teste molecular detecta precocemente o HPV

Vírus que infecta pele e mucosas, podendo causar verrugas ou lesões precursoras de câncer, o Papiloma vírus humano (HPV) possui mais de 200 tipos, sendo que aproximadamente 40 podem desencadear infecções nos tecidos do trato anal e genital, masculino e feminino, e predispor ao desenvolvimento de tumores malignos. O exame Papanicolau consiste em um esfregaço, … Leia Mais


Cinco verdades sobre Hiperplasia Benigna Prostática

A Hiperplasia é o aumento do número de células em determinado tecido, neste caso, na próstata (prostática). A próstata é uma glândula presente no organismo masculino, do tamanho de uma noz e responsável pela produção do líquido seminal. A HPB normalmente se inicia em homens com mais de 40 anos e quando se associa a sintomas do trato urinário inferior (LUTS) … Leia Mais




Além da pílula, ginecologista destaca quais são as opções para não engravidar


Segundo estudo da Universidade Federal de Fluminense, a ideia de que as mulheres brasileiras fiquem grávidas em taxas mais elevadas durante o carnaval é mito, assim como a promiscuidade neste período não é verdade. Em contrapartida há um aumento de 30% na venda de preservativos durante os dias de folia, e um aumento de 15% na venda de testes de gravidez depois do carnaval.

De acordo com o ginecologista e obstetra, Alberto Guimarães, autor do livro Parto Sem Medo, quem não está preparada para conceber um filho seja por questões financeiras ou psicológicas existem diversas opções de métodos contraceptivos não só para evitar uma gestação como prevenir doenças sexualmente transmissíveis.

Segundo Guimarães, é necessário a busca de orientação médica para que seja utilizado o melhor método contraceptivo que se adeque ao organismo e necessidade da mulher.

 

Conheça alguns dos métodos e saiba se prevenir:

Pílulas Anticoncepcionais

O acesso às pílulas anticoncepcionais é muito fácil. A pílula impede a ovulação, enquanto a mulher tomar a pílula, ela não consegue engravidar. O anticoncepcional deve ser receitado pelo ginecologista, o uso de medicação indevida pode provocar diversos efeitos colaterais como, dores de cabeça, náuseas, tonturas, aumento ou redução de peso.

Preservativo Masculino

É o método de barreira mais difundido no mundo. Consiste em um envoltório de látex que recobre o pênis durante o ato sexual. O esperma ejaculado pelo homem fica retido na camisinha, assim os espermatozoides não entram no corpo da (o) parceira (o).

Preservativo Feminino

É um método contraceptivo de barreira feito de plástico fino, macio e resistente com uma extremidade aberta e a outra fechada, contendo dois anéis flexíveis também de plástico. Ele age impedindo a entrada dos espermatozoides no corpo da mulher. Pode ser colocado na vagina imediatamente antes da penetração ou até oito horas antes da relação sexual. O produto já vem lubrificado e deve ser utilizado uma única vez.

Diafragma

É um método de uso feminino que consiste em uma capinha de silicone ou látex, macia e com aro de metal flexível. É colocada pela própria mulher no fundo da vagina para cobrir o colo do útero. Existem diafragmas de diversos tamanhos, sendo necessária a medição por um profissional de saúde treinado, para determinar o tamanho adequado a cada mulher. Pode ser usado junto com espermicida (produto capaz de matar os espermatozoides) para aumentar a eficácia.

O diafragma impede a entrada dos espermatozoides dentro do útero. Ele deve ser colocado em todas as relações sexuais, antes de qualquer contato entre o pênis e a vagina. Pode ser colocado em minutos ou horas antes da relação sexual, e só deve ser retirado de seis a oito horas após a última relação sexual, que é o tempo suficiente para que os espermatozoides que ficam na vagina morram. Após a retirada do diafragma, deve-se lavá-lo com água e sabão neutro, secá-lo bem e guardá-lo em um estojo próprio, em lugar seco e fresco, não expondo à luz solar. Pode ser fervido periodicamente para desinfecção. A vida média útil é de cerca de três anos, se observadas às recomendações.

Pílula do Dia Seguinte

É conhecida popularmente como “pílula do dia seguinte”. Este método é utilizado para evitar uma gravidez indesejada, após uma relação sexual desprotegida ou falha de outro método, como por exemplo, a ruptura do preservativo. A anticoncepção de emergência age impedindo ou retardando a ovulação e diminuindo a capacidade dos espermatozoides de fecundarem o óvulo. Ela não é abortiva, pois não compromete a continuidade de uma gravidez já em andamento. Utilizam-se tomando os dois comprimidos de uma só vez ou em duas doses: a primeira dose até três dias após a relação sexual (quanto mais rápido tomar as pílulas maiores são as chances de evitar a gravidez) e a segunda pílula doze horas após a primeira.

A pílula do dia seguinte não deve ser utilizada como método anticoncepcional de rotina, ou seja, substituindo outro método anticoncepcional. Devem ser utilizadas somente em casos emergenciais, porque a dose de hormônio é grande.

Implante Subdérmico

São pequenas cápsulas ou hastes plásticas, cada uma do tamanho aproximado de um palito de fósforo, que liberam um hormônio semelhante ao produzido pelos ovários da mulher (progesterona). Um profissional devidamente treinado para este fim realiza um pequeno procedimento cirúrgico para inserir os implantes sob a pele do braço, acima do cotovelo da mulher.

Age inibindo a ovulação, aumentando o espessamento do muco cervical e diminuindo a capacidade dos espermatozoides de fecundarem o óvulo. O implante subdérmico possui ação prolongada, agindo por até 03 anos, com baixas doses de hormônio sendo liberados continuamente na corrente sanguínea, proporcionam o efeito anticoncepcional. Só deve ser utilizado por mulheres que não desejem menstruar, já que com o tempo suspende a menstruação.

Anel Vaginal

É um anel flexível e transparente que deverá ser colocado no canal vaginal de forma que o anel cubra todo o colo do útero. O anel deve ser retirado a cada 03 semanas, mas se ocorrer um esquecimento ele poderá permanecer no canal vaginal sem nenhum prejuízo até 04 semanas.

Ele apresenta o mecanismo de ação semelhante aos dos anticoncepcionais orais. Seu efeito contraceptivo mais importante é a inibição da ovulação, mas, também interfere no espessamento do muco cervical diminuindo a capacidade dos espermatozoides de fecundarem o óvulo.

Adesivo Transdérmico

É um adesivo fino, colocado sobre a pele, que libera hormônios semelhantes aos produzidos pelo ovário. Previne a gravidez de forma semelhante aos anticoncepcionais hormonais orais. Seu efeito contraceptivo mais importante é a inibição da ovulação, mas, também interfere no espessamento do muco cervical diminuindo a capacidade dos espermatozoides de fecundarem o óvulo.

É um método de uso semanal. O adesivo deve ser colocado durante 3 semanas, no mesmo dia e horário. Na quarta semana não deve ser colocado, mas mesmo assim a mulher estará protegida. Na quinta semana deve reiniciar seu uso. O adesivo precisa estar bem aderido à pele para que sua ação seja efetiva. Os locais de aplicação são: nádegas, abdômen e parte superior externa do braço.

Este método não deve ser utilizado por mulheres que estejam amamentando, pois pode prejudicar a produção do leite materno e é contraindicado para mulheres com mais de 35 anos e fumantes.

Anticoncepcionais Injetáveis Hormonais

São anticoncepcionais injetáveis contendo uma associação de dois tipos de hormônios semelhantes aos que existem no corpo da mulher: estrogênio e progesterona. Como a dosagem de hormônios é alta, o efeito é mais prolongado no organismo. Existem 2 tipos: o mensal com a combinação de dois hormônios (estrogênio e progesterona) e o trimestral com apenas um tipo de hormônio (progesterona).

Ele age impedindo a liberação de óvulos pelos ovários (ovulação) e tornando o muco cervical espesso, impedindo a passagem dos espermatozoides. É aplicado em forma de injeção por via intramuscular. O injetável mensal deve ser aplicado uma vez por mês, entre o 7º e o 10º dia do ciclo, de preferência no 8º dia. O injetável trimestral deve ser aplicado a cada três meses e a primeira dose deve ser aplicada entre o 5º e o 7º dia do ciclo.

Dispositivo Intra- Uterino- DIU

São dispositivos de plástico flexível (polietileno) aos quais são adicionados cobre ou hormônios (levonorgestrel) que, inseridos no útero, exercem sua função de prevenir a gravidez. A escolha e a colocação do DIU no interior do útero devem ser feitas por um profissional de saúde treinado.

O DIU diminui a capacidade do espermatozoide de se movimentar dificultando seu acesso ao óvulo e também interfere nas características do muco cervical e no endométrio, dificultando a implantação de um possível óvulo fecundado. Deve ser introduzido de preferência no período menstrual, quando o colo uterino está mais aberto e também para garantir a ausência de gravidez.

Alberto Guimarães

Formado pela Faculdade de Medicina de Teresópolis (RJ) e mestre pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), o médico atualmente encabeça a difusão do “Parto Sem Medo”, novo modelo de assistência à parturiente que realça o parto natural como um evento de máxima feminilidade, onde a mulher e o bebê devem ser os protagonistas. Atuou no cargo de gerente médico para humanização do parto e nascimento do Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim,CEJAM, em maternidades municipais de São Paulo e na Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

Fonte: https://www.sitedecuriosidades.com/curiosidade/quantas-mulheres-em-media-engravidam-na-data-do-carnaval.html


Cerca de 60% dos homens acima de 50 anos pode ter próstata aumentada

Previsão da OMS indica que a HPB acometerá, até 2050, cerca de 80% dos homens acima dos 50 anos


De acordo com estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), até 2050, haverá cerca de 2 bilhões de pessoas com mais de 60 anos. Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que, nesse período, os idosos serão quase 30% da população de nosso país, equivalendo a, aproximadamente, 66,5 milhões de brasileiros. Com o aumento da expectativa de vida e o envelhecimento da população, não é de admirar que a Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) deva ter sua incidência e prevalência incrementada nos próximos anos. Uma previsão da OMS indica que a HPB acometerá, até essa época, cerca de 80% dos homens acima dos 50 anos.

Mas, o que é a HPB?

A próstata é uma glândula presente no organismo masculino, do tamanho de uma noz e responsável pela produção do líquido seminal. Por volta dos 45 anos, ela tende a aumentar naturalmente de tamanho, no que se chama Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB).

Apesar de frequente, essa condição prejudica a qualidade de vida do homem, afetando sua rotina e também a vida sexual. O Professor Dr. Francisco Cesar Carnevale, médico do CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa, destaca que dados recentes da OMS sugerem que a HPB ocorra em 1/4 dos homens com 50 anos de idade; em 1/3 daqueles com 60 anos e em metade dos que têm 80 anos ou mais.

 

Dentre seus principais sintomas, estão a dificuldade para urinar, a necessidade frequente e urgente de urinar, o aumento da micção noturna, a constante sensação de não esvaziamento completo da bexiga, entre outros.

Considerada uma doença, por conta das consequências que traz para o bem-estar do paciente, a HPB pode ser tratada por meio de um método minimamente invasivo: a chamada Embolização das Artérias Prostáticas (EAP), realizada por via endovascular para reduzir o fluxo de sangue da glândula. “O procedimento é reconhecido como opção segura e eficaz”, garante o médico.

Pioneiro no desenvolvimento desta técnica, o Professor Dr. Francisco Cesar Carnevale conta que o procedimento é feito com anestesia local e o paciente recebe alta algumas horas após a intervenção. “O objetivo é diminuir o volume e alterar a consistência da próstata, tornando-a mais macia.”

Os resultados são muito satisfatórios: “Já tratamos mais de 400 pacientes e a taxa de sucesso ficou entre 90 a 95%”, conclui o médico.

Prof.  Dr. Francisco Cesar Carnevale – médico do CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – autoridade médica referência nacional e internacional em Radiologia Intervencionista, Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular. Sua principal linha de pesquisa está focada no tratamento de pacientes com sintomas do trato urinário inferior associados ao crescimento da próstata pela Hiperplasia Prostática Benigna (HPB). Pioneiro a publicar na literatura científica mundial, a técnica de Embolização das Artérias da Próstata (EAP) dentro do Hospital das Clínicas da FMUSP, sob a supervisão dos professores Miguel Srougi e Giovanni Guido Cerri.  É diretor de Radiologia Vascular Intervencionista do Instituto de Radiologia (InRad-HCFMUSP), do Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP) e do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo (SP). É responsável pelas disciplinas de Graduação e Pós-graduação na área de Radiologia Intervencionista da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – centro médico e de pesquisas que é referência nacional e internacional nas áreas de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular, especialidades voltadas ao tratamento minimamente invasivo de doenças com o auxílio de métodos de imagem. Desde 1997, por meio de uma equipe de médicos da Universidade de São Paulo (USP) formada pelo Prof. Dr. Francisco Cesar Carnevale, Dr. Airton Mota Moreira e Dr. André Moreira de Assis, o CRIEP oferece, aos pacientes, uma série de tratamentos por meio de técnicas e equipamentos tecnológicos mais avançados. Site: http://www.criep.com.br


Bombeiro não consegue ser atendido pelo Planserv e pode perder a visão

Médicos anestesistas pararam de atender pelo Planserv


Foto: Mateus Pereira / GOVBA

Um soldado do 10º Grupamento de Bombeiros Militar diz que corre risco de perder a visão após sofrer um acidente durante o horário de trabalho, mas não consegue atendimento para fazer uma cirurgia de urgência pelo Planserv. Segundo ele, anestesistas só aceitam participar do procedimento caso o paciente pague por ele. Em entrevista ao Bahia Notícias, Fabiano Reis afirmou que se feriu ao abrir uma garrafa de vidro com refrigerante durante o plantão no último dia 25 de dezembro. “A tampa estourou e ela bateu em cheio no meu olho esquerdo”, disse.

 

De acordo com o bombeiro, o Planserv diz que a operação no olho está autorizada, mas quando ele chega ao hospital os anestesistas se recusam a realizar a anestesia pelo plano de saúde. “Essa espera pode comprometer a minha visão. Quanto mais demorar pra fazer a chance de recuperação da visão é menor”, comentou. Segundo Fabrício, o médico dele gostaria de fazer a operação já nesta quarta-feira (16).

 

Os anestesistas que atendiam beneficiários do Planserv suspenderam o atendimento no último dia 7. A Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas da Bahia (Coopanest-Ba) rescindiu o contrato com o plano de saúde que atende servidores públicos baianos por causa de um impasse sobre o reajuste do valor pago.

 

Segundo Fabrício, os anestesistas só participariam da cirurgia depois de uma reunião com o Planserv que está marcada para o dia 30 deste mês. O bombeiro estima que, caso precise pagar pelo procedimento, ele precisaria desembolsar cerca de R$ 1,5 mil.


Férias longe da meningite meningocócica: 6 informações importantes para você saber e se prevenir da doença

Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação é uma das melhores formas de proteção contra diversas doenças sérias, como a meningite meningocócica


Você sabia que, antes de aproveitar as férias, é importante colocar a caderneta de vacinação em dia? Nesse período, é muito comum frequentar lugares com muitas pessoas, o que pode aumentar a disseminação de doenças infecciosas.1Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação é uma das melhores formas de proteção contra diversas doenças sérias, como a meningite meningocócica.3

Essa doença é uma infecção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal causada pela bactéria Neisseria meningitidis, podendo deixar sequelas e até mesmo levar a óbito.4 Estima-se a ocorrência de pelo menos 1.2 milhões de casos da doença por ano no mundo, com cerca de 135 mil óbitos.2

Confira seis informações importantes sobre a meningite meningocócica para ajudar você e sua família a ficarem mais protegidos nessas férias.

 

  1. Por que as pessoas devem se vacinar antes das férias?

Certas atividades realizadas durante as férias, como viajar, participar de eventos e ir a locais com muita gente, podem aumentar a disseminação de doenças infecciosas. Por isso, é importante reservar um tempo durante a preparação das férias para colocar em dia o cartão de vacinação.1

 

  1. O que é a meningite meningocócica?

Trata-se de uma infecção bacteriana das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo causar sequelas e até mesmo levar a óbito.4 Ela é causada pela bactéria Neisseria meningitidis que possui 12 tipos identificados, sendo que cinco deles são os mais comuns (A, B, C, W e Y).4,6

 

  1. Como a meningite meningocócica é transmitida?

O meningococo, bactéria que causa a meningite meningocócica, pode ser transmitido de uma pessoa para outra por meio do contato direto com gotículas respiratórias através de tosse, espirro e beijo, por exemplo.4

Importante ressaltar que a meningite meningocócica não é uma doença só de criança. Cerca de 10% dos adolescentes e adultos são portadores da bactéria e podem transmiti-la mesmo sem adoecer – chamados de portadores assintomáticos.5

 

  1. Quais são os principais sinais e sintomas?

Os sinais e sintomas iniciais da meningite meningocócica — incluindo febre, irritabilidade, dor de cabeça, perda de apetite, náusea e vômito7 — podem ser confundidos com outras doenças infecciosas.5,7

Na sequência, o paciente pode apresentar pequenas manchas violáceas (arroxeadas) na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz.5,7

Se não for rapidamente tratado, o quadro pode evoluir para confusão mental, convulsão, sepse e choque, falência múltipla de órgãos e risco de óbito.5,7

 

  1. Quais são as possíveis complicações da meningite meningocócica?

Mesmo quando a doença é diagnosticada precocemente e o tratamento adequado é iniciado, 8% a 15% dos pacientes vão a óbito, geralmente dentro de 24 a 48 horas após o início dos sintomas.4

Se não for tratada, a meningite meningocócica é fatal em 50% dos casos e pode resultar em dano cerebral, perda auditiva ou incapacidade em 10% a 20% dos sobreviventes.4

 

  1. Como se prevenir contra a doença?

A vacinação é uma das melhores formas de prevenção contra a doença.13 Outras formas para a prevenção incluem evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos.8

Atualmente, existem vacinas para a prevenção dos 5 sorogrupos mais comuns no Brasil, a vacina contra a meningite meningocócica causada pelo tipo B e a vacina contra os tipos A, C, W e Y.6,9,10 A vacina para a prevenção do meningococo B está indicada a partir dos 2 meses de idade até os 50 anos, somente disponível na rede privada.9,11

A vacina para a prevenção da doença meningocócica causada pelos tipos A, C, W e Y é recomendada na rede privada a partir dos 3 meses de idade.9,10 Nos postos de saúde, a vacina contra a doença causada pelo meningococo C é gratuita para crianças menores de 5 anos de idade e adolescentes de 11 a 14 anos.9,12

 

Material dirigido ao público geral. Por favor, consulte o seu médico.

 

Sobre a GSK

Uma das indústrias farmacêuticas líderes no mundo, a GSK está empenhada em melhorar a qualidade de vida humana permitindo que as pessoas façam mais, sintam-se melhor e vivam mais. Para mais informações, visite www.gsk.com.br.

 

Referências:

  1. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION.Travel Smart: Get Vaccinated. Disponível em: <https://www.cdc.gov/features/vaccines-travel/index.html>. Acesso em: 18 dez. 2018.
  2. JAFRI, R.Z. et al. Global epidemiology of invasive meningococcal disease. Population health metrics, 11(1): 1-9, 2013.
  3. BRASIL. Ministério da Saúde. A vacinação ainda é a melhor forma de prevenir doenças. Disponível em: <http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/52650-a-vacinacao-ainda-e-a-melhor-forma-de-prevenir-contra-doencas>. Acesso em: 18 dez. 2018.
  4. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Meningococcal Meningitis. Disponível em: <www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/meningococcal-meningitis>. Acesso em: 18 dez. 2018.
  5. CASTIÑEIRAS, TMPP. et al. Doença meningocócica. In: CENTRO DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE PARA VIAJANTES. Disponível em:<http://www.cives.ufrj.br/informacao/dm/dm-iv.html>. Acesso em: 18 dez. 2018.
  6. SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Doença meningocócica (DM). Disponível em: <https://familia.sbim.org.br/doencas/88-doenca-meningococica-dm> Acesso em: 18 dez. 2018.
  7. THOMPSON, MJ. et al. Clinical recognition of meningococcal disease in children and adolescents. Lancet, 367:397-403, 2006.
  8. BRASIL. Ministério da Saúde. Meningite: causa, sintomas, prevenção e tratamento, 2018. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/meningites>. Acesso em: 18 dez. 2018.
  9. SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Calendário de vacinação da criança: recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2018/2019 [atualizado até 26/08/2018]. Disponível em: <https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-crianca.pdf>. Acesso em: 18 dez. 2018.
  10. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Calendário de vacinação da SBP 2018. Disponível em: < http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/21273g-DocCient-Calendario_Vacinacao_2018-set.pdf >. Acesso em: 18 dez. 2018.
  11. BEXSERO [vacina adsorvida meningocócica B (recombinante)]. Bula do produto.
  12. BRASIL. Ministério da Saúde. Vacinação: calendário nacional de vacinação. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/calendario-vacinacao>. Acesso em: 18 dez. 2018.
  13. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Bacterial meningitis. Disponível em: <https://www.cdc.gov/meningitis/bacterial.html>. Acesso em: 09 jan. 2019.


Rio tem caso suspeito de peste bubônica, doença é assustadora

Peste bubônica devastou a Europa entre 1347 e 1351.


Foto: Science Photo Library

O Rio de Janeiro poderá ter mais um problema a enfrentar diante de muitos já existentes, uma suspeita de Peste Bubônica está sendo investigado pelas autoridades em saúde. O caso suspeito foi registrado numa mulher de 57 anos, a identidade dela tem sido mantido em sigilo, na cidade de São Gonçalo, o último caso que havia sido notificado no país foi em 2005, em Pedra Branca, município do Ceará.

A paciente carioca deu entrada no hospital no fim de 2018 com insuficiência cardíaca, e coletas de fluidos foram feitas para investigar a doença. Por estar com uma ferida na perna, foi feita a coleta de pele, sendo encontrada no exame a bactéria Yersinia pestis, causadora da “Peste Bubônica” ou “Peste Nega”.

A temida doença dizimou a vida de ao menos 25 milhões de pessoas na Europa, no seculo XIV, essa estimativa é feita por historiadores.

A mulher em questão, foi isolada para em caso de confirmação da doença, não disseminar entre a população e rapidamente teve o tratamento com antibióticos iniciado, o estado de saúde dela é desconhecido.

O que é a “Peste Bubônica” ou “Peste Negra”?

Causada pela bactéria Yersinia pestis, presente em roedores e pequenos mamíferos, a “Peste Bubônica” ou “Peste Negra” é um dos três tipos de peste, após a infecção os sintomas levam entre 1 e 7 dias para aparecer. Os sintomas se assemelham a gripe incluindo febre, dores de cabeça, e vômitos. (Mais aqui)

Foto reprodução Biosom.

Os gânglios linfáticos, próximos do local onde a bactéria penetra, aparecem inchaços e dolorosos, formando o que se chama de “bubão pestoso”, podendo transformar-se em feridas e apresentar pus. Se não cuidada a peste transforma-se em septicêmica e pode cair na corrente sanguínea espalhando-se por todo o corpo. Ela ainda pode se apresentar nos pulmões. 

É recomendável manter-se afastado de roedores e pulgas como forma de evitar a infecção pela doença.