítima, ela argumenta que se crianças estivessem na rua a tragédia seria maior. “e se tivessem crianças na rua? A tragédia seria maior!”

Nas redes sociais a população contesta o trabalho da policia: Como esse suposto rapaz estava deflagrada tiros na localidade do Mutuipinho para ele chega até a rua honorário Ribeiro costa tinha passar pelo alto da cajazeira , rua clementino Santos e centro atirando ele acerta várias pessoas até chegar na rua Honório Ribeiro por que deixaram pra logo um pai de família mim desculpe mas essa história está mal contada” Disse uma moradora, outra internauta declarou: “Acredito eu que o Mutuipinho é a na zona rural de Mutuípe, uma distância um pouco grande da rua do banheiro e para eles saírem em fuga teriam que passar por diversas ruas, se o Mutuipinho é zona rural como os disparos foram feitos em via pública, estou aqui tentando entender essa logística”. Um terceiro comentário dizia: “Segundo a nota houve tiroteio e perseguição pelas ruas..Em que ruas? Qual foi o percusso feito, que em nenhuma rua se viu perseguição, não se ouviu tiros das trocas como fala a nota… Mais um pobre, preto, morador da periferia fara apenas parte dos números de mortos, enquanto o responsável estará nas ruas, de forma irresponsável colocando em risco as nossas vidas, as vidas de nossos amigos e familiares… Mas de uma coisa tenho certeza, o melhor travesseiro é a consciência . Não foi morto um marginal, foi morto um rapaz batalhador que trabalhava muito para sustentar sua família e cuidar das suas filhas, que a justiça de fato apure o caso, e que a família não desista de buscar a verdadeira versão dos fatos e prove de onde realmente partiu o tiro…”

Veja a nota do 14º Batalhão de Polícia Militar.

“Informamos que: no dia 01 de janeiro de 2020, prepostos policiais que se encontravam de serviço na cidade de Mutuípe, foram informados por moradores da comunidade, que havia homens efetuando disparos de arma de fogo em via pública, na localidade conhecida como Mutuipinho. Ao chegar ao local, seguiram diligenciando até a Rua do Banheiro, onde a guarnição foi recebida a tiros por homens armados.No intuito de preservar suas vidas bem como a de terceiros, foi feito o revide de forma proporcional á injusta agressão. Ato contínuo, os policiais acompanharam os agressores, que empreenderam fuga, abandonando apenas uma das armas de fogo utilizadas no crime. No momento do deslocamento, para dar continuidade a diligência com fito de localizar os agressores, estes foram informados por populares que uma pessoa estava sendo socorrida em um veículo, de dados ignorados, por familiares. Que esse homem havia sido atingido por um disparo de arma de fogo. De imediato, a guarnição fez o acompanhamento do referido veículo, prestando todo auxílio necessário durante o socorro. Os procedimentos legais estão sendo adotados, tais como: abertura de Inquérito Policial Militar, acompanhamento do inquérito junto à Polícia Civil, além da perícia técnica, que permita indicar de qual arma fora realizado o disparo que vitimou o cidadão. A Polícia Militar age sempre primando pela preservação da vida, que é o nosso bem maior. Polícia Militar e comunidade na corrente do bem.” ASCOM 14ºBPM / Santo Antônio de Jesus.

Segundo informações de populares, Juscimar estava na frente de casa, quando a policia entrou pela comunidade Santa Rita perseguindo suspeitos, numa motocicleta, modelo POP, a vítima foi sepultada em Santo Antônio de Jesus, nesta quinta-feira (2), fruto do casamento em Mutuípe, ele deixa um filho com pouco mais de um ano de idade. Juscimar tinha mais quatro filhos.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar