Cidades

Jornalista denuncia agressão de policiais militares

650x375_marivaldo-filho_1536594O jornalista Marivaldo Filho, editor de política do Bocão News, usou a página pessoal do Facebook neste domingo, 5, para denunciar agressão de policiais. A situação ocorreu quando ele saía de um aniversário na casa de um amigo no bairro do Bonfim. “Na saída, presenciei agressões covardes de policiais militares a um amigo somente porque ele tinha colocado um copo de cerveja em cima do carro de um dos policiais que estava sem farda. Além de procurar desentendimento por um motivo tão banal, foi “auxiliado” pelos outros, fardados, que espancaram o rapaz sem nenhum motivo”, escreveu.
Ele tentou tirar fotos da ação dos policiais e foi questionado por um dos militares. “Gritou e mandou eu apagar a foto. Respondi que não apagaria porque não tinha feito nada de errado. Ele perguntou se eu era advogado do rapaz agredido. Respondi que era jornalista. Foi a senha para o terror começar”, continuou.
Segundo Marivaldo, ele recebeu ordem de prisão pode desacato e desobediência e foi colocado na viatura de forma agressiva. “Recebi, antes, muito socos na cabeça. Muitos. Já atordoado, o policial devolveu meu celular para que desbloqueasse e ele pudesse apagar a bendita foto. Por ter tomado muitos socos, não conseguia acertar a minha senha, completamente baqueado com os murros”, relatou. Marivaldo ainda foi agredido com um objeto que ele não conseguiu identificar, provocando um ferimento no qual ele teve que tomar oito pontos. “Vi meus amigos chorando, sofrendo comigo, impotentes”, contou.
Ele foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento de Roma, sendo depois encaminhado para a Central de Flagrantes. “Fui confortado pelo olhar acolhedor da delegada e pensei: “existem os bons! Existem os policiais de bem”‘, escreveu.
O governador Rui Costa se manifestou sobre o caso também no Facebook. “O meu governo atuará sempre para assegurar que a democracia seja vivida de forma plena, garantindo a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão, o direito de o jornalista exercer sua profissão mediante qualquer situação”, escreveu. Ele disse ter determinado ao secretário de Segurança, Maurício Barbosa, e ao comandante da PM, coronel Anselmo Brandão, a apuração “rigorosa” do ocorrido.
Em nota, a Polícia Militar disse que, até a tarde deste domingo, 5, não havia “registro formal nos órgãos correcionais da Corporação sobre o fato relatado” pelo jornalista em rede social”. Mas, segundo a corporação, circunstâncias do ocorrido serão apuradas, e caso haja a confirmação do relatado, a PM irá aplicar as medidas previstas em lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo