BrasilGeral

Bolsonaro admite se vacinar se imunizante for ‘produzido pelo governo’

erca de 13 meses após o início da campanha de vacinação contra a Covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro passa a admitir tomar o imunizante contra o novo coronavírus.  Mas há uma condição: a vacina tem que ser produzida pelo governo brasileiro. A informação é da coluna Radar, de Veja.

Os quatro imunizantes adotados no Brasil – CoronaVac, Pfizer/BioNTech, AstraZeneca/Oxford e Janssen – foram desenvolvidos no exterior. O produto da AstraZeneca é finalizado no Brasil pela Fiocruz, uma fundação vinculada ao Ministério da Saúde. Agora em fevereiro, o órgão começa a entregar o imunizante com Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) obtido no país. A coluna não deixa claro se essa AstraZeneca produzida nacionalmente satisfez a condição de Bolsonaro.

Com o avanço da vacinação, Bolsonaro enfrenta limitações de deslocamento no país e no exterior por não estar imunizado. Em dezembro, na posse do seu ex-ministro da Justiça, André Mendonça, no Supremo Tribunal Federal, Bolsonaro precisou apresentar um teste negativo para o novo coronavírus para entrar no prédio da Suprema Corte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo