Cidades

Auditoria aponta R$ 18 milhões em corrupção na gestão de Anastasia

ANASTASIAUma auditoria realizada pela Controladoria-Geral de Minas Gerais identificou corrupção e desvios de dinheiro durante a construção de um centro internacional de meio ambiente na gestão de Antonio Anastasia (PSDB), senador e relator da comissão especial do impeachment de Dilma Rousseff. As informações, que correm em sigilo, são da Folha de S. Paulo.

O órgão do governo estadual auditou R$ 37,7 milhões da obra, cerca de 16% dos R$ 230 milhões usados para concluir o projeto. O edifício, localizado na cidade de Frutal (MG), usou recursos federais, estaduais e do BNDES. A investigação concluiu que os prejuízos ao dinheiro público chegou à marca de R$ 18 milhões – 48% do que foi analisado. Além disso, o ex-governador também é acusado de praticar as chamadas pedaladas fiscais.

Leia mais

Monica Iozzi fala sobre relação com Klebber Toledo: ‘Estou solteira’

Lula diz que pedirá a Dilma que recorra ao STF contra impeachment

O centro de pesquisa, chamado Cidades das Águas – Hidroex, é um complexo desenvolvido em parceria com a Unesco para fomentar a pesquisa na área de recursos hídricos.

Entre as irregularidades encontradas, estão pagamentos indevidos a companhias por serviços que não foram realizados ou que descumpriram contrato, superfaturamento, falta de transparência nas licitações, não entrega de equipamentos e controle inadequado.

Uma parcela das irregularidades teria beneficiado a Construtora Waldemar Polizzi (CWP), que era controlada por familiares de Anastasia até quatro meses antes de ele se tornar governador de MG, em 2010. A CPW recebeu, de acordo com os auditores, R$ 8,6 milhões em dinheiro público. A companhia também teria deixado de recolher cerca de R$ 400 mil em taxas de fiscalização de licitação.

Leia mais

Tottenham cede empate e Leicester pode ser campeão inglês no domingo

Supremo nega pedido de habeas corpus a Marcelo Odebrecht

A seleção entre as empresas concluiu que apenas Waldemar Anastasia Polizzi, primo em primeiro grau do senador, seria apto para construir a obra. Para a auditoria, as exigências do edital de licitação barraram um processo de livre concorrência. Ao jornal, Polizzi afirmou que, na prática, não era o responsável técnico pela construção, por isso a inclusão de seu nome na concorrência seria fraudulenta.

A assessoria do senador Antonio Anastasia afirmou, em nota, que o ele não teve envolvimento no caso. “A empresa Construtora Waldemar Polizzi estava desativada havia vários anos. Em 2009 ela foi vendida. Interessava a quem a adquiriu os chamados ‘atestados técnicos’ cujo titular era Waldemar”. Ele alega também que não foi procurado pela Controladoria para falar sobre o assunto. Procurados, os dirigentes da CWP não responderam às ligações da reportagem.

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios