Cotidiano

STF apura se Collor recebeu propina da BR Distribuidora

FERNANDO COLLOR DE MELOUm dos seis inquéritos abertos pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para apurar a suposta ligação do senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) com a Lava Jato investiga se o parlamentar foi beneficiado com o pagamento de propina numa negociação envolvendo o escritório da BR Distribuidora em Salvador (BA).

A investigação tem como base a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró e tramitava em segredo até a semana passada.

Cerveró afirmou que foi procurado por um empresário que estava interessado em aproveitar a valorização comercial do escritório da BR Distribuidora na Bahia. O grupo pretendia construir três blocos, sendo que a BR receberia um escritório novo, composto por três andares, e mais nove andares para serem negociados a seu critério.

Para viabilizar o negócio, o empresário ofereceu um andar para Cerveró e Vilson Reichenbach, outro então diretor, receberiam um andar nos blocos a serem erguidos para dividir entre eles. Segundo ele, cada andar tem valor estimado em R$ 1 milhão.

Cerveró disse ainda que ficou sabendo que Collor também teria acertado receber recursos desviados do negócio por meio de seu operador, o ex-ministro Pedro Paulo Leoni Ramos. O acerto teria sido feito com o ex-presidente da OAS Leo Pinheiro e Paulo Roberto de Oliveira, da empresa PRS.

“Que Pedro Paulo também negociou com os empreendedores Leo Pinheiro da OAS e Paulo Roberto de Oliveira, da PRS, um pagamento de propina em valor e forma que o declarante não sabe precisar. Quer ficou sabendo disso pelo próprio Pedro Paulo, que Pedro Paulo cobrou propina em nome de Fernando Collor que a BR era um feudo do Collor desde 2009”, afirmou Cerveró.

O acerto da propina ocorreu antes da reunião do conselho para discutir o caso. O início da Lava Jato em 2014, no entanto, impediu que o negócio fosse aprovado.

Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, os elementos indicam que Collor pode ter cometido corrupção passiva.

Collor e Pedro Paulo negam envolvimento com o esquema de corrupção da Petrobras. Os dois já foram denunciados ao STF na Lava Jato.

Leia mais

Lucas Lucco passa mal por malhação em excesso

Com gol nos acréscimos, Vitória arranca empate com o Botafogo em Volta Redonda

Motociclista bate na traseira de carreta e tem morte instantânea em Amargosa

Cachoeira: Corpos de crianças mortas em incêndio são encontrados

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo