Cidades

Tia Eron aponta ‘culpados’ de baixa produtividade de sua pasta

A ex-deputada federal Tia Eron (PRB-BA) se manifestou sobre o seu desligamento da pasta de Políticas para as Mulheres, do ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Em um comunicado enviado a imprensa, a ex-secretária aponta os “culpados” pela sua saída do cargo, que teve como principal motivo a improdutividade da pasta.

O motivo da exoneração foi a improdutividade da pasta, que apesar de ter ofertado 18 ações com apenas dois meses de posse de Tia Eron, teve todas realizadas pela Diretoria de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher, enquanto as outras Diretorias comandadas por Lilian Nunes, Morgana Macena, a coordenadora Roberta Monzini, a assessora Crislane Pinto, o Assessor Lucas Carvalho e a Secretária Adjunta Roseane Carvalho de Freitas, não ofertaram resultado. Sendo esse o núcleo duro da inoperância“.

A exoneração de Tia Eron foi publicada na manhã deste sábado no Diário Oficial da União. Segundo o jornal ‘O Globo’, a nomeação de auxiliares considerados de esquerda pela ministra Damares Alves teria colaborado para a saída de Tia Eron do cargo.

No comunicado, a ex-deputada afirma que o estopim para a sua saída teria acontecido no dia 30 de abril, em um evento onde um grupo de servidores se negaram a tirar tirar uma foto com Damares, o que teria deixado a ministra humilhada e triste.

Tia Eron afirma que apesar da saída da pasta, continuará lutando pelo direito das mulheres. “Continuarei lutando pelas mulheres brasileiras e confiante nos planos de Deus”.

Confira a nota na íntegra:

A ex-secretária Nacional de Políticas para as Mulheres, Tia Eron, informa seu desligamento da pasta na manhã desse sábado (4).

O motivo da exoneração foi a improdutividade da pasta, que apesar de ter ofertado 18 ações com apenas dois meses de posse de Tia Eron, teve todas realizadas pela Diretoria de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher , enquanto as outras Diretorias comandadas por Lilian Nunes, Morgana Macena, a coordenadora Roberta Monzini, a assessora Crislane Pinto, o Assessor Lucas Carvalho e a Secretária Adjunta Roseane Carvalho de Freitas, não ofertaram resultado. Sendo esse o núcleo duro da inoperância.

O estopim aconteceu na última entrega no dia 30 desse mês quando as citadas se recusaram a assinar o acordo de compromisso da SNPM com a Defensoria Pública da União e a Secretária de Justiça e Cidadania do DF, em comemoração ao Dia da Mulher Brasileira rechaçada todas as ações e por fim  humilhando de público a Ministra Damares recusando o pedido da mesma para uma foto.

Tia Eron segue tranquila e agradece muito a Ministra Damares, ao Presidente Jair Bolsonaro, a bancada feminina da Câmara, ao PRB, e aos servidores da Secretaria.

“Continuarei lutando pelas mulheres brasileiras e confiante nos planos de Deus”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo