Cidades

Estudantes usam guarda-chuvas em sala de aula com goteiras

ESCOLA - CRIANCA - GUARDA CHUVASPara se proteger das goteiras que surgem e não prejudicar o andamento da aula, duas estudantes levaram guarda-chuvas para dentro da sala na Escola Estadual Braz Sinigáglia em Batayporã, a 302 km de Campo Grande. Segundo a direção do colégio, a água invade as salas pelo telhado com rachaduras toda vez que chove. A situação foi gravada em vídeo na quinta-feira (10), durante mais uma forte chuva na cidade. Nas imagens, duas alunas aparecem sentadas nas carteiras, no fundo da sala, segurando os guarda-chuvas com uma das mãos, enquanto escrevem e acompanham a aula de inglês. A assessoria do governo do estado informou ao G1 que, no mesmo dia do vídeo, uma equipe de técnica foi encaminhada à escola para fazer levantamento do que tem que ser reformado. Após isso, o governo fará os ajustes.

O vídeo mostra as goteiras que surgem nas lâmpadas e atingem os guarda-chuvas e parte da mesa de uma das alunas. A estudante seca a água com a mão e continua escrevendo e repetindo as frases ditas pela professora. O vídeo foi postado pelos próprios alunos nas redes sociais e chamou a atenção na cidade. A diretora da escola, Claudenice a Silva Bastos Santos, disse ao G1 nesta sexta-feira (11) que a situação de goteiras e alagamentos se repete há alguns meses em pelo menos 6 das 16 salas de aula.

Veja mais

Vereador Junior Cardoso diz que Suregs não está recebendo Presidente da APMIM

PF apreende oito toneladas de maconha em Campo Formoso

Camila Queiroz rejeita fama de sexy e descarta posar nua: “por dinheiro nenhum”

Ela acredita que os alunos tiveram a ideia de usar os guarda-chuvas em sala de aula para criticar, de maneira inteligente, a situação que incomoda estudantes, professores, coordenadores e pais. “Sinceramente, a gente não sabe a intenção das crianças. A ideia do vídeo foi de criança de 11 anos. Elas poderiam ter arrastado a cadeira e continuar aula, mas acho que [o vídeo] foi uma crítica construtiva para as pessoas verem que criança também sabem fazer as coisas. É uma turma muito esperta. Acho que eles pensaram que colocando o guarda-chuva talvez ajudem a agilizar alguma providência. A professora não parou de dar aula e nem as crianças de estudar”, avaliou.

À espera: Os problemas de goteiras e alagamentos nas salas de aula são comuns há alguns meses e já foram comunicados pela direção do colégio à Secretaria Estadual de Educação (SED) anteriormente, segundo a diretora, mas ela diz que vai reforçar a situação depois do vídeo. “Nós, eu como diretora, juntamente com a comissão colegiada, sempre buscamos solucionar os problemas da escola. A gente vem tentando, enviando ofícios à SED, fotografias gravadas em CDs, já pedimos várias vezes, mas vou enviar novamente essas imagens do vídeo de agora”, explicou. Segundo a diretora, a escola tem 810 alunos, do 1º ano do ensino fundamental até o Ensino para Jovens e Adultos (EJA). Quando chove, as aulas ficam prejudicadas, mas não chegam a ser suspensas porque os alunos não podem ser liberados para ir embora na chuva, segundo Claudenice. “Não tem como mandar aluno para casa se está chovendo e no pátio da escola também não tem cobertura, quase nada da escola é coberto”, relatou. A diretora ainda informou que técnicos da SED foram até à escola analisar a situação ainda na tarde de quinta-feira, quando o vídeo foi gravado. Segundo Claudenice, os técnicos estavam em uma cidade próxima para avaliar a situação de outro colégio, com o mesmo nome, onde o telhado da escola caiu por conta da chuva. “Eles chegaram na hora da chuva e viram a situação das salas, andaram pelo pátio alagado e falaram que realmente o caso aqui é prioritário, que vai ter que trocar a instalação elétrica e hidráulica. Aqui é tudo muito antigo, o telhado está velho, o forro não dá conta e a água cai pelas lâmpadas, o que é um perigo para curto-circuito”, ressaltou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar