Cidades

Confusão por causa de política quase termina em morte em jaguaquara

Passados poucos dias da liberação da propaganda política e Jaguaquara, já começaram as alterações provenientes de manifestações de natureza política. Conforme anunciamos em matéria anterior, Jaguaquara transformou-se na ”cidade política”. É um dos pouquíssimos municípios do interior baiano em que a campanha política pega fogo, causando transtorno aos representantes da Justiça Eleitoral, que precisam estar bastante atentos durante todo o tempo para tentar conter os ânimos exaltados de alguns dos integrantes das coligações que disputam à prefeitura.  O período de eleição costuma ser uma época conturbada em que cada lado, seja ele A ou B, quer expressar e exaltar sua força. Até então, não passa de uma manifestação legal, porém, durante o ato, algumas pessoas não respeitam o lado adversário e partem para agressão, seja ela física ou verbal. Na noite deste sábado (14), uma discórdia envolvendo Ivan Lima Guimarães, e o comerciante de pré-nome ”Cícero”, por pouco não termina em morte no centro da cidade.

Ivan prestou queixa na delegacia de polícia alegando que teria sido agredido pelo comerciante quando passava de carro para ir ao bairro São Jorge, onde participaria de uma caminhada do PT, e recebeu um soco no rosto após ter entrado em discussão com o acusado, que integra o grupo do PP. Momentos depois, quando passava pela mesma via pública, em companhia de mais três pessoas, em um veículo Fiat Uno, a confusão voltou e o comerciante teria colidido uma caminhonete Hilux de forma proposital – segundo relatou a vítima – na traseira do Fiat Uno. Com o impacto da colisão, o jovem Maciel Gonçalves dos Santos, morador do povoado do Tatu, no Entroncamento de Jaguaquara – Distrito Stela Câmara Dubois, recebeu uma forte pancada na cabeça e ficou no local inconsciente, sendo socorrido por populares ao Hospital Municipal.

Na unidade hospitalar, o clima ficou tenso com a chegada do paciente, que atraiu amigos, familiares e representantes da coligação ”Jaguaquara, o futuro é agora”, demonstrando revolta com o fato e questionando o atendimento no hospital. Policiais militares foram acionados para contornar a situação na emergência da unidade de saúde e evitar maiores transtornos. Os PMS estiveram também no local da colisão, mas o motorista da caminhonete Hilux já teria evadido. “O paciente entrou em coma e para ser transferido para o Hospital Geral Prado Valadares, em Jequié, o Hospital de Jaguaquara teve de acionar uma enfermeira que estava ‘‘sobreaviso”, fora da unidade, para acompanhar o rapaz na ambulância até a cidade vizinha. O caso deverá ser investigado pela Polícia Civil.

Blog marcos frahm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo