Ubaíra: racionamento de água é fruto da falta de políticas públicas no segmento.


Constantemente os moradores da sede do município de Ubaíra se deparam com a triste realidade de enfrentar o fantasma da ameaça de falta de água na sede do município, situação que vem ocorrendo nos últimos anos, para falar sobre esta triste realidade o Mídia Bahia ouviu o professor Eliomar.

PROFESSOR POR QUE TODOS OS ANOS A POPULAÇÃO DE UBAÍRA É SUPREENDIDA COM A AMEAÇA   DE FALTA DE ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO?

ELIOMAR: É fácil de explicar e difícil de ser compreendido. Não existe em nosso município política de gestão de recursos hídricos. Nosso município é um grande degradador de nosso próprio potencial hídrico. Temos muita água, mas, é agua sem gestão direcionada. Isso em uma perspectiva, mais ampla, já no caso específico do abastecimento da sede do município, o maior problema é a diminuição do volume de água do rio Mucuri que está bastante degradado, seus afluentes cansados de correr na tangente das políticas públicas de preservação pouco a pouco estão desaparecendo.

PROFESSOR, EXISTEM PROBLEMAS DE ÁGUA NA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO?

ELIOMAR: Muito. Temos várias comunidades com gravíssimos problemas de abastecimento de água e o pior de tudo é que a situação vem se agravando de forma sistemática. Acredito que já há comunidades em nosso   município onde está sendo inviável a habitação de famílias, criação de animais e desenvolvimento da agricultura. Tem chovido pouco, nossos indicies pluviométricos já se assemelha ao clima de caatinga. Estou muito preocupado com a problemática da água em Ubaíra.

 

QUAL SERIA ENTÃO A SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA, JÁ QUE PARA TER ÁGUA PRECISA DE CHUVA?

 

ELIOMAR: Precisamos de chuva, mas precisamos também usar nossos recursos hídricos de forma organizada, precisamos traçar políticas públicas estratégicas para não sermos pegados de surpresa.

QUAIS SERIAM ESTAS POLITICAS PÚBLICAS:

ELIOMAR: Inicialmente é preciso reconhecermos que o problema da água em Ubaíra deve ser incluído na ordem do dia. É preciso que nosso município passe a tratar esta situação com prioridade assim como tratamos os demais segmentos. Eu fiz diversas indicações ao prefeito para criar o departamento de gestão de recursos hídricos e agora aprovamos a lei de minha autoria que obriga o município a estabelecer políticas nesta perspectiva.

PROFESSOR, E COMO FUNCIONARIA ESTE DEPARTAMENTO?

 ELIOMAR: Em duas frentes. Primeiro um trabalho de reabilitação do rio Mucuri e seus afluentes para garantir boa vazão de água para nossa represa, bem como no rio de Riacho de Areia, para termos estrategicamente uma segunda opção de abastecimento. Em segunda frente, vejo indispensável fazermos um levantamento da situação de Água em cada comunidade de nosso município e a partir daí se estabelecer um planejamento a médio e longo prazo. O problema não é tão difícil, em muitas comunidades temos a água, mas falta represar, falta um bom sistema de distribuição, falta tanques. Precisamos também avançar na perfuração de poços artesianos e na outorga razoável do uso de água para fins diversos do consumo humano. Eu sei fazer, mas, no momento apenas posso fazer a indicação e a lei. Fiz as duas coisas, fiz várias indicações e por fim fiz a lei completa e bem didática.

Em suas considerações finais o vereador enfatizou que aguarda a sanção pelo prefeito da lei que estabelece a política de gestão de recursos hídricos e da redução da taxa de esgoto cobrado pela embasa “estes últimos dias estou com toda atenção voltada a diminuição da taxa de esgoto, a Bahia está de olho em Ubaíra e Ubaíra está seguindo a Bahia, vamos vencer, vários municípios estão trilhando este caminho, estou muito confiante”. Finalizou o professor