Cidades

População pobre é contra impeachment, diz presidente da Faferj

manifestacao - ptO presidente da Federação das Associações de Favelas do Estado do Rio de Janeiro (Faferj), Rossino Castro Diniz, disse hoje (31), ao participar de manifestação contra o impeachment no centro do Rio, que a população favelada do país, as camadas mais pobres, beneficiários dos principais programas sociais do governo, são contrários ao que chamou de tentativa de golpe contra a presidente Dilma Rousseff e vão se manifestar ao longo do processo.

Convocado pela Frente Brasil Popular em várias cidades do Brasil, no Rio, o Ato pela Democracia ocorre no Largo da Carioca, no centro da cidade. Desde as 16h, lideranças políticas, sindicais, da sociedade civil e artistas se revezam em um palco montado no local. Apesar do grande número de pessoas, o clima é pacífico, sem a presença ostensiva de soldados da Polícia Militar.

“Isto que está acontecendo aqui é só o início, porque o povo ainda está se conscientizando e o pessoal de favela demora mais para entender o que está ocorrendo. Quando eles forem botar [o impeachment] em votação, nós vamos colocar mais de um milhão de pessoas em Brasília. Os programas do governo beneficiaram a classe menos favorecida, o povo da favela. Quando eles entenderem que podem perder isso, o caldo vai engrossar. E você pode ter certeza, não vai ter golpe”, disse Diniz.

Leia mais

Veja fotos de Matheus nu no Paparazzo

Herói da Seleção Brasileira, Daniel Alves reclama do gramado após jogo

“Velho Chico”: viúvo, Afrânio vai assumir Iolanda e ameaçar expulsar a mãe de casa

Durante a manifestação, alguns participantes compararam o atual momento político do país às crises vividas pelos ex-presidentes Getúlio Vargas, em 1954, e João Goulart, em 1964. Para a professora de história aposentada Lúcia Miranda Boaventura, por trás dos golpes políticos sempre estiveram o capital internacional e as elites locais.

“Os interesses internacionais não querem admitir um país forte no Hemisfério Sul. Hoje, a elite que está no domínio é a financeira, que ganha fortunas na especulação e não gera empregos. É o dinheiro dela que sustenta parte desse Congresso e que deixa esses políticos milionários”, disse.

Para o diretor de base do Sindicato da Construção Civil de Volta Redonda, Evaldo Antônio de Oliveira, um dos riscos de um eventual golpe político é a perda de direitos dos trabalhadores, principalmente quanto às garantias previstas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

“Eles querem tirar os nossos direitos. Se sair a Dilma, nossos direitos vão embora. O trabalhador está preocupado com isso. Se tiver esse golpe, vai ser pior para a economia”.

Noticias ao Minuto

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo