COVID-19

Pesquisa da Univates apoiada pela BRF identifica 109 mutações em genomas do vírus Sars-CoV-2

Descoberta é importante para a melhor compreensão sobre o comportamento do vírus da Covid-19

Oito meses depois de a BRF doar R$ 100 mil à Universidade do Vale do Taquari – Univates, de Lajeado (RS), como apoio a pesquisas e projetos relacionados à Covid-19, entre os estudos da Instituição estão a identificação de mutações no genoma do vírus Sars-CoV-2 e a busca por compostos que possam inibir a replicação viral. O primeiro passo foi analisar 627 sequenciamentos genômicos do Sars-CoV-2 recolhidos a partir de amostras em diferentes regiões do País. A equipe identificou 109 mutações no vírus, que não significam novas variantes da doença, mas são uma descoberta importante para a melhor compreensão sobre o comportamento do Sars-CoV-2. O estudo também fornece suporte para um melhor entendimento sobre a eficácia das vacinas, perseguindo o objetivo de identificar compostos que possam ser utilizados para o enfrentamento da pandemia.

Os resultados dessa primeira fase da pesquisa foram compartilhados em uma plataforma à disposição de pesquisadores de todo o mundo para ajudá-los na busca coletiva pela cura e submetidos a uma das mais conceituadas revistas científicas do mundo, a Scientific Reports, do grupo Nature. A equipe é formada por seis pesquisadores, entre professores e alunos da Univates, dos quais uma bolsista de doutorado e uma pós-doutoranda. O professor Luís Fernando Saraiva Macedo Timmers, doutor em Biologia Celular e Molecular, coordenou a análise das mutações nos genomas, realizada de junho a dezembro do ano passado. Os dados para este estudo foram obtidos por meio do banco de dados público GISAID, da Alemanha, que inclui amostras recolhidas no Brasil e sequenciadas em um trabalho colaborativo envolvendo cientistas de todo o mundo.

Para avaliar a presença de mutações no genoma de Sars-CoV-2, os pesquisadores da Univates combinaram técnicas computacionais como a bioinformática estrutural e a genômica comparativa, com o objetivo de demonstrar quais são e onde, na estrutura do vírus, estão as mutações prevalentes. O estudo é destacado pela Univates como uma expansão no conhecimento sobre a interação do vírus da Covid-19 com o organismo humano.

“Nós concluímos a parte computacional e agora estamos iniciando a parte experimental”, explica Timmers, acrescentando que, com base nas descobertas desse trabalho, a doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia (PPGBiotec) Débora Bublitz Anton concentrará a pesquisa em uma das proteínas do vírus, a 3CLpro, em busca de potenciais inibidores. “A pesquisa contribui para a comunidade científica, ao mostrar as mutações presentes no vírus, suas localizações nas estruturas das proteínas virais, abrindo caminho para a busca de novos compostos no combate ao vírus. É também um sinal de alerta para a sociedade, pois reforça a percepção de que se trata de um vírus com alto risco de mutação. Por isso são importantes as medidas protetivas”, destaca o pesquisador. Esta etapa de desenvolvimento de novos fármacos contra o vírus Sars-CoV-2 é encabeçada pelos professores doutores Márcia Inês Goettert e João Antônio Pêgas Henriques, que coordenarão os testes de cultivo celular dos compostos mais promissores.

Os esforços contaram com a colaboração de mais seis instituições: a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade Federal de Pelotas (UFPel), a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e a Universidade de Tübingen (Alemanha).

Outras pesquisas

Esse não é o único projeto da Univates em desenvolvimento que utiliza recursos doados pela BRF.

Diagnóstico mais rápido e barato – Em um projeto sob o título Detecção do vírus da Síndrome Respiratória Corona Vírus-2 por Espectroscopia no Infravermelho com Transformada de Fourier, a professora Daiane Heidrich, doutora em Medicina, procura um exame mais rápido e barato, e com menor impacto ambiental, para detectar o vírus pela saliva, em vez da secreção coletada do nariz e da garganta utilizada pelo RT-PCR. O objetivo é desenvolver uma tecnologia alternativa que possa ser utilizada pela população do Vale do Taquari, por meio do apoio e interesse das redes municipais de saúde, e mesmo fora da região onde se situa a Univates.

Ozônio para a desinfecção e sanitização – A diretora de Inovação e Sustentabilidade da Univates, professora Simone Stülp, doutora em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais, coordena um projeto, em conjunto com uma startup instalada no Tecnovates, a Alvap, que investiga a adoção do ozônio para a desinfecção e sanitização. O manejo do ozônio, pela Alvap, é usado para a limpeza de frutas, purificação de água, principalmente na indústria e na agricultura. A professora Simone Stülp ressalta que o investimento da BRF para o Tecnovates é uma aproximação com o Hub de Inovação da BRF, conectado com as áreas prioritárias do Parque Tecnológico, e bem-vindo em área de extrema necessidade neste momento de emergência sanitária. O BrfHub é o braço de inovação aberta da BRF, que procura diariamente conectar a empresa com novos estudos e tecnologias.

As doações no combate à Covid

Imagem: professor Luís Fernando Saraiva Macedo Timmers

A doação para a Univates faz parte de um conjunto de R$ 50 milhões anunciados pela BRF em abril de 2020, utilizados em distribuição de alimentos, insumos médicos e apoio a fundos de pesquisa e desenvolvimento social, para contribuir com os esforços de combate aos efeitos da pandemia. A iniciativa alcança hospitais, organizações de assistência social e profissionais de saúde nos estados e municípios em que a empresa possui operação. Dentre os contemplados, além da Univates, estão a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, o Instituto Butantan e o Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Há menos de um mês, em 31 de março, a BRF, anunciou a doação de mais R$ 50 milhões, que contempla ações em 15 estados brasileiros e em países onde a BRF tem unidades produtivas, centros de distribuição e escritórios corporativos. Os alimentos serão entregues a hospitais, organizações sociais e iniciativas de apoio a populações em vulnerabilidade. Insumos hospitalares e equipamentos médicos, como ventiladores, usinas de oxigênio e leitos de UTI, serão destinados a secretarias municipais, estaduais e entidades de saúde. Também está previsto o fomento a outras ações de desenvolvimento social e na área da saúde, bem como apoio a novas pesquisas científicas, visando contribuir com soluções para os desafios impostos pelo agravamento da pandemia.

As doações e demais ações da BRF no combate ao Coronavírus podem ser acompanhadas pelo site www.brf-global.com/sobre/seguranca/comunicado-coronavirus 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo