TSE suspende propaganda eleitoral do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura. O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair … Leia Mais



Sobrinho de Bilhante Ustra doa R$ 1.000 para campanha de Bolsonaro

Um sobrinho do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932-2015) doou, por meio de uma vaquinha virtual, R$ 1.000 à campanha de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência. O advogado tributarista Octávio Lopes Santos Teixeira Brilhante Ustra, 41, é filho do único irmão civil do coronel, o advogado José Augusto Brilhante Ustra. Sócio de uma banca de … Leia Mais




‘Não precisamos de fake news para combater Haddad’, diz Bolsonaro


O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, negou na noite desta quinta-feira, 18, por meio de uma transmissão ao vivo no Facebook, que sua campanha tenha relação com notícias falsas disseminadas no WhatsApp e redes sociais contra seu adversário, Fernando Haddad, do PT.

O jornal Folha de S. Paulo publicou hoje que empresários bolsonaristas pagaram a empresas para espalhar boatos e informações negativas sobre Haddad no aplicativo de mensagens instantâneas. A prática configuraria caixa dois, isto é, doações à campanha de Bolsonaro não declaradas à Justiça Eleitoral. O presidenciável petista e o PDT vão à Justiça para pedir a cassação da candidatura do pesselista.

“Não tem prova de nada, é a Folha jogando nesse time do Haddad. Nós não precisamos de fake news para combater o Haddad, as verdades são mais que suficientes. Todos se lembram de 13 anos do PT, aí sim: caixa dois, corrupção generalizada, assalto a estatais, quebra de fundos de pensão, doação de dinheiro do BNDES a ditaduras. Esse é o PT, nós não precisamos fazer fake news contra eles”, declarou Jair Bolsonaro no vídeo.
Veja

Bebiano diz ao Estadão que Haddad está desesperado

Presidente do PSL desdenha das afirmações de Folha de S. Paulo.


Diário do Poder

O presidente interino do PSL, partido de Jair Bolsonaro, disse ao Estadão, que Fernando Haddad está “desesperado”, e chamou de piada a afirmação do folha de São Paulo, de que empresários estão pagando o impulsionamento de notícias contra o PT, através do WhatsApp

“Isso é sinal do desespero. Estão tentando criar um fato político qualquer. Quem entende de caixa 2, de dinheiro roubado, de assaltar os cofres públicos para fins pessoais e partidários é o PT”, disse o advogado Gustavo Bebianno.

O interino disse que empresários ofereceram sim ajuda para a campanha, mas segundo ele o candidato não teria aceitado: “Pelo contrário, ao longo da campanha, muitos empresários ofereceram recursos sim, por pessoas de bem, preocupadas com o Brasil, nós não nunca aceitamos.” Finalizou ele.

Haddad, o PT e o PDT falam em cassação da chapa do capitão reformado. Eles alegam caixa dois e abuso de poder econômico.


PT e PDT vão justiça pedir cassação da chapa de Bolsonaro

Bolsonaro pode se enquadrado por caixa dois e abuso de poder econômico.


(Foto: João Miguel Júnior/TV Globo)

A reportagem do Folha de S. Paulo, dizendo que ‘empresários bancam campanha contra o PT no WhatsApp’ e a disseminação de Fake News, parece ter atiçado os ânimos do Partido dos Trabalhadores e do PDT, sigla do terceiro colocado nas eleições, Ciro Gomes.

A agência Reutrs ouviu especialistas que disseram ser possível cassar a chapa de Jair Bolsonaro do PSL, por uso de caixa dois e abuso de poder econômico caso as acusações sejam provadas. A Folha diz que cada contrato chega a R$ 12 milhões.

“Em qualquer lugar do mundo, isso seria um escândalo de proporções avassaladoras, poderia encerrar até com a impugnação da candidatura com a chamada do terceiro colocado para disputar o segundo turno”, disse Fernando Haddad, candidato do PT, no Twitter ele postou “Vamos acionar a Polícia Federal e a Justiça Eleitoral para impedir o deputado Bolsonaro de agredir violentamente a democracia como ele tem feito. Fazer conluio com dinheiro de caixa 2 pra violar a vontade popular é crime. Ele que foge dos debates, não vai poder fugir da Justiça.”

Se a cassação ocorrer, Ciro Gomes que teve, 13.344.366 votos, representando 12,47% dos votos válidos, seria o convocado a disputar o segundo turno das eleições, marcado para 28 de outubro. Há 10 dias para o pleito, não acredita-se que haja tempo hábil para decidir a situação.

O presidente do PDT Carlo Lupi, disse que os advogados do partido ainda estão preparando a petição a ser apresentada ao TSE.


Bolsonaro pode ter candidatura impugnada, dizem especialistas ouvidos por agência

Candidato poderá ser acusado de usar caixa dois e abuso de poder econômico.


A agência Reuters conversou com especialistas para questionar sobre as acusações feitas pelo jornal Folha de S. Paulo, dizendo que empresários bancam campanha contra o PT no WhatsApp.

Segundo relatos, a campanha de Bolsonaro poderá ser acusada de abuso de poder econômico e ser impugnada.

O uso indiscriminado do WhatsApp como forma de doação de campanha não declarada, segundo a reportagem, pode impugnar a candidatura.

O advogado Francisco Emerenciano diz o caso pode ser enquadrado como abuso de poder econômico e ser considerada como caixa dois.

Quatro especialistas ouvidos concordam que mesmo que o candidato Jair Bolsonaro não tenha ciência do caso, ele pode sofrer as sanções, pois o resultado da eleição seria alterado devido a ação de seus apoiadores.

Os acusados negas as denuncias da Folha.

O candidato Fernando Haddad do PT e o PDT partido do 3º colocado na eleição, Ciro Gomes já revelaram que irão a justiça pedir a impugnação da candidatura de Bolsonaro.


Médicos liberam Bolsonaro para participar de debates

Médico afirma que participação de Bolsonaro em debates só depende do candidato.


O presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, foi liberado para participar dos debates na campanha eleitoral. O candidato foi avaliado nesta quinta-feira (18), por Antonio Luiz Macedo, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Bolsonaro está se recuperando de uma facada, sofrida no estado de Minas Gerais, o que inviabilizou a participação dele durante a reta final da campanha no primeiro turno.

O cirurgião foi questionado se o candidato poderia ir a debates e atos de campanha, “depende dele.” disse o médico.

Bolsonaro foi submetido a uma avaliação médica multiprofissional, de exames de imagem e laboratoriais, que se mostraram estáveis.

Nesta reta final de segundo turno, ainda restam dois debates previstos, no domingo, 21 de outubro, às 22h, na Record e sexta-feira, 26 de outubro, às 21h30min, na Rede Globo, o candidato ainda não confirmou participação.

Por estratégia o candidato tem se esquivado dos debates, e reconheceu publicamente que poderá faltar aos demais, ele lidera as intenções de voto.