Cidades

Após delação de empreiteiro, Janot quer investigar campanhas do PT

RODRIGO JANOT 3O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedidos para investigar irregularidades nas campanhas presidenciais de 2006, 2010 e 2014, de acordo com fontes com acesso às investigações da Operação Lava Jato, informou ontem o site do jornal O Estado de São Paulo. A solicitação tem como base depoimentos do dono da UTC, Ricardo Pessoa, que relatou ter feito doações para o PT como parte do pagamento de propina por obras para a Petrobras.

O período abrange as campanhas vencidas pelos petistas Luiz Inácio Lula da Silva (2006) e Dilma Rousseff (2010 e 2014). A Procuradoria-Geral da República encaminhou ao gabinete do ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo, os pedidos de apuração, que são mantidos como ocultos no sistema da Corte. Em um primeiro momento, o pedido de investigação recai sobre os coordenadores responsáveis pelas campanhas.

Veja mais

Ao STF, Janot diz que Fernando Collor recebeu R$ 26 milhões de propina

Rodrigo Janot quer que homofobia seja equiparada ao racismo

Para Janot, há ‘elementos muito fortes’ para investigar Eduardo Cunha

O nome dos possíveis investigados, assim como o teor das peças e a delação do empreiteiro permanecem em sigilo. Ricardo Pessoa detalhou na delação premiada ter repassado R$ 3,6 milhões, entre 2010 e 2014, para o tesoureiro da primeira campanha de Dilma, José de Filippi, e o ex-tesoureiro nacional do PT João Vaccari Neto.

Ele também mencionou doações à campanha do ex-presidente Lula de 2006. Na mesma delação, Pessoa também disse ter sido “persuadido” por Edinho Silva, atual ministro da Secretaria de Comunicação Social e tesoureiro do PT à época da campanha de Dilma, a “contribuir mais para o PT”. Na semana passada, Pessoa falou em outro processo da Lava Jato, seu primeiro depoimento público, e afirmou que pagava propina para o PT para conseguir contratos na Petrobras. (iBahia)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo