Mutuípe

Especialista lamenta que ex-gestor não tenha capacitado Mutuípe para o Criança Feliz

Durante o seminário de Capacitação dos Servidores do Sistema Único do Serviço Social Capacita SETRAS, a consultora em Assistência Social, Cristiane Lemos lamentou a exclusão de Mutuípe do Programa Criança Feliz. Segundo a consultora, o município ficou com Índice de Desenvolvimento muito abaixo do mínimo exigido para se credenciar ao Programa, lançado no ano passado pelo Governo Federal. “É lamentável que uma cidade como Mutuípe, que registra um considerável percentual de famílias em situação de necessidades sociais, não tenha se capacitado para receber benefícios que poderiam mudar sobremaneira esta triste realidade” ressaltou.   O presidente da Câmara, Vereador Amigo, PSB e o vice-presidente, Índio Josafá presentes na capacitação, também criticaram a “falta de compromisso do ex-gestor para com a população carente da cidade”. O vereador Josafá usou as redes sociais para dizer que “são centenas de crianças carentes da nossa cidade prejudicadas coma ineficiência, descaso e preguiça do governo anterior” disse em vídeo o vereador que é membro da Comissão de Saúde e Assistência Social da Câmara. A primeira dama do Município, Meyre Rocha, anunciou que a gestão já estuda alternativa para que a população não fique prejudicada com “o que fizeram no passado”. “Vamos trabalhar incansavelmente para melhorar o índice de Desenvolvimento de nossa gente e não mais ficarmos de fora de importantes projetos como o Criança Feliz”, disse que beneficiaria pelo menos 150 crianças em nosso município” lamentou. O governo estabeleceu critérios para a liberação de recursos aos município que se credenciaram. O índice de desenvolvimento do município tinha que atingir a pontuação mínima de 3. Mutuípe ficou pouco acima de 2.

 

 

O PROGRAMA Criança feliz

 

O programa é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDS) e terá um aporte inicial de R$ 300 milhões. A iniciativa, de acordo com o governo, terá o objetivo de fortalecer políticas públicas para a primeira infância.

 

O foco do programa serão as crianças de até 3 anos de idade cujas famílias são beneficiárias do Bolsa Família. A meta do Executivo federal é atender mais de 4 milhões de crianças em todo o país até 2018.

 

A ajuda às crianças beneficiadas pelo programa não será financeira, mas se dará por meio de visitas semanais de especialistas na residência das famílias atendidas. Todas as ações visam reduzir o baixo desenvolvimento e a mortalidade infantil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo