Política

Novo partido não será de oposição nem de situação, diz Marina Silva

Marina SilvaEm sua primeira manifestação no lançamento de seu novo partido, a ex-senadora Marina Silva disse neste sábado (16) que a ideia de criar uma nova legenda não é apenas para se colocar em uma eleição e criticou o “caciquismo” na política. Ela disse que a rede, como é chamado o movimento, deve se colocar para quebrar a “lógica de partidos a serviço de pessoas”. “O que está acontecendo aqui é um partido para questionar a si próprio, e tem que ser assim. Não pode ser partido para eleição. Não é o principal. Estamos em uma nova visão de mundo, de sujeito político que não é mais espectador da política, esse sujeito é protagonista”, afirmou, sendo fortemente aplaudida.

Ela disse que a nova legenda está questionando a “incapacidade da política de interferir”. “Não tem conformação com o modelo anterior. É o questionamento das estruturas verticalizadas. Saímos de um ativismo dirigido pelo sindicato, pela ONG, pelo DCE, com a modernização do ativismo autoral. Você não tem estrutura na frente ou atrás das pessoas, você tem estruturas ao lado”, disse. “Não tem liderança carismática que possa ser o grande líder, o messias, o condutor do grande grupo”, completou. Sem anunciar o nome da nova legenda, Marina disse que a ideia é fazer alianças pontuais, mas sem se rotular como governo ou oposição. “Não é mais liderança única, é liderança multicêntrica, não é movimento de arco e flecha. Uma hora sou arco e outra sou flecha, só espero não ser o alvo.”

Ela disse que foi questionada sobre o posicionamento que adotaria em relação ao governo Dilma e afirmou que não terá posição fechada. “Estamos na época ao paradoxo, nem situação, nem oposição a Dilma. Precisamos de posição. Se Dilma estiver fazendo algo bom, vamos apoiar. Se não, não. Parece ingênuo. mas não tem nada de ingênuo”. A ex-senadora Heloísa Helena (AL), que vai deixar o PSOL para ingressar na nova sigla, também fez um discurso em defesa da ética na política. Ela cobrou que os militantes tenham esse compromisso. “Nós não temos preços na testa”, disse. Em seguida, ela lançou o nome de Marina para a Presidência em 2014, levantando os mais de 500 participantes do evento que gritaram: “Brasil urgente, Marina presidente”. Marina comparou a criação de sua sigla ao lançamento do PT nos anos 80 e 90. No evento, três deputados federais e três vereadores foram anunciados como fundadores do partido.

Farão parte do projeto os deputados Domingos Dutra (PT-MA), Walter Feldman (PSDB-SP) e Alfredo Sirkis (PV-RJ). Também estão em conversa com o partido, mas não foram citados, Ricardo Tripoli (PSDB-SP), Reguffe (PDT-DF) e Alessandro Molon (PT-RJ). Também estava no evento e será uma das fundadoras a ex-senadora Heloísa Helena. Indiretamente, ela minimizou a falta de um grande leque de apoiadores, justificando que nem todos que partilham do projeto terão atuação no partido. “Nós somos um movimento, e tem gente desse movimento que vai continuar em outros partidos, mas são do movimento”. Marina disse que a rede nasce do “desconforto com o que está acontecendo no Brasil e no mundo pela estagnação do poder pelo poder, do dinheiro pelo dinheiro”. A ex-senadora defendeu que é preciso enfrentar crises política, ética, econômica ambiental que têm como base os problemas no sistema político. “São pessoas de um partido criando uma ferramenta para atuar na política”. Para ser criado, o novo partido precisa recolher e registrar na Justiça Eleitoral 500 mil assinaturas. (Folha)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo