Política

PMDB usa congresso para reforçar as críticas ao modelo econômico petista

PMDB - LOGODividido sobre o melhor momento de se apresentar como alternativa de poder ao governo Dilma Rousseff, o PMDB fará um congresso nesta terça-feira, 17, sem consenso nem mesmo sobre o seu novo programa econômico, intitulado “Uma Ponte para o Futuro”. O encontro foi idealizado com o objetivo de fustigar Dilma e acenar para o PSDB e o mercado, mas perdeu força depois que o PMDB aumentou o seu tamanho no Ministério e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), passou a enfrentar processo de cassação no Conselho de Ética.

Mesmo assim, a cúpula do PMDB resistiu às pressões para adiar o congresso – que deve focar as críticas na condução da economia. No momento em que os tucanos tentam ganhar protagonismo na crise, o partido quer fugir da pecha de fisiologismo, destacar suas propostas e deixar claro que não desistirá de lançar candidato próprio à sucessão da presidente Dilma, em 2018. A ideia é transmitir para a opinião pública a imagem de que o PMDB vai se divorciar do PT e só não o fez ainda porque “o Brasil encontra-se em situação de grave risco”, como diz um trecho do programa.

Com a ameaça de impeachment refluindo e Cunha na berlinda, acusado de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras, o PMDB foi obrigado a recolher as armas na política e a se concentrar nas críticas ao modelo econômico petista. Diante do novo cenário, o vice-presidente Michel Temer – que em agosto afirmou ser preciso encontrar “alguém capaz de reunificar a todos” – adotou posição mais cautelosa, para se preservar, e submergiu. Afastado da articulação política do Palácio do Planalto e distante de Dilma, Temer tem dito que o objetivo imediato do PMDB é preparar uma agenda consistente para o País.

“Se o governo incorporar essas teses, isso será um trabalho do PMDB”, avaliou o vice, que também comanda o partido. “Se não, vamos trabalhar como um programa para 2018.” As correntes do PMDB, no entanto, não chegaram a um acordo sobre o documento “Uma Ponte para o Futuro” e querem desidratar as questões mais polêmicas. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por exemplo, detestou o trecho sobre as relações trabalhistas. O programa propõe que as convenções coletivas prevaleçam sobre as normas legais. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, achou a ideia “muito boa”, mas Renan disse que a norma pode acabar abrindo brecha para a flexibilização de direitos dos empregados, empurrando o PMDB para uma pauta negativa.

Leia mais

Moro recusa homenagem na Câmara por não se sentir ‘confortável’ com deputados denunciados

Ministério decreta situação de emergência por casos de microcefalia

Queda de jato do Bradesco abre cratera de 12 metros de diâmetro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo