BrasilCidadesGeral

Feira de Santana: Justiça dá 72 horas para procurador e prefeito se manifestarem sobre denúncia de assédio sexual

O juiz Gustavo Rubens Hungria, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Feira de Santana, deu 72 horas para que o prefeito Colbert Martins Filho, a prefeitura e o procurador Ícaro Ivvin se manifestem sobre a denúncia de assédio sexual por parte do procurador quando este respondia de forma interina pela secretaria de Desenvolvimento Social, onde teria acontecido o suposto crime. 

Na ação, protocolada no Ministério Público na última sexta-feira (19), a suposta vítima, através do seu advogado Hércules Oliveira, pede que Icaro Ivvin perca o cargo de procurador, tenha suspensão dos direitos políticos por cinco anos e pague multa de R$ 1 milhão, que será revertida, exclusivamente, para instituições públicas de acolhimento a vítimas de violência sexual. 

A ação também pede o afastamento imediato dele do cargo de Procurador Geral do Município e a declaração da nulidade da nomeação da advogada Geruza Gomes, nomeada através de publicação do Diário Oficial, no último dia 6 de junho, para o cargo de subprocuradora do Município. O pedido é feito porque Geruza escreveu uma carta de próprio punho em defesa de Ícaro. A carta foi usada como estratégia de defesa na Delegacia da Mulher de Feira de Santana. No documento, escrito dias antes da nomeação ela atesta “a idoneidade do procurador como professor da instituição de educação que ela coordena”.

O despacho foi assinado na tarde desta terça-feira (23) pelo Juiz Hungria. O curioso é que, segundo a legislação vigente, quem está apto legalmente a defender o município é a Procuradoria Geral. O problema é que esta pasta está sob o comando do acusado de cometer o ato libidinoso em 14 de abril desse ano e ser o principal réu na ação. 

Entenda o caso: 

Ícaro Ivvin foi acusado de assédio sexual por uma servidora pública municipal. A mulher que o acusa prestou queixa no dia 15 de abril, na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), um dia depois do fato acontecer. Ela estava junto com o marido e uma prima, além de dois advogados. Conforme relato da funcionária, o ato sexual teria ocorrido dentro da Secretaria de Desenvolvimento Social, onde trabalha, mas sem o seu consentimento. Segundo o jornal Folha do Estado, Ícaro, que também foi ouvido pela Polícia, a rebateu ao afirmar que ambos fizeram sexo, mas de maneira consensual.

Bnews

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo