Cotidiano

Black Friday: confira 7 dicas para comprar com segurança

Grande evento do mercado eletrônico deve movimentar R$ 3 bi no Brasil e crescer 18% em 2019.

Desde sua estreia nacional em 2010, a Black Friday vem se consolidando com uma das maiores datas sazonais do varejo brasileiro, principalmente no e-commerce. Na contramão da crise, em 2018 passado o segmento movimentou R$53,2 bilhões e cresceu 12% segundo dados divulgados pelo Ebit/Nilsen. E só durante a Black Friday 2018 o comércio eletrônico registrou R$2,6 bilhões (Um aumento de 23% em comparação a 2017).

As expectativas para a Black Friday 2019, que acontecerá no próximo dia 29 de novembro, são altas. Segundo projeções da Associação Brasileira do Comércio Eletrônico (ABComm) a data pode crescer 18% e alcançar os R$3 bilhões. 

Praticamente todos os segmentos do varejo já estão inseridos no comércio eletrônico e o consumidor, com apenas alguns cliques, recebe com comodidade os mais variados produtos que podem ir de compras de supermercado a marmitas prontas, produtos para pets a coroa de flores, de material de construção a acessórios de moda e joalheria. 

Com a chegada da Black Friday, muitos consumidores aproveitam para economizar ou até realizar suas primeiras compras pela internet. Segundo dados do Google, 14% das pessoas realizaram sua primeira compra online durante o evento. 

O lado negativo de tamanha movimentação no e-commerce é que ela também chama a atenção de fraudadores, golpista digitais ou mesmo varejistas mal intencionados. Reunimos uma lista de cuidados básicos que vão ajudar tanto os compradores de primeira viagem quanto os mais experientes a fazer boas compras na Black Friday. Confira!

Cuidado com golpes

Ainda segundo o levantamento de 2018 realizado pelo Google, 38% dos entrevistados que nunca compraram durante uma Black Friday afirmaram que não confiavam nas ofertas ou nas lojas que fazem as promoções. 

Veja como avaliar as lojas.

1. Antecipe-se nas pesquisas

Para fugir da tentativa de ”Black Fraude” e acabar caindo no marketing mal intencionado de lojistas que aproveitam a data para vender “tudo pela metade do dobro”, vale a pena usar ferramentas de pesquisa online e comparadores de preço que exibem o histórico do valor do produto de seu interesse.

2. Consulte o órgão de defesa do consumidor

O Procon-SP desenvolveu sua própria lista a partir das reclamações registradas pelos consumidores. Fazem parte dela sites que mesmo depois de notificados não tomaram as devidas medidas, sendo que alguns deles nem ao menos foram encontrados. Pesquise as lojas de seu interesse junto a órgãos semelhantes a partir de seu CNPJ.

3. Reclame Aqui

O site Reclame Aqui se tornou uma referência para a checagem de reputação de lojas de todos os portes e segmentos. Nele, é possível acompanhar reclamações reais dos consumidores e como a empresa em questão lida com o desfecho da situação. Vale a pena conferir.

4. Redes Sociais

As redes sociais das lojas também são uma boa fonte de informação sobre a qualidade de seus produtos e serviços prestados. Confira não apenas o número de likes na publicação, mas as avaliações feitas por clientes e consumidores. 

Sua segurança digital

Depois de filtrar as lojas mais confiáveis para as compras na Black Friday também é necessário tomar outros cuidados pessoais com a sua segurança digital.

Mesmo as compras mais seguras podem ser alvo de fraudes e roubo de dados e informações sigilosas via internet, já que os hackers costumam usar meios cada vez mais sofisticados para realizar seus crimes digitais. 

5. Atualize seu apps

Seja no celular, computador, notebook ou tablet, é fundamental manter os sistemas operacionais e aplicativos sempre atualizados. Suas versões mais recentes contém mais barreiras de proteção e tornam seu dispositivo mais seguro.

6. Antivírus e Rede Segura

Evite sempre fazer login em redes de internet públicas ou abertas, principalmente quando for realizar suas compras ou acessar seu internet banking.

Essas conexões compartilhadas por estranhos podem conter arquivos maliciosos capazes de se instalar em um dispositivo e roubar dados, números de documentos e senhas importantes de contas e cartões de crédito e débito. 

Ter um dispositivo conectado à internet sem um bom antivírus é como ter um automóvel sem seguro. Esses programas são capazes de identificar e barrar malwares, vírus e outros arquivos suspeitos que podem ameaçar a privacidade e a segurança dos usuários da rede.

7. Transparency Report

É possível fazer uma verificação no site em que você deseja realizar suas compras. Através do Google Transparency Report, ferramenta gratuita, é possível detectar se uma página apresenta riscos ao usuário, como sites que escondem arquivos e códigos invasores ou podem direcioná-lo a páginas suspeitas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo