Geral

Novo diretor de "Charlie Hebdo" diz que não desenhará mais Maomé

CHARLIE HEBDO - PROFETAO cartunista Luz, novo responsável pela revista satírica francesa “Charlie Hebdo”, atacada por jihadistas em janeiro, disse que não voltará a desenhar o profeta Maomé. “Não voltarei a desenhar mais o personagem de Maomé, já não me interessa”, declarou em entrevista publicada nesta quarta-feira (29) pela revista “Les Inrockuptibles”. Luz é o autor da célebre capa com a qual o “Charlie Hebdo” retornou às bancas após o atentado de janeiro, na qual o profeta chorava sob uma manchete: “Tudo está perdoado”. O cartunista explicou que na ocasião não retratou Maomé de novo no semanário por “revanche”, mas porque “aquele “capa deveria ter um vínculo direto com os motivos do drama” que terminou com o ataque jihadista, no qual morreram 12 pessoas, entre elas o então diretor e seu melhor amigo, Charb, e o histórico cartunista Cabu, seu mentor. A comoção pelos atentados em Paris levou a revista a vender oito milhões de cópias do histórico número, um recorde na imprensa francesa e que gerou protestos em vários países árabes. O cartunista publicou recentemente um álbum de charges chamado “Catharsis”, no qual relata o processo pessoal que atravessou após o atentado, no qual ficou ferido. Luz disse que se cansou de brincar de gato e rato com o profeta, um personagem que já não o interessa, assim como um dia decidiu deixar de desenhar o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy. “Os terroristas não ganharam. Teriam ganho se toda a França continuasse com medo”, opinou Luz.

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar