Saúde

Imunização no cuidado do paciente com câncer

Além do benefício de proteger pacientes que já têm câncer, há duas vacinas que previnem o desenvolvimento de tumores

Na próxima terça-feira, 9 de junho, é celebrado o Dia Nacional da Imunização. E afinal, pacientes com câncer devem se vacinar? Segundo Leonardo Roberto da Silva, oncologista do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia, os pacientes oncológicos estão sob risco de infecções graves, não apenas pela baixa de imunidade causada pelo tratamento, mas também pela desnutrição e debilidade causadas pela doença. “A prevenção de infecções é de extrema importância para esses pacientes, já que reduz o risco de complicações durante e após o tratamento. Mas o benefício da vacinação vai além da prevenção, pois existem duas vacinas disponíveis atualmente que também garantem proteção contra o desenvolvimento de câncer: a de hepatite B e a do HPV”, afirma.

De acordo com o oncologista, os pacientes com diagnóstico de câncer devem seguir as mesmas recomendações de vacinação aplicadas para a população geral. “No entanto, existem algumas particularidades referentes aos tipos de vacina e ao melhor momento em que elas devem ser aplicadas. Sempre que possível, devem ser administradas antes do início da quimioterapia”, explica.

Mas o médico alerta que há algumas contraindicações. “As vacinas vivas, que são produzidas com vírus e bactérias atenuados, ou seja, enfraquecidos, podem causar complicações infecciosas em pacientes que estejam com o sistema imunológico comprometido. Por isso, não são indicadas para pacientes que estão em tratamento com quimioterapia. Quando necessárias, devem ser administradas pelo menos quatro semanas antes do início do tratamento ou pelo menos três meses após o término. Já as vacinas inativadas, com bactérias ou vírus mortos, ou parte deles, não sendo capazes de causar doença, podem ser administradas durante a quimioterapia. No entanto, sabemos que nessa situação elas podem não ser tão eficazes. Se possível, devem ser administradas pelo menos duas semanas antes do início da quimioterapia, ou pelo menos três meses após o final do tratamento”, indica

A vacina contra influenza/H1N1 (gripe) é inativada e, segundo o oncologista, deve ser administrada aos pacientes em tratamento com quimioterapia e/ou radioterapia. Além disso, recomenda-se também imunizar os familiares que vivem no mesmo domicílio. “O único grupo de pacientes que deve evitar a vacinação contra gripe é aquele que recebe tratamento com anticorpos anti-células B (por exemplo, rituximabe), pois esse tipo de tratamento compromete muito a função dessas células, as quais são responsáveis por produzir os anticorpos em resposta à vacina. Quando um paciente em quimioterapia vai se vacinar contra a gripe, não sabemos qual o melhor momento em que ela deve ser feita. No entanto, recomenda-se que a vacina seja aplicada cerca de uma semana após o início do ciclo de tratamento”, recomenda.

Vacina como prevenção do câncer

De acordo com o Dr. Leonardo, há duas vacinas que protegem contra infecções crônicas que estão associadas ao desenvolvimento de câncer. Uma delas é o imunizante contra a hepatite B. “A hepatite é uma inflamação do fígado que pode ser causada por diversos tipos de vírus, sendo um deles o vírus B. A infecção pelo vírus B pode se tornar crônica, principalmente quando ocorre em idade muito jovem. Por isso, a vacina contra hepatite B está inserida no calendário vacinal já no primeiro ano de vida. A hepatite crônica pelo vírus B está associada ao aumento do risco de câncer de fígado, chamado de carcinoma hepatocelular. Assim, a vacinação contra a hepatite B tem o potencial de proteger contra o desenvolvimento desse tipo de câncer”, explica.

A outra vacina preventiva contra o câncer é contra o papilomavírus humano, o HPV. Trata-se de um grupo de mais de 100 tipos de vírus, que podem causar diferentes tipos de infecção, como verrugas genitais e também nas vias aéreas. No entanto, sabe-se que infecções crônicas por alguns tipos de HPV estão associadas ao desenvolvimento de câncer, como de garganta, de pênis, do ânus e, principalmente, o de colo uterino. “O câncer de colo uterino é o terceiro câncer mais comum em mulheres no Brasil, e a grande maioria dos casos está associada à infecção persistente por determinados tipos de HPV, chamados de HPV’s de alto risco. Cerca de 70% dos casos de câncer de colo uterino são causados pelos tipos 16 e 18, sendo os outros responsáveis por mais 20% dos casos”, afirma o oncologista.

Existem três tipos de vacina contra o HPV: a bivalente, que protege contra os HPV’s 16 e 18, aquadrivalente, que protege contra os HPV’s 6, 11, 16 e 18, e a nonavalente, que protege contra os HPV’s 6,11,16, 18, 31, 33, 45, 52 e 58. A vacina quadrivalenteestá incluída no calendário vacinal do Ministério da Saúde, devendo ser administrada às meninas (entre 9 e 14 anos) e aos meninos (entre 11 e 14 anos). O ideal é que seja administrada antes da primeira relação sexual, pois permite o desenvolvimento de proteção antes do primeiro contato com o vírus. As crianças devem receber duas doses, com intervalo de 6 meses entre elas. Quando a vacinação é iniciada mais tardiamente, após os 15 anos, recomenda-se a aplicação de três doses (intervalo de 30-60 dias entre a primeira e a segunda dose, e de 6 meses entre a primeira e a terceira dose). “A adesão à vacinação contra HPV no Brasil ainda não é ideal, e programas educativos são de extrema importância, visto que tal medida tem o potencial de evitar não apenas a infecção pelo HPV, mas principalmente o desenvolvimento de um tipo de câncer tão comum em nosso país e que está associado a um adoecimento muito grave”, finaliza o oncologista.

*Leonardo Roberto da Silva é formado em Oncologia Clínica pela Universidade Federal Minas Gerais. É oncologista do Caism/Unicamp com função docente junto aos residentes em Oncologia Clínica da Unicamp. É mestre em Oncologia Mamária pela Unicamp e doutorando na área de Oncologia Mamária pela FCM-Unicamp, com extensão na BaylorCollegeof Medicine – Houston/Texas – EUA.  É membro titular da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) e da Sociedade Europeia de Oncologia Clínica (ESMO). Leonardo faz parte do corpo clínico de oncologistas do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia e atua no Instituto Radium de Campinas, no Hospital Santa Tereza e do Hospital Madre Theodora.

Sobre o Grupo SOnHe

O Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia, é formado por oncologistas e hematologista que fazem o atendimento oncológico humanizado e multidisciplinar no Hospital Santa Tereza, Instituto do Radium, Madre Theodora, três importantes centros de tratamento de câncer em Campinas. E no Hospital Santa Casa, em  Valinhos.  A equipe oferece excelência no cuidado oncológico e na produção de conhecimento de forma ética, científica e humanitária, por meio de uma equipe inovadora e sempre comprometida com o ser humano. O SOnHe é formado pelos oncologistas: André Deeke Sasse, David Pinheiro Cunha, Vinicius Correa da Conceição, Vivian Castro Antunes de Vasconcelos, Rafael Luís, Susana Ramalho, Leonardo Roberto da Silva e HigorMontovani e pelos hematologistas Márcia TorresanDelamain e Paulo Vittor. Saiba mais: no portal www.sonhe.med.br  e nas Redes Sociais @gruposonhe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo