Slide

O Homem cristão: Conflitos e Fé

O homem convive em um mundo tomado pela ganancia e poder, onde quem tem mais terras, dinheiro e status é o melhor, o mais poderoso. Esse cenário também é recorrente no meio cristão, com diversas denúncias em tempos atuais de líderes religiosos que acumulam riquezas, contrariando os ensinamentos de Deus.

Com essa ideia o Papa Francisco aponta em seu livro “Pai Nosso”, uma frase que expressa essa visão de mundo no qual, infelizmente, estamos inseridos. Veja abaixo o trecho retirado do capítulo “Santificado seja o Vosso Nome”.

“Dizemos ser cristãos, dizemos ter um pai, mas vivemos, como pessoas que não creem nem em Deus nem nas pessoas, sem fé, e vivemos também fazendo coisas más, vivemos não no amor, mas no ódio, na competição e na guerra” (p.42).

Papa Francisco defende, também, que é preciso condenar qualquer forma de violência, pois quem justifica seu ato de ódio usando o nome de Deus merece uma punição. Em suas palavras, o Santo Padre revela no discurso no Inter-religioso de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos: “Em nome de Deus Criador, é preciso condenar, decididamente, qualquer forma de violência, porque seria uma grave profanação do Nome de Deus utilizá-lo para justificar o ódio e a violência contra o irmão. Religiosamente, não há violência que se possa justificar”

Ele afirma que, por mais que as pessoas se encontrem em caminhos tortuosos, causando guerras e fugindo dos ensinamentos de Cristo, Deus nunca deixa de olhar por eles, pois Ele é acolhedor mesmo com seus filhos que erram. Em sua santa palavra, Jesus nunca incentivou seus seguidores a participar de guerras ou semear o ódio. Em vez disso ele disse: “Continuem a amar os seus inimigos e a orar pelos que perseguem vocês, para que vocês mostrem ser filhos de seu Pai, que está nos céus” (Mateus 5:44,45). Dessa forma, todos deveriam exercer os ensinamentos do Senhor, seguir firme no caminho da fé, até que por fim chegue o dia que a paz reinará por toda a Terra.

Porém, em diversas guerras que ocorreram, os líderes de ambos os lados diziam que Deus estava apoiando o seu país e seus atos, envolvendo assim, a religião em grande maioria dos conflitos. Desta forma, esses ‘homens de fé’ deturpam o real sentido do Cristianismo. Como na passagem da bíblia o apóstolo Paulo escreveu para os fiéis: “Se possível, no que depender de vocês, sejam pacíficos com todos. Não se vinguem de ninguém.” (Romanos 12:18, 19).

Mesmo com tudo isso, ainda se questiona: o Nome de Deus é santificado nos cristões que lutam pelo poder? É santificado na vida daqueles que contratam um assassino para se livrar de um inimigo? Segundo o Papa Francisco, nesses casos não é santificado o nome de Deus. No livro “Pai Nosso”, escrito pelo Pontífice e em sua primeira edição pela Editora Planeta, o leitor encontra uma reflexão inédita sobre a oração que resume todas as outras, aquela que Jesus ensinou aos seus apóstolos em resposta ao seu pedido. Em cada capítulo a obra esmiúça um trecho da oração e deixa um ensinamento para o leitor refletir e ponderar.

FICHA TÉCNICA

Título:Pai-Nosso
Autor:Papa Francisco e Marco Pozza
Tradução:João Carlos Almeida SJC
Páginas:144
R$ 42,90

JORGE MARIO BERGOGLIO nasceu em Buenos Aires em 17 de dezembro de 1936. Aos 21 anos ingressou como noviço na Companhia de Jesus. Ordenado sacerdote em 1969, bispo auxiliar de Buenos Aires em 1992, arcebispo da mesma cidade em 1998 e nomeado cardeal em 2001. Foi eleito Papa no dia 13 de março de 2013 com o nome de Francisco.
MARCO POZZA (1979) é capelão do Presídio de Pádua, doutor em Teologia, jornalista e autor. Comenta o Evangelho pela rede de TV italiana Rai 1 e para a TV2000, da Igreja Católica.  Em 2017 apresentou o programa Padre nostro, que foi o ponto de partida para esta entrevista com Papa Francisco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo