Cidades

Dublador de Harry Potter morre em tiroteio com traficantes

COMPLEXO DO ALEMAOO dublador do personagem Harry Potter no cinema, protagonista dos filmes baseado na série de J.K. Rowling, foi morto nesta quarta-feira, 30, em um confronto com traficantes. O dono da voz do bruxinho era o policial militar Caio César Ignácio Cardoso de Melo, de 27 anos. Melo trabalhava na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Fazendinha, no Complexo do Alemão, a área de UPP considerada a mais perigosa do Rio de Janeiro.

Melo patrulhava a localidade conhecida como Campo do Sargento, na comunidade Fazendinha, por volta de 11h, quando a guarnição foi atacada a tiros. Ele foi atingido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, mas não resistiu aos ferimentos.

Caio César Melo dublou, além de Harry Potter, mais 20 personagens, segundo consta em uma página dedicada a ele na Wikipedia. Entre eles, o personagem de Daniel Radcliffe no filme “December Boys”, o TK do desenho animado “Digimon” e o Diego da série “Rebelde”.

Leia mais

Presidente da OAB se envolve em acidente de trânsito e sai ileso

PSDB usará fala de Dilma contrária à CPMF em propaganda

Grazi Massafera comenta elogio de Cauã Reymond: “Fiquei feliz”

Nas redes sociais, páginas dedicadas a dubladores lamentavam a morte do PM. “Acabamos de receber a triste notícia que o dublador Caio César, que também exercia a profissão de policial, levou um tiro no pescoço. Ele passou por uma cirurgia, mas após 4 paradas cardíacas, não resistiu aos ferimentos”, postou a página Dubladores Brasileiros.

Outro caso. Mais cedo, policiais militares mataram a tiros um suposto traficante de drogas no complexo de favelas do morro do Alemão, na zona norte.

Durante o enfrentamento, a concessionária SuperVia precisou suspender a circulação do teleférico entre as cinco estações existentes no complexo, que abrange áreas dos bairros de Ramos, Bonsucesso, Inhaúma e Penha.

De acordo com a Polícia Militar, o confronto aconteceu às 9h no Beco da Farmácia. A versão policial é de que uma patrulha da UPP foi atacada a tiros e que, ao reagir, os policiais balearam um homem de 21 anos, que morreu minutos depois na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do complexo. A PM informou que a vítima portava uma pistola fabricada na Turquia, de calibre 9 milímetros.

Estadão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo