Cotidiano

Com 52%, ACM Neto lidera pesquisa na Bahia; com Lula, Wagner passa na frente

A Bahia consegue ter, com os mesmos candidatos, dois cenários completamente distintos na disputa para as eleições de outubro. É o que aponta a pesquisa do Instituto Opnus, contratada pelo Grupo Metropole, que realizou o levantamento entre os dias 19 a 22 de janeiro deste ano. No total, foram ouvidas 1.500 pessoas por telefone. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais (para mais ou para menos).

No primeiro formato de pesquisa estimulada, ACM Neto (DEM) aparece em primeiro lugar, com 52% dos votos. Em segundo, está o senador Jaques Wagner (PT), com 29%. Ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos) fica com o terceiro posto, com 5%. Marcos Mendes (PSOL) soma 1%. 

Nesta primeira composição, o ex-prefeito de Salvador possui bom desempenho entre todos os segmentos do eleitorado, apresentando melhor aceitação entre os mais jovens, de 16 a 24 anos. Já Wagner tem mais destaque entre os eleitores do sexo masculino e empregados.

Em um segundo cenário, a pesquisa além de indicar os postulantes também atrelou os candidatos aos seus respectivos apoios no plano nacional. Assim sendo, a situação muda completamente. Wagner, com o apoio de Lula (PT), assume a dianteira, com 46% das intenções de voto. ACM Neto, apoiado por Ciro Gomes (PDT), fica em segundo, com 33%.

Ligado ao presidente Jair Bolsonaro (PL), João Roma permanece na terceira posição, com 11%. Marcos Mendes, na coligação com Guilherme Boulos (PSOL), mantém os mesmos 1%.

Com a menção ao ex-presidente Lula, Wagner tem um crescimento de 17 pontos percentuais, comparando os dois cenários. Seu crescimento mais significativo se dá entre mulheres e eleitores sem escolaridade, com elevação de 24 pontos percentuais.

ACM Neto, no entanto, tem perda de 19 pontos entre um cenário e outro. A maior queda acontece entre evangélicos, com diminuição de 24 pontos. 

Desde a eleição de 1990, um ano após o retorno do voto direto no país, a maioria dos governadores eleitos na Bahia possuem vínculos diretos com o presidente eleito ou em exercício. Foi assim nos anos dos governadores carlistas (1991-2006), associados a Fernando Collor, Itamar Franco e FHC. E também nos anos petistas (2007-2018), com Lula e Dilma na presidência. Há apenas duas exceções. Em 2002, Paulo Souto (no antigo PFL) foi eleito governador, mesmo com Lula ganhando a presidência. E também em 2018, quando Rui Costa conquistou a reeleição, com Bolsonaro (à época no PSL) arrebatando o Planalto. 

REJEIÇÃO

A pesquisa do Instituto Opnus também mediu a rejeição dos candidatos ao governo na Bahia. Entre todos os postulantes ao Palácio de Ondina, Roma é que possui a maior rejeição: 42% do eleitorado pesquisado diz que não votaria de jeito nenhum no aliado de Bolsonaro. 

Marcos Mendes aparece em segundo neste quesito, com 40 pontos percentuais, seguido por Jaques Wagner (36%). ACM Neto tem a menor rejeição entre os candidatos, com 24%.

A pesquisa foi registrada no TSE sob o número BA-07451/2022. Como o sistema de registro de pesquisas da Justiça eleitoral apresentou instabilidade desde a semana passada, a pesquisa foi registrada na terça-feira, dia 25/01. Decisão judicial do ministro Edson Fachin favorável a ação apresentada pelo Instituto Opnus, assegurou o direito à divulgação dos resultados a partir do dia 27/01 (processo nº 0600030-11.2022.6.00.0000).

Metro1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo