Fachin libera denúncia contra Geddel e Lúcio para julgamento

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin liberou para julgamento na Segunda Turma da Corte a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o ex-ministro Geddel Vieira Lima, o irmão dele, deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), e outras quatro pessoas por lavagem de dinheiro e associação criminosa.   Além da denúncia, Fachin já … Leia Mais



Randolfe Rodrigues protocola pedido de impeachment contra Temer

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolou nesta quarta-feira (18), na Câmara dos Deputados, um pedido de impeachment contra o presidente Michel Temer. O parlamentar argumenta que houve suposto crime de responsabilidade durante depoimento prestado à Polícia Federal. No pedido, Randolfe pede esclarecimentos sobre as declarações prestadas pelo presidente da República relacionadas ao financiamento de campanha … Leia Mais


Câmara autoriza Bebeto mais oito deputados a visitar Lula na prisão

Após os senadores, os deputados da Câmara também irão até Curitiba ver se ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está sendo bem tratado em sua cela especial com TV, 15 metros quadrados de área e banho quente, de acordo com o jornal Estadão. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM(, autorizou a criação de uma … Leia Mais


Aécio Neves se torna réu por corrupção

Por unanimidade, a 1° Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu acolher a denúncia contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e tornar o tucano réu pelos crimes de corrupção passiva.   O relator do do processo, ministro Marco Aurélio Mello, recebeu a acusação formal da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador.   O voto do … Leia Mais


Aleluia: Rui se omite diante de abusos do MST


“A invasão do MST à sede da TV Bahia, na manhã desta terça-feira (17), é mais um ato criminoso com a complacência e a omissão do governador Rui Costa”, afirma o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA).
“Até quando o petista Rui Costa será conivente com esses frequentes atentados à propriedade privada, que estimulam todo tipo de bandidagem e transformam a Bahia no estado mais violento do Brasil?, questiona o parlamentar baiano.
Para Aleluia, está na hora de o povo baiano dar um basta nesta calamitosa situação, em que fazendas são invadidas, empresas destruídas, bancos explodidos, casas assaltadas e cidadãos sendo assassinados por causa de um celular.
“Em vez de ficar colaborando com atos ilegais a favor de um ex-presidente, condenado pela Justiça por corrupção, o governador Rui Costa deveria cumprir seu dever de guardião da ordem e mantenedor da segurança pública em nosso estado”, assinala Aleluia, fazendo uma pergunta que não quer calar: “por que nesses 12 anos o MST nunca foi para a porta do Palácio de Ondina protestar contra o governo do PT?”.

Senadores farão vistoria da prisão de Lula nesta terça


juíza federal Carolina Lebbos, responsável pela execução penal do ex-presidente Lula, autorizou que parlamentares da Comissão de Direitos Humanos do Senado verifiquem nesta terça-feira (17) as instalações onde o petista está detido.

Lula está preso desde sábado (7) na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR).

Estarão presentes na visita, às 14h, os parlamentares Regina Sousa (PT-PI), Paulo Paim (PT-RS), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Roberto Requião (PMDB-PR), Paulo Rocha (PT-PA), João Capiberibe (PSB-AP), Fátima Bezerra (PT-RN), Lídice da Mata (PSB-BA), Humberto Costa (PT-PE), José Pimentel (PT-CE), Telmário Mota (PTB-RR) e Ângela Portela (PDT-RR).

O despacho da juíza não deixa claro se eles encontrarão o ex-presidente. O senador Lindbergh Farias (PT) chegou a dizer que a preocupação não é com as instalações, mas com o isolamento de Lula e sua saúde.

Na última quinta-feira (12), a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que as instalações são razoáveis, mas que o petista está praticamente em um regime de solitária, por ficar “incomunicável”.

VISITAS

Também Pediram para visitar o ex-presidente políticos como Gleisi, Eduardo Suplicy (PT) e Ciro Gomes (PDT). A Justiça Federal ainda não decidiu se as visitas serão autorizadas -abriu vista para o Ministério Público Federal se manifestar.

Folhapress.


Opção do PT para eleição presidencial, Wagner deve ter ʹconversa francaʹ com cúpula


Rio de Janeiro – O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, participa da reunião do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), no Windsor Guanabara Hotel. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Tido como uma opção do Partido dos Trabalhadores (PT) para disputar a presidência da República – caso Lula (PT) não consiga –, o ex-governador da Bahia e secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner (PT), deverá ter uma “conversa franca” com a cúpula do partido nos próximos dias.

De acordo com a coluna Radar, da revista Veja, “por ordem de Lula”, “eles vão pressionar o companheiro a dizer se em suas gavetas há negócios que a Polícia Federal (PF) ainda não conhece”.

A informação foi divulgada pela coluna ontem à tarde (14). O ex-presidente Lula (PT) está preso em Curitiba, no Paraná, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá, em São Paulo.

Metro1


57% consideram Lula culpado, mas 46% são contra prisão


maioria da população brasileira (57%) considera que o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Operação Lava Jato, é culpado dos crimes atribuídos a ele. O País, porém, está rachado em relação à prisão do petista: 50% são a favor e 46% são contra. Os dados são de pesquisa do instituto Ipsos.

“Os resultados mostram que a Lava Jato continua com alto suporte da população e que a prisão de Lula não encerra esse anseio”, disse o diretor do Ipsos, Danilo Cersosimo. “Além disso, a polarização do País em torno da figura de Lula segue alta.”

 

Conforme o levantamento, a quase totalidade da população (95%) acha que as investigações da Lava Jato devem continuar após a prisão do ex-presidente. Mas há dúvidas sobre a abrangência das mesmas.

Para 52% dos entrevistados, não é correto afirmar que “a Lava Jato está investigando todos os políticos”. Outros 41% estão de acordo com essa avaliação.

A percepção de que “a Lava Jato está investigando todos os partidos” atingiu o mínimo histórico da série de pesquisas Ipsos no fim de semana da prisão de Lula. Apenas 43% dos eleitores manifestaram concordância com a frase, e 47% disseram o contrário.

É a primeira vez, em dois anos, que aparece como minoritária a parcela da população que compartilha da avaliação de que todos os partidos são investigados. Em abril de 2016, 66% da população via a Lava Jato como empenhada em investigar todas as legendas – 23 pontos porcentuais a mais do que agora.

Na pesquisa, os entrevistadores do Ipsos leem uma série de frases e perguntam se há ou não concordância em relação a elas. O levantamento começou no sábado em que o ex-presidente foi preso e se estendeu até a segunda-feira passada. Foram ouvidas 1.200 pessoas. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.

Nova divisão

O levantamento mostra que, mesmo com a convicção majoritária da culpa do petista, existe uma forte percepção de que “os poderosos querem tirar Lula da eleição”: 73% concordam com essa afirmação, e 23% discordam.

A maioria (55%) também concorda com a avaliação de que “a Lava Jato faz perseguição política contra Lula”. Outros 41% discordam.

Em relação à afirmação de que “a Lava Jato está mostrando que Lula é mais corrupto que os outros políticos”, aparece uma nova divisão: 51% discordam, e 44% concordam.

Estado de S. Paulo.


PGR denuncia Jair Bolsonaro por racismo


A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou, nesta quinta-feira, 12, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) pelo crime de racismo. A denúncia menciona discurso do parlamentar, no Rio de Janeiro, em que ofendeu quilombolas. O parlamentar já foi condenado em ação de danos morais

Em 3 de abril, o deputado fez uma palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, na qual, segundo a Procuradoria, ‘ofendeu e depreciou a população negra e os indivíduos pertencentes às comunidades quilombolas, bem como incitou a discriminação contra esses povos’. Na ocasião, o deputado afirmou que visitou uma comunidade quilombola e “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas”. Ainda citando a visita, disse também: “Não fazem nada, eu acho que nem pra procriador servem mais”.

A procuradora-geral afirmou que Bolsonaro ‘tratou com total menoscabo os integrantes de comunidades quilombolas’. “Referiu-se a eles como se fossem animais, ao utilizar a palavra “arroba””.

“Esta manifestação, inaceitável, alinha-se ao regime da escravidão, em que negros eram tratados como mera mercadoria, e à ideia de desigualdade entre seres humanos, o que é absolutamente refutado pela Constituição brasileira e por todos os Tratados e Convenções Internacionais de que o Brasil é signatário, que afirmam a igualdade entre seres humanos como direito humano universal e protegido”, afirmou Raquel.

A procuradora-geral destaca que o deputado ‘era capaz à época dos fatos, tinha consciência da ilicitude e dele se exigia conduta diversa, sobretudo por se tratar de um Parlamentar’.

“Estão devidamente caracterizadas nos autos, portanto, a autoria e a materialidade do crime”, afirma.

Pelo mesmo fato, Bolsonaro já foi condenado pela juíza Frana Elizabeth Mendes, em ação civil pública, ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil. O Ministério Público Federal, no Rio, por meio dos procuradores da República Ana Padilha e Renato Machado, havia acusado Bolsonaro por danos morais coletivos a comunidades quilombolas e à população negra em geral.

Terra