Cotidiano

Gravidez: Coceirapode levar bebê à morte. Entenda

gravidez.jpgGrávida de quase nove meses, Magdalen Rees, 35 anos, desenvolveu uma coceira intensa no abdome.
Ao relatar o fato na consulta de pré-natal, ela foi tranquilizada que o problema era simplesmente devido ao esticamento da pele. Segundo o médico, um hidratante resolveria o incômodo.
 
Mas, por causa disso, Magdalen perdeu seu primeiro bebê. As informações são do Daily Mail Magdalen, que dirige uma empresa de TI com o marido Dudley, 39 anos, conta que “a coceira começou em uma intensidade leve e foi piorando com o tempo.
 
Nada me fazia parar de coçar”. Três semanas depois, a bolsa estourou e Magdalen daria à luz seu primeiro filho Henry. Mas, apesar de parecer saudável, o bebê morreu. “No parto, os médicos pareciam muito sérios e por isso comecei a me preocupar. Eles tentavam encontrar o batimento cardíaco do bebê, mas sem sucesso”, recordou.
 

Boa alimentação na gravidez é determinante para prevenir osteoporose

 
O primeiro filho de Magdalen não sobreviveu. Onze meses mais tarde, sua filha Sienna nasceu. “Ela nos deu um motivo para sorrir e se sentir normal de novo”, disse. Três anos depois, em 2010, Magdalen ficou grávida pela terceira vez.
 
Mas, com oito meses de gestação ela desenvolveu a mesma coceira da primeira gravidez. Desta vez, o problema não ficou restrito à barriga, mas se espalhou pelos braços, pernas e costas. “Meu maior medo é prejudicar a saúde do bebê”, diz grávida com diabetes gestacional. A terrível coceira inexplicável tem o nome de colestase intra-hepática da gravidez (ICP) — a doença hepática específica da gravidez afeta cerca de 5.000 mulheres no Reino Unido a cada ano e é causada por altos níveis de ácidos biliares (substâncias químicas produzidas no fígado que ajudam a digestão).
 
Geralmente sem erupção, o problema pode tornar a urina mais escura, além de promover sensação de mal-estar e cansaço. De acordo com um estudo divulgado neste ano em Londres, a colestase intra-hepática da gravidez triplica o risco de morte fetal. Em casos muito graves, o risco de morte fetal é nove vezes maior do que em uma gravidez normal. Sabendo da grave consequência da coceira, Magdalen ficou apavorada com a possibilidade de perder o bebê novamente
 
“Alertei minha obstetra, que ordenou exames de sangue imediatamente. Eu e meu marido ficamos aliviados por ter Lila segura e bem, mas é triste que a minha coceira com Henry não tenha sido levada a sério, e que sua morte não pôde ser evitada”, recorda. Embora Magdalen tenha apresentado coceira no abdome, é mais comum o incômodo surgir nas solas dos pés e nas palmas das mãos. “Não tivemos nenhuma comprovação de que tive ICP na segunda gestação, mas foi muita coincidência”, completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo