Cotidiano

Mensalão tucano: Justiça marca interrogatório de Marcos Valério e mais 5

MARCOS VALERIOA juíza Melissa Pinheiro Costa Lage Giovanardi, titular da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, marcou os interrogatórios dos réus de uma das ações do mensalão tucano. Os processo apuram os crimes de peculato e lavagem de dinheiro durante a campanha do ex-governador de Minas (1995-1999) Eduardo Azeredo (PSDB) para o Estado em 1998. Atualmente, o caso envolve nove acusados.

O Mensalão tucano foi desmembrado em três processos na Justiça de Minas Gerais. Em um deles, Eduardo Azeredo foi condenado a 20 anos e 10 meses de prisão em 1ª instância. Em outro é julgado o empresário Clésio Soares de Andrade, candidato a vice de Azeredo na época. Na terceira ação penal são sete os réus.

Leia mais

Motorista perde controle e veículo bate em Barranco em Amargosa

Apesar de rejeição de 57%, pesquisa aponta Lula como melhor presidente

Ambulância municipal de Guarulhos é usada para transportar manifestantes

Os sócios das agências de publicidade DNA e SPM&B Marcos Valério Fernandes de Souza, Ramon Hollerbach Cardoso e Cristiano de Mello Paz terão audiência no dia 1º de julho, às 13h45.

O interrogatório dos diretores da COMIG (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, atualmente Codemig) Renato Caporali Cordeiro e Lauro Wilson de Lima Filho está marcado para 20 de maio, às 14h30, e o do secretário adjunto de Comunicação Social, Eduardo Pereira Guedes Neto para 10 de junho.

Em dezembro do ano passado, Eduardo Azeredo, que é ex-presidente nacional do PSDB, foi condenado pelos crimes de lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro público) devido ao seu envolvimento no Mensalão tucano, envolvendo desvio de recursos de estatais mineiras para sua campanha de reeleição. Por se tratar de sentença em primeira instância, Azeredo, que atualmente ocupa cargo na Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), aguarda recurso em liberdade. O ex-governador foi o primeiro político condenado em ação criminal do mensalão mineiro 17 anos após os crimes ocorrerem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo