Ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal é o exame indicado para diagnosticar a endometriose


Um estudo realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) revela que cerca de 180 milhões de mulheres no mundo sofrem de endometriose. No Brasil, a doença afeta de 10% a 15% das mulheres em fase reprodutiva, ou seja, em torno de 7 milhões de pessoas. Segundo a Sociedade Brasileira de Endometriose, o diagnóstico tardio representa uma das maiores dificuldades no manejo clínico da doença, podendo levar de sete a 11 anos entre o início dos sintomas e sua descoberta.

Para a Dra. Luciana Pardini Chamié, especialista em diagnóstico por imagem da pelve feminina e diretora da Chamié Imagem da Mulher, centro de diagnóstico especializado em imagem da mulher, por intermédio de um diagnóstico correto e precoce, o tratamento pode fazer a diferença na qualidade de vida de quem tem a doença. “A ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal é o exame de primeira linha recomendado para investigar a doença, com ele é possível a identificação das lesões ocasionadas pela endometriose nos diversos sítios comprometidos. O preparo intestinal contribui para aumentar a acurácia do método. Por isso, é de extrema importância para detectar a doença e determinar as estruturas comprometidas, além do grau de infiltração”, comenta.

O exame permite a identificação precisa dos focos de endometriose em regiões como ovários, bexiga, no espaço entre o útero e a bexiga, na região atrás do colo uterino (local mais frequente da doença), no intestino grosso (retossigmóide), na vagina, e em outros segmentos intestinais presentes na pelve tais como ceco, alças de intestino delgado e apêndice.  Quando há comprometimento do intestino pela endometriose, esta ultrassonografia é superior aos demais métodos (tomografia computadorizada, ressonância magnética e colonoscopia) para a identificação de múltiplos focos.

Além disso, possibilita a pesquisa de aderências entre as estruturas comprometidas. A incorporação da tecnologia 3D aos exames possibilita a obtenção de imagens em diferentes planos anatômicos, facilitando a compreensão dos achados e auxiliando na programação pré-operatória.

Dra. Luciana Pardini Chamié

Doutora em Radiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), conta com mais de 15 anos de experiência acadêmica e profissional em diagnóstico por imagem. É referência mundial em diagnóstico por imagem da endometriose. A médica conta com especialização em Tomografia Computadorizada do Abdome e Ressonância Magnética do Abdome pelo Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Especialista em Radiologia e Diagnóstico por Imagem pela Associação Médica Brasileira (AMB); sócia titular do Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR); sócia titular da Sociedade Paulista de Radiologia (SPR); membro da Radiological Society of North America (RSNA), da Radiological Society for Reproductive Medicine (ASRM); e revisora de artigos e periódicos do Internacional Journal of Gynecology and Obstetrics.