Cidades

José Ronaldo muda estilo e critica Rui Costa: ‘Digam uma obra que ele tenha feito em Feira’

A expectativa era de um encontro para profissionais de comunicação de Feira de Santana promovido pela prefeitura neste sábado (23), sem muitas novidades para o assunto político. Mas o prefeito José Ronaldo surpreendeu. Após uma observação feita pelo chefe da Divisão de Rádio da Secom, Reni Alves, sobre as obras do governo do estado na cidade, o prefeito, que até então mantinha uma postura discreta, mudou o estilo e fez várias críticas ao governador Rui Costa.

O prefeito começou respondendo as declarações do deputado estadual Zé Neto em algumas entrevistas para emissoras de rádio da cidade, onde ele fez um balanço dos trabalhos do governo estadual neste ano de 2017. Segundo José Ronaldo, o deputado teria afirmado que o então governador Jaques Wagner teria conseguido recursos para a obra do BRT, fato que Ronaldo nega com veemência.

“Se o deputado mostrar uma linha que o ex-governador Jaques Wagner conseguiu recursos para o BRT de Feira, eu renuncio meu mandato, porque não tem nenhuma participação de ninguém do governo do estado nisso. Zero de participação, nunca houve. O governo federal abriu uma inscrição para quem quisesse participar de projetos de mobilidade urbana e transporte. Feira de Santana se inscreveu e eu ainda nem era o prefeito, mas falei com o secretário de Planejamento para fazer a inscrição e quando eu entrei na prefeitura foi chamado e foi aberto. Não houve interferência de ninguém”, garantiu.

Lagoa Grande

Outra obra do governo do estado criticada pelo prefeito José Ronaldo foi a Lagoa Grande. Ele lembrou que a gestão municipal recebeu muitas críticas por não aceitar a obra do jeito que está e se defendeu afirmando que a “Lagoa Grande é uma obra incompleta, incorreta e que está prejudicando o meio ambiente, apesar de ser contada como um cartão postal de Feira de Santana”.

José Robaldo falou sobre o tempo que a obra foi iniciada e as promessas de finalização. Ele afirmou que tocou nesse assunto por achar importante e por acreditar que se não houver um trabalho sério, a obra não vai ser finalizada tão cedo.

“Tem aproximadamente sete anos que começou essa obra e tem sete anos que o deputado (Zé Neto) vem dizendo que ela ia ser inaugurada no ano seguinte. Alguém já foi visitar a Rocinha, o Caseb ou o Parque Getúlio Vargas? Já olharam que caem dentro da lagoa vários litros de esgoto por dia? Ninguém foi lá, mas na hora de dizer que a prefeitura não aceita receber a lagoa, todo mundo fala, criticando a prefeitura. A obra de esgotamento sanitário tem um ano parada. Eles queriam que a prefeitura recebesse a obra incompleta e iam dizer que a culpa era nossa”, afirmou.

E completou com um pedido, mas sem deixar o duro tom das críticas de lado: “Ajudem a fazer a obra da Lagoa Grande, provoquem esse assunto, se não vai virar igual ao novo hospital de Feira de Santana, que prometeu e agora diz que não tem mais compromisso”.

“Digam uma obra que Rui tenha feito em Feira de Santana…”

Com mais essa provocação, José Ronaldo falou sobre as visitas constantes do governador Rui Costa a Feira de Santana, mesmo, segundo ele, sem ter feito nenhuma obra na cidade durante os últimos três anos a frente do governo.

“O Hospital da Criança já existia e ele só fez uma obra de adaptação. Ele disse que gastou um milhão e meio de reais nessa adaptação, mas não é verdade. Eu peguei a publicação do Diário Oficial e o valor investido foi quase a metade. O viaduto da Nóide Cerqueira foi ordem de serviço, licitação dada na eleição de 2014, quando se inaugurou a Nóide. Eu estava presente e todo mundo perguntando como as pessoas iam sair para Salvador, então na hora foi autorizada a licitação pública, portanto a iniciativa foi do governo anterior. A Lagoa Grande também foi do governo anterior e ainda não acabou”, afirmou.

O prefeito José Ronaldo ainda falou sobre a obra da policlínica regional anunciada pelo governo do estado. Ele reconhece que a iniciativa dessa obra é do governador Rui Costa, mas afirma que 60% da unidade vai ser bancada pelo município de Feira e as cidades da região.

“Outra coisa, Feira de Santana só vai ter 40% de atendimento na policlínica, se fosse 100% nenhum município da região seria atendido, pois só pode ter uma população até aproximadamente 700 mil habitantes para que o atendimento dê certo”, disse.

Recursos rejeitados para obra da Ayrton Senna

José Ronaldo também lembrou sobre a polêmica das emendas dos deputados Zé Neto e Fernando Torres para serem aplicadas na obra da Avenida Ayrton Senna e que foram rejeitadas por ele. O prefeito explicou os motivos e voltou a criticar obras estaduais, para onde as emendas foram remanejadas.

“Na época eu dizia que a prefeitura tinha o dinheiro e que era destinado para aquele local, se assim não fosse feito eu teria que devolver o dinheiro. Fizemos a Ayrton Senna e eles mudaram a destinação do dinheiro deles para ser aplicado na obra da marginal no Anel de Contorno. Agora vão lá e vejam o que está acontecendo. Não culpo Fernando Torres, mesmo porque a secretaria que ele foi secretario, segundo me informaram, 80% do dinheiro era para o metrô e quem conduz essa obra pessoalmente é o governador, se eu tiver mentindo não estou sendo bem informado. E os 20% restantes, quem domina é a Conder. O secretário não tinha poder sobre a Conder, que é indicação de outro grupo político. Então ele, coitado, vontade até tinha, mas tinha as implicações que o impediram de fazer”, disparou.

Ao finalizar, o prefeito José Ronaldo desejou feliz natal e feliz ano novo aos presentes no evento e afirmou que suas colocações não se tratam de críticas, mas sim de uma reflexão.

Acorda cidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo