Política

Hildécio Meireles diz que ninguém mais do que Rui sabia que caos iria acontecer

FOTO HILDECIO MEIRELESO deputado estadual Hildécio Meireles (PMDB), em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa, afirmou ter recebido mais uma vez com surpresa a declaração do governador Rui Costa em relação à caótica situação financeira do Estado. Segundo Hildécio Meireles, ninguém mais que ele sabia que isso iria acontecer. Afinal, conforme frisa o deputado, são nove anos de governo do PT e o atual governador talvez, seja o homem que em toda Bahia conheça da situação financeira e econômica do Estado.

“Afinal, foi o principal gerente dos oito anos do governo anterior (Jaques Wagner) e está há mais de um ano no atual mandato. Ou seja, sempre foi figura importante nas tomadas de decisões”, destacou, complementando que o próprio Rui declarou que houve falhas na gestão patrimonial, contábil, orçamentária e financeira do seu antecessor, o ex-governador Jaques Wagner.  O governador Rui Costa afirmou que as contas estaduais estão em ‘situação dramática e que em 2015 perdeu cerca de R$ 70 milhões em relação a 2014.

Veja também

Mais um nome surge como pré-candidato a prefeito de Mutuípe na oposição

Profissionais cubanos do Mais Médicos ‘fogem’ para os EUA e avisam por WhatsApp

Daniel comenta possibilidade de ficar com Ana Paula: ‘Nem se ela fosse linda de morrer’

Ainda segundo o deputado, a situação chegou a esse ponto não por falta de aviso, de conhecimento, pois durante 2015 foi o que mais chamou atenção e o que mais a oposição denunciou. “Em 2015 denunciamos com ênfase que o valor das despesas do exercício anterior montava em 5% do orçamento de 2015, um total de R$ 1,6 bi. Essa foi uma das contas que mais complicou a gestão no ano passado”, disparou.

O parlamentar, por fim, relembra que, conforme relatórios de Gestão Fiscal e de Execução Orçamentária publicados no Diário Oficial do Estado, o governo baiano fechou as contas de 2015 com um sinal de alerta grave: a ultrapassagem do limite prudencial para despesas com o funcionalismo, que implica em uma série de restrições nesta área em 2016. “O que já sugeria a continuidade do desequilíbrio da gestão”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo