Cotidiano

Na Câmara, Moro nega orientação a procuradores e chama diálogos de ‘triviais’

O ministro da Justiça Sergio Moro tentou explicar e demonstrar em audiência na Câmara dos Deputados que, mesmo se verdadeiras, as conversas atribuídas a ele e ao procurador Deltan Dallagnol não representariam crimes. “São coisas absolutamente triviais dentro do cenário jurídico”, disse Moro nesta terça-feira (2).

O ministro leu, por conta própria, o diálogo que consta das supostas mensagens obtidas pelo site The Intercept Brasil envolvendo a atuação da procuradora Laura Tessler, da Lava Jato, e afirmou que não havia ali qualquer sugestão de que ela fosse substituída, ao contrário do que afirmado por deputados da oposição.

“Prezado, a colega Laura Tessler de vocês é excelente profissional, mas para inquirição em audiência, ela não vai muito bem. Desculpe dizer isso, mas com discrição, tente dar uns conselhos a ela, para o próprio bem dela. Um treinamento faria bem”, pontuou o ministro sobre o diálogo que diz desconhecer. “Tem aqui pedido de substituição? Aqui não tem!”, afirmou Moro, ressaltando que “pessoas têm direito a opinião, mas não têm direito a seus próprios fatos”.

A afirmação de que Moro orientou a substituição da procuradora Laura Tessler porque ela não estava se saindo bem em audiências com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva partiu de deputados como Erica Kokay (PT-DF).

“É trivial orientar substituição de procurador”, disse Kokay, citando um termo (trivial) que o ministro usou mais cedo na sessão ao dizer que os conteúdos —se verdadeiros— não eram fora do comum.

As declarações de Moro foram dadas durante sessão na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Ele, contudo, não é obrigado a responder às perguntas dos deputados.

Bahia.ba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo