Maníaco da seringa; SESAB confirma duas vítimas, soldado do Exército é uma delas


Vitimas receberam profilaxia para Aids e Hepatite B e continuam em atendimento na unidade médica.

maniaco-da-seringa
Duas pessoas já foram atendidas no Hospital Couto Maia vítimas do ataque do maníaco da seringa, entre elas um soldado do Exército, neste mês de outubro em Salvador. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), as vítimas, que foram espetadas pelo objeto perfurante em dias diferentes, fizeram profilaxia para Aids e Hepatite B e continuam em atendimento na unidade médica.
Apesar de a Sesab informar que apenas duas pessoas deram entrada no Couto Maia devido ao ataque do maníaco, funcionários disseram que outras duas pessoas chegaram à unidade na mesma circunstância. “Essa informação não procede. Até agora somente duas pessoas foram medicadas e terão que fazer o tratamento até seis meses depois do acidente”, declarou a diretora do Couto Maia, especializado em doenças infectocontagiosas.
Um dos casos aconteceu na Avenida Joana Angélica e foi registrado na 1ª Delegacia (Complexo dos Barris). O soldado do Exército de 20 anos tinha acabado de deixar o Quartel da Mouraria quando foi espetado no último dia 7. Ele prestou queixa no dia seguinte.
“Estamos investigando. O rapaz esteve na delegacia e registrou queixa, mas até agora não retornou para ser ouvido novamente, para então fazer o exame de corpo delito e retrato falado do criminoso”, declarou o delegado Adailton Adan, titular da 1ª DP.
Ataque
Conversamos com parentes do soldado do Exército que foi atacado na Avenida Joana Angélica. Costumeiramente, o rapaz tem o hábito de andar da Mouraria até a estação do metrô do Campo da Pólvora, onde de lá segue para casa. Mas no dia 7 ele fez diferente. “Ele foi comprar uma camisa que havia gostado e seguiu para a loja, perto do Colégio Central, na Avenida Joana Angélica”, declarou a mãe do rapaz.
O soldado foi atacado no momento em que ele e o criminoso, que vinha em sentido contrário, se cruzaram. “Ele disse que sentiu uma fisgada no braço e se desesperou quando viu a blusa manchada de sangue na altura do ombro. Em seguida ele viu o bandido correndo e segurando uma seringa”, contou a mãe do rapaz.
O soldado foi levado por parentes ao Hospital Couto Maia instante depois. “Chegamos lá, uma atendente disse que outras pessoas deram entrada lá na mesma situação, mas que não registraram queixa na polícia”, contou a mãe da vítima.
Coquetel
O rapaz foi submetido a exames rápidos para saber se houve algum tipo de infecção e deram negativo, além do início de tratamento com coquetéis para prevenção de Aids e Hepatite B. “Até o dia 28 deste mês ele terá que tomar três remédios fortes que o que deixam com frequentes náuseas e dores de cabeça. Quando as reações são muito fortes, ele não vai trabalhar”, declarou a mãe do rapaz, que é casado.
Segundo a mãe, desde o dia em que foi atacado, o filho anda aflito. “Ele acorda e dorme rezando para que o tratamento funcione, que não tenha contraído nenhuma doença. Ele era um rapaz muito alegre, mas atualmente está angustiado, até o fim de todos os exames será assim”, disse a mãe.
Preconceito
Ainda segundo ela, o filho vem sofrendo preconceito. “Hoje ele sai de casa para o trabalho e vice e versa. Ele deixou de sair na rua por que as pessoas passaram a olhá-lo de forma diferente, como se ele já estivesse com a doença (Aids). Quando sai para outro lugar, sempre é acompanhado por alguém da família. Ele deixou de usar as redes sociais e não quer que ninguém comente o fato em casa”, contou.
“Quem fez isso não pensou que poderia atingir uma família inteira. Estamos sofrendo junto com ele, mas Deus é mais forte e creio que tudo vai terminar bem”, finalizou a mãe do soldado.
Medo
A reportagem do Correio esteve no centro da cidade e algumas pessoas mostraram-se amedrontadas. “Estou apreensiva com isso e esse louco ainda está solto, como pode?”, questionou a diarista Marizete Santos, 55, na Praça da Piedade.  “Não é à toa que as pessoas têm que temer mesmo. Uma situação como essa acaba com a vida de uma família inteira”, declarou a professora da rede municipal Gleice Alcântara 47.