Cidades

Às vésperas de votação pelo impeachment, Dilma discute decretar Estado de Defesa

A medida, que é executada pelas Forças Armadas, está prevista no Artigo 136 da Constituição.

DILMA - FAIXAUm capítulo explosivo da crise política que o Brasil atravessa pode estar perto de acontecer. De acordo com o colunista Reinaldo Azevedo, da revista Veja, Dilma Rousseff (PT) e sua equipe de assessores, além de ministros e outros líderes do PT, estaria cogitando a hipótese de decretar Estado de Defesa às vésperas do pedido de impeachment ser votado em Plenário da Câmara.
Veja mais
Deputado diz que grupo de Temer perguntou “o que ele queria”
PP desembarca do governo Dilma e pede que filiados entreguem cargos
Dilma faz galinha gorda de ministérios, dispara Lúcio
De acordo com a constituição, o estado de defesa pode ser decretado pelo Presidente da República, em locais restritos, por tempo determinado, visando a preservação ou o restabelecimento da ordem pública ou da paz social ameaçadas por grave ou iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidade de grandes proporções na natureza.
Contam-se entre as medidas do Estado de Defesa:
restrições aos direitos de:
a) reunião, ainda que exercida no seio das associações;
b) sigilo de correspondência;
c) sigilo de comunicação telegráfica e telefônica;
Ainda podem se realizar prisões por crimes contra o Estado, respeitadas algumas disposições. Se decretado, o Estado de Defesa, o presidente tem 24 horas para submeter o ato, com a devida justificativa, ao Congresso, que deve examiná-lo em até 10 dias. Varela Notícias.
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo