Cotidiano

Após polêmica, governo brasileiro quer a suspensão de filme da Netflix no país; entenda

O Ministério da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos pediu a suspensão da veiculação do filme ‘Lindinhas’, da Netflix, no Brasil. O longa, que é uma produção francesa, tem sofrido acusações em várias partes do mundo de sexualizar crianças.

De acordo com o ofício da Secretaria Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA) divulgado pelo UOL, a pasta pede também que seja apurada a responsabilidade pela oferta e distribuição do conteúdo.

O pedido foi encaminhado à Coordenação da Comissão Permanente da Infância e Juventude. A ministra Damares Alves afirmou que o governo vai estar presente “nessa luta”.

“Crianças e adolescentes são o bem mais precioso da nação e o mais vulnerável. É interesse de todos nós botarmos freio em conteúdos que coloquem as crianças em risco ou as exponham à erotização precoce”, diz Damares. 

Ela continuou: “O governo do presidente Jair Bolsonaro não vai ficar parado nessa luta. Vamos tomar todas as medidas judiciais cabíveis. A nossa luta é para direitos humanos para todas as crianças do Brasil”. 

O ofício é assinado pelo responsável, Maurício Cunha, que afirma que o filme “apresenta pornografia infantil e múltiplas cenas com foco nas partes íntimas das meninas enquanto reproduzem movimentos eróticos durante a dança, se contorcem e simulam práticas sexuais”.

Ainda segundo a secretaria, o filme fragiliza a luta pela proteção das crianças. “A SNDCA vê com extrema preocupação a perpetuação do conteúdo que, longe de ser entretenimento ou liberdade de expressão, na verdade, afronta e fragiliza a normativa nacional de proteção à infância e adolescência”, continua o texto.

Mauríco Cunha cita ainda que o Brasil faz parte de tratados internacionais contra a pornografia e exploração sexual infanto junvenil, como o Protocolo Facultativo da Convenção dos Direitos da Criança, da ONU.

O filme 

Para a diretora de ‘Lindinhas’, Maïmouna Doucouré, o filme é exatamente uma crítica à sexualização das crianças. Ela diz ter conversado com centenas de pré-adolescentes para entender como elas se relacionam com a sua feminilidade. 

“Essas garotas veem que, quanto mais a mulher é sexualizada nas redes sociais, mais bem-sucedida ela é. E sim, isso é perigoso”, diz Doucouré.

Ainda conforme a diretora, a ideia era mostrar como a protagonista do filme transita por “modelos diferentes de liberdade” e como ela acredita ter encontrado um tipo de liberdade ao entrar para um grupo de dança. 

“Mas será que isso é realmente liberdade? Especialmente quando você é uma criança? Claro que não”, considera.

Netflix se manifesta 

Com a repercussão, a Netflix também se manifestou sobre a polêmica. “‘Cuties’ (nome em inglês do longa) é uma crítica social à sexualização de crianças. É um filme premiado, com uma história poderosa sobre a pressão que jovens meninas sofrem das redes sociais e da sociedade em geral enquanto crescem — e encorajamos qualquer pessoa que se importa com este tema fundamental a assistir ao filme”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar