Geral

Em abertura do Congresso, Dilma defende CPMF e é vaiada por parlamentares

DILMA - CONGRESSO NACIONAL DILMA - CONGRESSO NACIONAL 2Entre vaias e aplausos, a presidente Dilma Rousseff defendeu, nesta terça-feira (2), a volta da CPMF. A defesa foi feita na abertura dos trabalhos do Congresso Nacional. De acordo com Dilma, o governo não pode “prescindir de medidas temporárias como CPMF”. “Sei que muitos se opõem à CPMF, mas peço que considerem a excepcionalidade do imposto.

É a melhor opção para o Brasil”, argumentou. Segundo a presidente, a agenda fiscal terá pouco impacto no curto prazo, mas garantirá a sustentabilidade fiscal do Estado para retomar o crescimento econômico. “Seu impacto fiscal será mínimo no curto prazo. É uma questão do Estado brasileiro. Precisamos ter como horizonte o futuro do País e não apenas meu governo”, disse Dilma.

Leia mais

Deputado Federal se diz entusiasmado com projeto do PSC em Mutuípe

Mulher Melancia posa de fio-dental no Instagram

Bahia quebra jejum indigesto e vence Juazeirense na estreia do Baianão 2016

Outro projeto que ela pretende enviar ao Congresso trata do controle dos gastos primários da União. Dilma defendeu a adoção de uma meta para o resultado fiscal, que acomode as flutuações da economia.

Durante seu discurso, parlamentares contra a recriação da CPMF vaiaram a presidente. Ainda no discurso, a presidente coloco o combate ao mosquito Aedes aegypti como uma das prioridades do governo este ano. O mosquito é responsável pela transmissão da dengue, febre chikungunya e zika, esta associada à microcefalia e síndromes neurológicas. Dilma pediu apoio do Congresso Nacional ao que ela chamou de “guerra em favor da saúde e da vida”. A presidenta Dilma Rousseff disse aos senadores e deputados que pretende discutir com o Congresso Nacional a criação de um “limite global” para o crescimento do gasto público e que será necessário adotar “uma margem de flutuação do resultado fiscal para acomodar sua volatilidade”.

Leia mais

Thábata Mendes comunica que deixou a XCalypso

Solla critica Sesab e causa indignação nos setores do governo

Governador diz que dados de pesquisa mexicana sobre violência na Bahia são “inverídicos”

Segundo a presidente, de acordo com a Agência Brasil, no primeiro semestre deste ano, o governo pretende enviar propostas de reforma para análise dos parlamentares, dentre elas a reforma da Previdência. Ao ler a mensagem com as prioridades do Executivo para este ano legislativo, ela informou que vai encaminhar uma proposta “exequível e justa para o brasileiro”. Dilma disse que pretende adotar medidas para construir uma agenda que permitirá ao país passar do “ajuste fiscal para a reforma fiscal”.

Com a leitura do texto, a presidenta indica que o governo vai defender a adoção de uma meta variável para o superávit fiscal, e que estuda a adoção de medidas para reduzir o gasto público. Ao explicar os motivos da necessidade desse tipo de reforma, ela ressaltou que a Previdência precisa novamente ter sustentabilidade, “em um contexto de envelhecimento da população”. De acordo com a presidenta, o intuito é enviar uma proposta que “aprimore a aposentadoria por idade e tempo de contribuição”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo