Slide

Miomas uterinos, esteja atenta aos sintomas

Sintomas pode ser: hemorragias ou menstruações abundantes e prolongadas, barriga inchada, prisão de ventre, aumento da frequência urinária ou desconfortomioma

Os miomas uterinos não têm uma causa conhecida e podem afetar qualquer mulher. Sendo que afetam cerca de 50% das mulheres a partir dos 35 anos e cerca de 70% das mulheres acima dos 40 anos. O Lifestyle ao Minuto falou com a Dra. Filipa Osório, ginecologista no Hospital da Luz, sobre este problema que se pode tornar mais notável no verão, devido à utilização de roupas mais finas e claras. Apesar de alguns miomas não terem sintomas, os que têm podem ser mais notados nesta altura do ano e por isso deve estar atenta. A especialista explica que os sintomas podem passar por hemorragias ou menstruações abundantes e prolongadas, barriga inchada, prisão de ventre, aumento da frequência urinária ou desconforto como se tivesse um peso no útero.
 
Destes sintomas podem ainda decorrer anemia, cansaço e falta de força. E nem sempre os sintomas são valorizados. A Dra. Filipa diz: “Uma mulher que já está habituada a ter muitas hemorragias às vezes vai ao médico tardiamente. Vai adiando e perdendo as suas reservas de ferro até chegar a um estado de anemia grave.” O diagnóstico é feito rapidamente pela observação médica e pela ecografia. Aqui “verifica-se se há ou não miomas e que implicações é que eles podem ter – pois há miomas que crescem para dentro do útero, outros que estão no músculo do útero e outros que crescem para fora do útero”, explica. E acrescenta: “Os que crescem para dentro do útero são os mais sintomáticos e geralmente estão associados às hemorragias, os outros podem dar queixas ao nível do volume ou de compressão”.
 
Quanto ao tratamento, no passado regra geral faziam-se histerectomias – cirúrgica ginecológica que consiste na retirada do útero – mas atualmente a “tendência é para se tratar com medicação, como o acetato de ulipristal, que permite reduzir o tamanho dos miomas, as dores e as hemorragias, permitindo às mulheres manter o útero”, como explica Daniel Pereira da Silva, presidente da Federação das Sociedades Portuguesas de Obstetrícia e Ginecologia. A Dra. Filipa Osório deixa ainda um aviso: “Todas as mulheres devem fazer uma consulta anual de ginecologia. E em caso de dúvida [sintomas] é sempre melhor ver do que deixar andar.” (Noticias ao Minuto)

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar