Esportes

Quanto custa a seleção brasileira? Veja gasto da CBF e como só contratos de TV ‘pagam’ conta

A seleção brasileira é responsável pela maior parte dos R$ 616,92 milhões que a CBF teve em receitas em 2018. Quanto custa para a confederação, no entanto, manter a equipe que disputa a Copa América em 2019? Em média, nos últimos anos, pouco menos de R$ 100 milhões.

A resposta está disponível nos demonstrativos financeiros da entidade máxima do futebol nacional. Desde 2015, os gastos com a seleção principal são especificados, em despesas que incluem comissão técnica, viagens, hospedagens, Granja Comary, entre outros gastos.

Nos últimos três anos, desde que Tite assumiu, o custo teve um salto na comparação com 2015. Em 2016 e 2018, porém, a seleção também disputou competições que exigiram logísticas maiores, com viagens para Estados Unidos (Copa América) e Rússia (Mundial).

Em 2015, primeira vez em que a CBF especificou o gasto com a seleção brasileira, o custo foi de R$ 61,71 milhões. Naquele ano, o time, sob o comando de Dunga, viajou para o Chile para disputar a Copa América. Já em 2016, com troca na comissão após a Copa América Centenário, nos EUA, e Tite assumindo, a confederação teve despesas de R$ 98,57 milhões.

Em 2017, ano sem competições, mas com jogos de eliminatórias sul-americanas, a seleção principal custou R$ 95,58 milhões. Já em 2018, o maior gasto: R$ 132,65 milhões. Somando as cifras dos últimos anos, foram R$ 388,51 milhões, média de R$ 97,1 milhões por temporada.

O valor, claro, é alto. Na comparação com o dinheiro que entra nos cofres da CBF graças à seleção, contudo, não. Somente os contratos de direito de transmissão e comerciais dos jogos do Brasil, que não inclui vínculo com patrocinadores, renderam R$ 481,5 milhões desde 2015.

Em nenhum dos últimos quatro anos, aliás, esse dinheiro proveniente dos direitos de TV rendeu menos do que a CBF paga para manter a seleção – e a Granja Comary. O valor mais baixo recebido dessa fonte desde 2015 foi em 2017, R$ 95,88 milhões.

Em 2018, além de R$ 155,87 milhões em direitos de transmissão, a CBF arrecadou o total de R$ 616,92 milhões com: R$ 318,85 milhões de patrocinadores, R$ 92 milhões com bilheteria e premiações e pouco mais de R$ 50 milhões entre registros, programas de desenvolvimento e receitas eventuais, segundo o balanço disponível no site oficial da entidade.

Na comparação com clubes do futebol brasileiro, a seleção também é “barata”. O Palmeiras, campeão brasileiro em 2018, por exemplo, teve despesas de R$ 516,96 milhões no futebol profissional, em cifra que inclui salários do time e contratações, gastos que a CBF não tem.

Espn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo