Política

Aécio diz que Dilma distribui poder 'como numa feira livre'

AECIO - DEBOCHADOO presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG), criticou na tarde desta terça-feira (29) a reforma ministral que está sendo discutida pelo governo da presidente Dilma Rousseff. Segundo ele,a presidente distribui poder “como numa feira livre” e o resultado da reforma é uma “desqualificação ainda maior de um governo muito pouco qualificado”. A presidente tem discutido com aliado, nos últimos dias, a redução da quantidade de pastas em seu governo e a mudança de ministros. Para atender às reivindicações do vice-presidente Michel Temer e da bancada do PMDB na Câmara, a presidente Dilma Rousseff deve entregar ao seu principal aliado sete ministérios na reforma administrativa. Entre as pastas que devem passar para o comando dos peemedebistas está o cobiçado Ministério da Saúde, dono do maior orçamento da Esplanada dos Ministérios.

Além da Saúde – que é chefiada pelo petista Arthur Chioro –, a presidente sinalizou que um deputado peemedebista iria chefiar o Ministério da Infraestrutura, pasta que seria criada com a fusão de Transportes, Portos e Aviação Civil. “[A reforma] está tendo como resultado a desqualificação ainda maior de um governo muito pouco qualificado”, afirmou Aécio. O senador afirmou, ainda, que a presidente está distribuindo “nacos” de poder “como numa feira livre”. “A forma como a presidente da República está distribuindo nacos de poder, como numa feira livre, distribuindo para quem der a melhor oferta áreas de tamanha relevância como o Ministério da Saúde sendo trocado por 20, 30 votos, o Ministério da Infraestrutura por outros 10 votos, é a negação de tudo o que o Brasil precisava estar vivendo. Essa era a oportunidade do retorno à meritocracia.

Aécio disse que a presidente é governada pela lógica do “toma lá dá cá”. “Ela acha que governa, mas hoje é governada, pela pior das lógicas, do tomá lá dá cá. Essa reforma ministerial terá como resultado a entrega de áreas importantes do governo em troca de alguns votos no Congresso Nacional”, disse.

Órgão de controle – Durante a entrevista, o senador criticou a possibilidade de a Controladoria-Geral da União (CGU) perder o status de ministério. Segundo Aécio, se o órgão deixar de ser um ministério, fragilizará o trabalho da CGU. Nesta terça, cerca de 600 analistas e técnicos da CGU fizeram uma marcha em Brasília para defender a manutenção do órgão na reforma ministerial.

A assessoria da CGU disse que oficialmente não recebeu nenhum comunicado sobre o fim ou a transferência de atribuições do órgão para outros ministérios. “Tirar o status ministerial da Controladoria é estimular a não apuração, não investigação de inúmeras denúncias […], portanto, teria sido melhor se a presidente sequer fizesse a reforma”, disse. “No momento em que fica subordinada a órgãos de estado, a decisão para de ser técnica e sim política”, afirmou Aécio. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo