Cotidiano

Tratamento para evitar o HIV tem 100% de sucesso em estudo

TRUVADA300Mais um estudo realizado nos Estados Unidos confirma a eficácia da profilaxia pré-exposição (PrEP), ou seja, o uso de antivirais para evitar a infecção pelo HIV em indivíduos saudáveis.
Os pesquisadores do Centro Médico Kaiser Permanente de São Francisco acompanharam 657 homossexuais masculinos ao longo de 32 meses. Eles usaram diariamente o Truvada (tenofovir e emtricitabina) e, após o período, nenhum deles havia contraído o vírus. Os dados foram publicados no periódicoClinical Infectious Diseases.
Estudos anteriores já tinham apontado uma taxa de prevenção em torno de 86%, mas este é o primeiro a apresentar um resultado de 100%, segundo reportagem do jornal britânico Daily Mail.
O uso do Truvada em pacientes que não possuem o vírus foi aprovado nos EUA em 2012. No Brasil, o tratamento ainda é experimental.
Veja também
Remédio que evita infecção por HIV pode ser distribuído gratuitamente a partir de 2016
Cuba é o primeiro país do mundo a eliminar transmissão de HIV e sífilis de mãe para filho
Cientistas criam vacina experimental que gera anticorpos do HIV em roedor
Comportamento
Alguns especialistas temem que o uso da pílula estimule o comportamento sexual de risco entre gays e bissexuais, embora o tratamento não dispense o uso da camisinha. Já outros acreditam que a prevenção deve ser ampliada para reduzir o número de novos casos de Aids.
Por causa dessa polêmica, os pesquisadores também entrevistaram 143 dos usuários da PrEP para saber se o tratamento preventivo levou a mudanças de comportamento. Os resultados mostram que o número de parceiros sexuais não foi alterado para 74% do total. O uso do preservativo também se manteve igual para 56%, mas diminuiu para 41%.
Após seis meses de pesquisa, 30% dos usuários da PrEP foram diagnosticados com pelo menos uma doença sexualmente transmissível (DST). Mas a equipe não sabe se essas taxas são maiores do que as que seriam observadas sem o Truvada.
Os efeitos colaterais do tratamento incluem alterações na função renal, por isso é preciso que os pacientes sejam monitorados e testados com frequência. (Uol)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo