Metade dos homens acredita que beijar outras não é traição

Trair para alguns pode ser imperdoável. Entretanto, há quem considere que atos como beijar alguém ou flertar online não configuram uma traição. Pelo menos é o que diz uma pesquisa feita pela BBC Radio 5, que entrevistou mais de dois mil participantes. Uma das descobertas feitas pelo veículo foi que 50% dos homens não consideram beijar outra pessoa … Leia Mais






Mulheres sem filhos priorizam casa própria e os estudos, diz pesquisa


As principais preocupações das mulheres solteiras no Brasil são ter uma casa própria e manter os estudos, de acordo com a pesquisa realizada pela ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) com o apoio do Datafolha. Segundo o site Universa, o levantamento aponta que fazer uma faculdade, realizar um curso de extensão ou de idioma é uma preocupação para 18% das mulheres sem filhos da classe C. Na classe A, a taxa cai para 13%, ficando ainda menor na classe B, com 8%. O uso do dinheiro para os estudos só fica depois do objetivo de construir, comprar ou quitar a casa própria com 26%.

 

Já o comportamento das mulheres sem filhos é diferente daquelas que são mães, apesar de ambas colocarem a casa própria em primeiro lugar como destino das economias. Para as mães, o investimento nos estudos aparece apenas em oitavo lugar, com 4% de participação. Na frente estão outras prioridades como: fazer uma reserva financeira para segurança ou imprevistos (14%); deixar para o futuro dos filhos (9%); e fazer uma viagem.

 

Para essa conclusão, em março deste ano, foram entrevistadas cerca de 3.374 pessoas em 152 municípios para a coleta de dados.


Assédio e abuso sexual no esporte: um mal que assombra os atletas

Autora: Thaisa Rodbard Mileo é professora nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.


Depois do caso de Joanna Maranhão, nadadora olímpica brasileira, o Senado Federal aprovou um Projeto de Lei alterando o Código Penal Brasileiro, no qual o prazo para a prescrição dos crimes sexuais contra crianças e adolescentes começa a contar a partir do momento em que a vítima completar 18 anos, não mais a partir do momento do crime. O Projeto prevê ainda que crimes mais graves como o estupro terão um prazo de 20 anos a partir da maioridade para serem denunciados. O Projeto foi aprovado em 2012 e recebeu o nome de Lei Joanna Maranhão.

Em muitos casos o assediador é alguém que tem autoridade sobre o jovem e, devido a isso, o atleta acaba mantendo-se em silêncio. Somam-se a esse fator a vergonha e o medo da retaliação por parte do assediador ou ainda da entidade onde está treinando e representando a vítima. Fazer a denúncia de um caso de assédio e/ou abuso é algo muito difícil para qualquer pessoa, mas para os meninos/homens é ainda mais complicado, pois vivemos em uma sociedade em que ‘homem não chora’ e ‘sabe se defender sozinho’; ou ainda os garotos denunciam as práticas de assédio e/ou abuso e acabam afastados dos clubes de futebol onde atuam, muitas vezes vendo o seu sonho escorrer pelas mãos.

O apoio que o atleta precisa vem de fora, ou seja, de alguém que não está envolvido com a rede que o cerca dentro do treinamento. Enquanto o atleta não enxergar essa pessoa de confiança que poderá lhe ajudar não irá falar sobre ou denunciar os assédios e/ou abusos sofridos. O esporte reflete as mudanças culturais da população, que de uma forma geral clama por atenção e providências em relação ao assédio e ao abuso. É importante conscientizar os profissionais que trabalham junto com os atletas e lembrar sempre que: assédio sexual é crime!

O procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho do Paraná (MPT-PR), Gláucio Araújo de Oliveira, é responsável por um projeto de prevenção ao assédio moral e sexual no ambiente esportivo, por meio do projeto que envolve a assinatura de termos de cooperação entre o Ministério Público do Trabalho e confederações de esportes diversos, visando gerar ações conjuntas concretas de combate ao assédio a atletas. A iniciativa foi do setor jurídico das confederações brasileiras de ciclismo, ginástica e esportes aquáticos. Inicialmente a ação seria regional, mas o procurador considerou a importância do projeto e o ampliou para o âmbito nacional.

Após os ginastas brasileiros denunciarem os casos de assédio e abuso sofridos, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) implantou em março de 2018 o Canal de Ouvidoria do Conselho de Ética, uma ferramenta para que os atletas, de maneira sigilosa, façam as suas denúncias e estas sejam apuradas e combatidas. Porém, esse canal é destinado apenas às denúncias relacionadas diretamente a pessoas ligadas ao COB. Representantes do COB e da ONU Mulheres discutiram as diretrizes para a elaboração da Política de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio e Abuso Sexual que será implementada futuramente pelo COB.

Lembrem-se: Assédio sexual é crime e deve ser denunciado para evitarmos outros casos no esporte!


A sombra do suicídio entre os jovens

Autor: Ivo Carraro é psicólogo e professor do Centro Universitário Internacional Uninter.


Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que o suicídio é a segunda causa de morte entre os jovens no mundo. Julio Jacobo Waiselfisz, sociólogo e coordenador do Mapa da Violência no Brasil, endossou esses dados ao apresentar em um de seus estudos que o número de suicídios aumentou em 65% na faixa etária dos 10 aos 14 anos, e em 45% dos 15 aos 19 anos, no período entre os anos 2000 e 2015. Os números são alarmantes e a situação exige atenção da sociedade.

Os motivos desse aumento de suicídios são multifatoriais: um cérebro adolescente em formação, com as incertezas próprias desta idade, aliado a uma criação super protetora. Soma-se a isso a obrigatoriedade de ser feliz a qualquer custo em um mundo onde a mesma tecnologia que une também afasta as pessoas. Difícil administrar, certo?

Diante de tantas incertezas, a ansiedade e a depressão podem bater à porta e, para muitos deles, o suicídio é a saída na ânsia de exterminar o sofrimento e o desespero. Diante dessa situação, cabe aos pais lembrar da importância de transmitir segurança aos filhos durante a vida. Felizes deles também se puderem contar com o limite, com o modelo dos pais diante das ameaças do mundo.

O suicídio entre os jovens é uma forma de fugir do mundo, resultado da ausência de objetivos. A vida perde o sentido e eles deixam de acreditar. Se um adolescente se suicida por desesperança, a sociedade na qual ele vive certamente também está adoecida.

Caso a depressão já esteja instalada, torna-se indispensável procurar um profissional para o tratamento de transtorno da personalidade instalada no psiquismo desse adolescente. Aos educadores, cabe a contribuição de fazer com que os alunos desviem temporariamente o olhar da tela do celular, contemplem a natureza e entusiasmem-se por ela, criando assim uma visão sistêmica da vida que apresenta desafios, mas que também traz oportunidades de crescimento.

Acima de tudo é necessário desenvolver a consciência de que todo desejo pede realização, mas que nem todo desejo poderá ser realizado. Pois é neste ponto que surge a frustração.

E não para por aí. É preciso ensinar os princípios da Inteligência Emocional, para adiar a necessidade de satisfação e aumentar a tolerância quando as frustrações surgirem.

E neste âmbito, dois instintos devem ser levados em consideração: de vida (Eros) e o de morte (Thanatos). Quando o instinto de morte prevalece a vida corre perigo. Devemos cuidar dos nossos jovens para não lhes faltar o principal: amor. Suicídio é a falência do amor.

 


Suspeitos de participar do assassinado de caminhoneiro é preso

Corpo foi localizado neste domingo (25), na região de Ubatã.


Caminheiro Reginaldo da Paz Ferreira

Um homem suspeito do assassinato do caminhoneiro Reginaldo da Paz Ferreira, de 37 anos, que estava desaparecido desde a sexta-feira (23), e teve o corpo localizado neste domingo (25), próximo ao município de Ubatã, foi preso pela polícia.

Segundo informações, o suspeito pegou uma carona com Ferreira, rendeu o motorista e roubou a carga de gado que ele transportava, possivelmente com a ajuda de outras pessoas.

Segundo a Polícia Técnica, através do laudo pericial, a vítima sofreu agressões ainda no caminhão, marcas de sangue foram localizadas, os bandidos usaram um cabo flexível (fio) para enforcá-lo e jogar o corpo margens da rodovia BR-330, próximo a fazenda Santa Maria do Jenipapo.

A última vez que Reginaldo manteve contato com familiares, foi na sexta-feira, as 16h. O caminhão utilizado por ele foi localizado em Itajuípe, em poder do suspeito que ainda não teve a identidade relevada, ele nega participação no crime.

Segundo a polícia, o paradeiro da carga roubada também foi descoberto e novas diligências devem ocorrer para esclarecer os crimes.

Vendo a África do ponto de vista africano

Silenciamento da história da África é tema de palestra no Palacete das Artes


O Centro de Memória da Bahia (CMB) promove palestra sobre o Silenciamento da história da África, com o professor Dr. Jacques Depelchin, acadêmico e ativista democrático da República Democrática do Congo. A programação que acontece na terça-feira (27), às 16h, no Palacete das Artes (Museu Rodin Bahia), conta também com a exibição do documentário Kemtiyu, do cineasta francês de origem senegalesa Ousamane Mbaye.

Para o diretor do CMB, Rafael Fontes, “a história da África, geralmente, é pautada sob a perspectiva externa e o palestrante vai trazer um olhar sobre o continente a partir da visão africana”, disse Fontes. Ainda de acordo com ele, “a história hegemônica que se conhece da África, muitas vezes, é com um olhar superior de outros países e os africanos construíram e deixaram suas histórias no mundo. Então, as atividades irão apresentar realidades a partir de suas próprias vivências”, acrescentou o diretor.

Sobre o professor Dr. Jacques Depelchin – Nasceu no Congo e foi educado nas universidades Lovanium (Kinshasa); Londres; Johns Hopkins; e Stanford. Ensinou história africana e assuntos relacionados em diversas universidades como, por exemplo, Stanford, Siracusa e em universidades do Congo, Moçambique e Tanzânia.

Sobre o filme – O filme conta a história do personagem Cheikh Anta Diop que tem várias facetas: um homem enraizado em sua cultura; um pesquisador a quem, inicialmente, foi negado a escrever sua tese na Universidade Sorbonne, na França; e um homem que redescobriu que a civilização do antigo Egito é negra. Kemtiyu foi vencedor de vários prêmios como, por exemplo, Ler Prix Meilleure (Euvre documentaire Fespaco 2017); Prix ACP Union Européenne Fespaco 17; e Festival Vision Award feature documentary Los Angeles.

 

Centro de Memória da Bahia – O Centro de Memória da Bahia (CMB), localizado na Avenida Sete de Setembro, 282, Centro, oferece consulta ao acervo documental através de um Sistema de Gerenciamento Arquivístico que dispõe de diversos filtros na busca, além do acervo bibliográfico que guarda, através de convênio com o jornal A Tarde, pontos de acesso à base de dados que possibilita realizar buscas por diversos filtros de pesquisa. O objetivo do CMB é a difusão da história da Bahia, através da preservação e ordenação de arquivos privados e personalidades públicas, bem como a realização de exposições, seminários e cursos de formação gratuitos. O Centro de Memória funciona de segunda a sexta, das 8h30 às 17h30. Telefone: (71) 3117-6067 / 6050 E-mail: [email protected]. Mais informações sobre a instituição confira o link:

http://www.fpc.ba.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=95

 

 

Serviço

O que: Vendo a África do ponto de vista africano;

Quando: 27 de novembro (terça-feira), às 16h;

Onde: Palacete das Artes (Museu Rodin Bahia) – Bairro: Graça.