NotíciasSaúde

OMS garante que vacinas da rede pública brasileira para grávidas são seguras

A Organização Mundial da Saúde emitiu nota ontem (15/2) assegurando que os boatos associando vacinas para grávidas com o aumento de microcefalia no país são falsos. ”As vacinas que a organização recomenda para as gestantes e que são oferecidas no Sistema Único de Saúde (SUS) são seguras e eficazes”, diz o comunicado da organização.
 
O esclarecimento veio depois de uma série de boatos sobre supostos casos de gestantes que tomaram vacinas vencidas ou vacina contra rubéola e tiveram bebês com a malformação na cabeça. Na nota, a OMS esclarece que vacina contra a rubéola não está no calendário das grávidas e também que sua aplicação em mulheres que ainda desconheciam a gravidez não resultou em consequências negativas para o feto.
Veja também
Presidente Tancredo Neves registra óbito por microcefalia, diz SESAB
Líderes religiosos defendem debate sobre aborto em casos de microcefalia
Apontadas como culpadas por microcefalia, mães são abandonadas pelos maridos
Mais de 70 milhões de doses do imunizante já foram administradas em mulheres em idade fértil no Brasil. Segundo a organização, outras vacinas, como a contra o tétano neonatal e a contra a gripe também podem ser aplicadas em grávidas com segurança para o bebê. A OMS reforça a importância de a população seguir todo o calendário de vacinação.
 
O Ministério da Saúde já havia desmentido os boatos e reforçado que as gestantes devem continuar tomando as vacinas destinadas a este público. Da Agência Brasil
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo