Mutuípe

Mutuípe completa 90 anos de emancipação política

Imagem... PRAÇA gOIS cALMON, 1926Neste quarta-feira (12), Mutuípe completa 90 anos de emancipação politica, o Mídia Bahia parabeniza todos os filhos desta terra, parabéns a todos aqueles que contribuíram para o crescimento deste município.

Hino de Mutuípe

Terra amiga, onde o sol do triunfo
Estendeu seu clarão promissor,
Ergue a fronte e contempla esta aurora
Que te envolve em constante fulgor.

Estribilho
O progresso já fez teu valor aumentar.
E a servir-te os teus filhos estão!
Haja força, haja fé, no ampliar, expandir!
Mutuípe, avançar, avançar!
Recordando as batalhas passadas,
Que fizeram a emancipação,
Novos planos teremos ao vivo
Num penhor de voraz gratidão!
Lutaremos, ó gleba querida,
Promovendo a alegria e a paz.
Se o teu chão não cessa de dar
Nosso esforço dará muito mais!

Historia do Mutuípe

Originou-se de uma aldeia de Índios Cariris, adquirida por volta de 1860 uma área por Manuel João da Rocha que passou a ser conhecida por fazenda Mutum, nome dado pela abundância dessa espécie de aves no local.

A fertilidade do solo que trouxe o desenvolvimento de culturas de fumo, café e mandioca nas proximidade do rio Jiquiriçá, assim como também a cultura da cana-de-açúcar e criação de gado para atender a demanda do Recôncavo açucareiro, aliados ao espírito acolhedor dos primeiros povoadores concorreram para o desenvolvimento inicial do arraial.

Fator decisivo para o seu desenvolvimento foi a chegada da linha férrea em 1905, através dos trilhos da Train Road de Nazaré, no seu avanço para o sudoeste baiano até Jequié. Promovendo não só o transporte de pessoas mais também o escoamento da produção cafeeira do vale e a sua integração com as outras localidades e principais centros regionais.

No dia 30 de Setembro de 1910 o Governador João Ferreira de Araújo Pinho, através da Lei Número 778 decretou a transferência da sede do Distrito de Paz do Riacho da Cruz para o povoado Mutum. Com a criação do município de Jiquiriçá, o Distrito de Mutum ficou pertencendo a este Município.

O desenvolvimento da Vila Mutum foi prejudicado por duas calamidades: a enchente do Rio Jiquiriçá em 1914 e o surto epidêmico da varíola em 1919.

Após superar esses obstáculos, a Vila Mutum começou a crescer, através do desenvolvimento da lavoura e do comercio sendo elevada da categoria de Vila do povoado Mutum para a denominação Mutuípe pelo Governador Marques de Góes Calmon, na conformidade da Lei Número 1882, de 26 de julho de 1926.

 O Movimento autonomista foi liderado pelo Dr. Bartolomeu Antero Chaves. E sua posse jurídica ocorreu em 12 de outubro de 1926.

Nos anos 30, a queda do café no mercado externo, provocou uma forte retração na economia do vale com a transferência de capitais e a concentração de terras para a criação de gado. A proibição da exportação de café de terreiro e do fechamento da ferrovia na década de 60, houve um retrocesso econômico. Mais tarde chega a CEPLAC buscando retornar o nível de desenvolvimento anterior agora com a expressão da lavoura cacaueira na década de 70 em diante.

Considerando o período áureo do cacau, houve até um acerta prosperidade no município, mas com os vários planos de estabilidade da moeda e a queda dos preços nos últimos 20 anos, hoje encontramo-nos em situação latente de falência. Em Virtude disto, houve uma emigração acelerada e sem ordenamento da zona rural para a zona urbana, alem daqueles que saíram do município deslocando-se para os grandes centros urbanos (São Paulo e Salvador) causando o empobrecimento acelerado da população existente, atingindo mais de 80%.

Esse deslocamento desordenado da zona rural para a zona urbana, desarticulou as famílias forçando estas mais carentes com seus filhos a ficarem excluídos do engajamento social.

Dados Fornecidos pela Prof. Ana Maria Barreto Filgueiras (Escola Estadual Ruy Barbosa) (Mutuípe.com)

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo