Política

Bolsonaro diz que não ter medo de Lula na disputa de 2018

Bolsonaro pretende levar o radicalismo ao poder em 2018.

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), em entrevista concedida a uma emissora da Paraíba, onde ele esteve nesta semana, falou que não teme uma possível disputa entre ele e Lula para ocupar a presidência do país, em 2018.  “Eu não temo ninguém. Eu não tenho obsessão por disputar nada. Eu encaro como lição e quem vai decidir é o povo. Eu não quero ficar brigando chamando um de feio ou de barrigudo. Também não vou mudar a minha maneira de ser”.

 

Bolsonaro disse que tem rodado o Brasil e até mesmo fora buscando possíveis soluções para o país. “Eu quero mostrar que tem solução e as minhas palestras pelo Brasil todo tem tido uma aceitação excepcional como tive aqui. O Brasil tem tudo para sair disso”.

 

O parlamentar declarou que as surpresas que aconteceram na eleição de 2016 como a vitória do prefeito João Doria (PSDB) pode ser um indício de que também pode favorecê-lo em 2018. “Não só no Brasil como também nos Estados Unidos. O mundo se cansou da esquerda. Estão caindo na real. Não existe milagre. Nós acreditamos no capitalismo e temos que valorizar, em especial, a meritocracia para que o povo bem instruído possa ser produtivo para a nossa nação”.

Ele também falou sobre que o presidente Michel Temer (PMDB) iniciou um mandato encontrando um “país totalmente quebrado” e que o peemedebista está fazendo o que pode. “Agora, há um problema seríssimo. Grande parte de sua equipe são homens e mulheres citados na Lava Jato e isso, logicamente, incomoda e atrapalha o serviço dele. Espero que ele tenha sucesso, mas acho muito difícil ele começar a achar, vamos dizer, um ponto de equilíbrio”.

 

Bolsonaro ainda deu sua opinião sobre a Operação Lava Jato. “Há muita gente grande envolvida. Não quero falar por ela [Cármem Lúcia], mas a presidente do Supremo poderia ter homologado todas aquelas delações, mais ainda, dar a devida publicidade. Hoje em dia praticamente todo mundo é suspeito”, acredita.

 

Sobre a crise nas penitenciárias brasileiras, o deputado disse que só chegou ao ponto que se encontra atualmente porque se defende quem está contra a lei e por tirar a autoridade do policial militar. “Em muitas oportunidades quem sai preso e respondendo processo é o policial, o que vale muito mais ali é a palavra do bandido do que a palavra do policial. Estão também retirando a autoridade do policial. Não temos que ter pena de bandido”, disparou. Conteúdo publicado originalmente no site Leia Já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo