Política

Aleluia compara Jorge Portugal a Demóstenes, ao afirmar que ele tentou atropelar greve dos professores

“O professor Jorge Portugal pode ser comparado ao senador Demóstenes Torres, que se apresentava como o arauto da moralidade pública, mas defendia interesses de um contraventor. No caso de Portugal, ele posava na mídia como defensor da educação, mas se revelou um verdadeiro depredador da educação ao assinar oportunisticamente, em plena greve dos professores, um contrato milionário com o governo estadual para dar aulões”, observou o presidente estadual do Democratas, José Carlos Aleluia, em entrevista à rádio CBN Salvador, na manhã desta segunda-feira (09). O líder democrata é o autor da ação popular que requer o cancelamento do contrato da Abaís, empresa do professor Jorge Portugal, com o governo estadual, no valor de mais de R$ 1,5 milhão para prestação de serviços educacionais Pré-Enem, pelo prazo de 180 dias. O processo está na 5ª Vara da Fazenda Pública e aguarda julgamento do juiz Ricardo D’Ávila. Para Aleluia, o contrato fere os princípios de moralidade e legalidade que regem a administração pública. “É um absurdo e um total desrespeito aos professores da rede estadual de ensino, que ganham menos de R$ 9 por hora-aula, pagar R$ 250 pelo mesmo tempo de trabalho aos amigos de Jorge Portugal. Nenhum professor de doutorado ganha esse valor no Brasil. Tenho confiança que a Justiça vai cancelar esse contrato, que é um verdadeiro assalto ao povo”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo