MutuípeSlide

Agente funerário cobra coveiros no cemitério de Mutuípe e diz: funerária está fazendo trabalho da prefeitura

Caixão é colocado em gaveta com dificuldade. Agentes funerários temem que andaime desabe e argumentam: "não é nossa função fazer isso".

O agente funerário Rodrigo Bittencourt entrou em contato com nossa redação no início da noite desta sexta-feira (31), para cobrar da prefeitura de Mutuípe a presença de pelo menos, três coveiros, no cemitério municipal.

O denunciante diz que, os serviços que deveriam ser prestados pela prefeitura tem ficado a cargo, do agentes funerários: “…nós estamos enfrentando uma situação que tá ficando complicado, eu já conversei Flávio, [secretário de administração], conversei com Andreia [secretária de saúde] a respeito, conversei com Tia Liu, ela dá uma atenção, mas não é tudo que depende dela, a gente trabalha, numa empresa privada, na qual a empresa, tem cuidado com um seus funcionários, a gente é bem preparado, a gente tá fazendo um papel que não é nosso, a gente tá praticamente pegando o caixão e colocando na gaveta, só está faltando pegar a colher [de pedreiro] e fechar a carneira, a gente ta fazendo esse serviço se arriscando, mas é um trabalho da prefeitura, já foi cobrado, conversei com Flávio, é uma situação complicada, a gente tem filho, tem esposa, tem família, a gente faz o serviço nosso, mas cabe a prefeitura agora pelo amor de Deus, numa pandemia que está acontecendo fazer a parte dela. Cobrou ele.

A redação do Mídia Bahia esteve no cemitério, por volta de 18h40min, momento em que era sepultado o corpo de Eliano de Jesus Carneiro, conhecido como Bidú, ele foi encontrado sem vida dentro de casa, já em estado de decomposição, a vítima era alcoólatra.

Eliano de Jesus Carneiro, conhecido como Bidú. Foto reprodução redes sociais.

O caixão foi levado ao interior do cemitério por três agentes funerários e um coveiro, e colocado com muita dificuldade numa das gavetas do último andar, um morador chegou a ser chamado para auxiliar no içamento da urna, o andaime é improvisado e as pessoas e funcionários da empresa, temem que em algum momento a estrutura não suporte o peso.

Bittencourt cobrou a presença de mais coveiros “…a família do ente querido não te culpa de nada… a culpa é da prefeitura, que não tem funcionários disponíveis para esse tipo de serviço, um coveiro não faz esse serviço sozinho, tá errado, tem que ter pelo menos três coveiros aqui, porque a gente ta vivendo uma pandemia que está complicado, principalmente com os casos de coronavírus aumentando e os óbitos também.”

Não é primeira vez que o cemitério de Mutuípe passa por problemas, no início da semana passada, o assunto foi abordado na emissora de rádio local, que cobrou um novo local para sepultamento, bem como uma melhor estrutura para içamento dos caixões no andares mais altos das gavetas. Um elevador já chegou a ser solicitado pelo presidente da camara de vereadores Índio Josapha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar