Cidades

Paróquia do Distrito Federal recebeu R$ 350 mil em propina da OAS destinada a Gim Argello

gim argelloUma paróquia de Taguatinga, no Distrito Federal, recebeu R$ 350 mil em propina da OAS que era destinada ao ex-senador Gim Argello (PTB-DF). Em entrevista coletiva realizada na manhã desta terça-feira (12), procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato esclareceram que o montante foi depositado em uma conta corrente da Paróquia São Pedro, ligada à igreja católica. Argello era frequentador da paróquia, que continuará sendo investigada para avaliar se ela sabia da origem ilícita dos valores.

“Uma paróquia ou mesmo uma igreja de qualquer denominação é muito suscetível como fonte de dinheiro em espécie, porque ela recebe muitas doações. Esse tipo de conduta é que estamos verificando hoje. Se esse pagamento em dinheiro é uma contra partida que pode indicar lavagem de dinheiro.

Leia mais

Renato Aragão pode perder até R$ 1 milhão em processo

Manifestantes contra e a favor do impeachment já acampam em Brasília

Planalto prevê ofensiva de Sérgio Moro durante votações do impeachment

Existem outras formas também de pagamento de serviços pela paróquia, então vamos aprofundar as investigações”, afirmou o procurador Carlos Fernando de Lima. A força-tarefa também vai apurar se há algum tipo de influência de pessoas dessa paróquia nas campanhas de Argello. Ao todo, o ex-senador recebeu R$ 5,35 milhões para barrar as investigações para barrar as investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada no Senado Federal e também a Comissão

Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) instaurada no Congresso Nacional, que apuraram irregularidades na Petrobras em 2014. Os outros R$ 5 milhões em propinas para Argello foram pagos pela UTC por meio de pagamentos oficiais para a coligação União e Força nas eleições de 2014. Faziam parte da coligação quatro partidos: DEM, PR, PMN e PRTB.

Leia mais

Tentativa de assalto causa acidente de ônibus e mata ao menos 10 pessoas

Golpe quer interromper o Minha Casa Minha Vida, diz Dilma

Megera em ‘Velho Chico’, Selma Egrei atuou em mais de 40 filmes eróticos

Os procuradores da Lava Jato disseram que as acusações contra o ex-senador partiram de uma cisão de inquéritos que correm no Supremo Tribunal Federal (STF), que mandou a parte das investigações para a 13ª Vara Federal de Curitiba. Os procuradores da Lava Jato destacaram que não possuem provas contra pessoas com foro privilegiado relativas à CPI e à CPMI da Petrobras e que, se elas se existem, estão no STF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo